Quando o usuário não consegue acesso a remédios e/ou tratamentos de saúde que ainda não estão padronizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) ou que se encontram em falta, ele acaba procurando a Justiça para que o Poder Público possa oferecer esta assistência. O que muitas pessoas não sabem é que, quando alguém entra na Justiça para obter um tratamento específico, os recursos que eram para o coletivo, acabam destinados a apenas um único caso, uma vez que o orçamento da saúde também é utilizado para cumprir as decisões judiciais. Tal situação pode comprometer a gestão dos recursos de saúde pública de uma determinada localidade.

» Clique aqui e confira as dúvidas frequentes dos usuários do SUS.
» Clique aqui e baixe a cartilha “Entendendo o SUS”.
» Clique aqui e entenda como funciona a Ouvidoria de Saúde do Estado de Minas Gerais.
 
Alguns juristas acreditam que os tribunais estão criando um sistema público de saúde com duas portas de entrada: um para os cidadãos que podem recorrer e ter acesso a justiça, e consequentemente a qualquer tipo de tratamento independentemente dos custos, e outro para o resto da população, que não tem acesso ao Judiciário. Dessa forma, as pessoas que acessam o SUS pela via administrativa acabam penalizadas e muitas vezes perdem o seu lugar na fila de espera para uma demanda judicial, podendo apresentar até maior complexidade/gravidade do quadro clínico de saúde. O debate sobre o tema é complexo, uma vez que todo brasileiro tem direito à saúde garantido por meio do SUS, de acordo com a Constituição Federal. 
 
Vale destacar que o aumento do número de demandas judiciais em Minas Gerais e no Brasil também está relacionado à grande pressão das indústrias farmacêutica e de órteses e próteses pela incorporação de novas tecnologias no SUS. Além disso, a falta de um conhecimento mais aprofundado das políticas públicas de saúde por parte dos prescritores e da população é também apontada como uma das razões.
 
Em decorrência dos fatores mencionados acima, é gerado um grande impacto econômico aos cofres públicos, que tem atingido em média 8% do orçamento da Saúde. O recurso aplicado nas demandas judiciais poderia ser investido em políticas do SUS, de forma equânime, integral e universal, para todos os cidadãos, tais como a ampliação e melhoria da Atenção Primária em Minas Gerais, a criação de centros de especialidades e aprimoramento de serviços hospitalares ou de referência estadual. 
 
As demandas judiciais são diversas e determinam o fornecimento de medicamentos, insumos, dietas, materiais, procedimentos médicos e/ou hospitalares. Atualmente são demandados cerca de 4.000 diferentes itens, sendo grande parte medicamentos.

 

Avanços

A manutenção de diálogo com o Judiciário, Ministério Público, Defensoria Pública, dentre outros envolvidos com as demandas judiciais pode ter sido um fator importante para redução do índice de ingresso de novas demandas no ano de 2017. A SES-MG tem trabalhado em parceria com a Defensoria Pública de Minas Gerais oferecendo apoio técnico para prestar informações aos cidadãos e aos próprios Defensores sobre as alternativas terapêuticas disponíveis no SUS. Tal medida tem surtido efeitos positivos, prevenindo a judicialização desnecessária.

Munidos de informações completas sobre a eficácia dos medicamentos padronizados, os cidadãos podem ser orientados a procurarem a política de Assistência Farmacêutica ao invés da solução pela via judicial. Em outro momento, nos casos em que não é possível evitar o ajuizamento da ação judicial, o NAJS também tem atuado no sentido de prestar esclarecimentos ao Poder Judiciário acerca da organização e funcionamento SUS por meio de Informações Técnicas que visam instruir tecnicamente as decisões judiciais.