A tuberculose é uma doença infecciosa e contagiosa causada por uma bactéria que afeta principalmente os pulmões, mas também pode atingir outras partes do corpo. No mundo são registrados aproximadamente 9,6 milhões de casos todos os anos, sendo uma morte a cada 21 segundos.

Segundo o último relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS), a tuberculose é a doença infecciosa que mais mata jovens e adultos, ultrapassando o HIV/AIDS. No Brasil são notificados aproximadamente 67 mil casos novos e ocorrem 4,5 mil mortes em decorrência da doença (13 brasileiros morrem em média todos os dias de tuberculose).

Em Minas Gerais, foram notificados 3591 casos novos da doença em 2017 e 538 municípios registraram pelo menos 1 caso de tuberculose entre os seus residentes. A região metropolitana de Belo Horizonte (MG) concentra, aproximadamente, um terço dos casos do Estado. As regionais de Belo Horizonte, Juiz de Fora, Montes Claros e Coronel Fabriciano apresentaram maior número de casos novos da doença em 2017.

A tuberculose pulmonar é transmitida de pessoa para pessoa pelo ar, quando um doente tosse, espirra, canta ou fala mais alto. A tosse com duração de 03 ou mais semanas é um dos sintomas principais, acompanhada ou não de febre ao final da tarde, suor noturno e emagrecimento. Na vigência desses sintomas, é importante a pessoa procurar a Unidade Básica de Saúde mais próxima da sua casa para ser avaliada.

A realização do exame do escarro é uma das principais ações para o diagnóstico da tuberculose. O Estado de Minas Gerais possui uma rede que realiza também o Teste Rápido Molecular, exame moderno para o diagnóstico da doença, e o exame de cultura.

Qualquer um pode adoecer por tuberculose, mas aqueles que vivem com o vírus HIV/AIDS, diabéticos, pessoas que convivem com doentes com tuberculose, pessoas em situação de rua ou privados de liberdade estão entre os grupos de maior risco de adoecimento.

A Tuberculose tem cura, o tratamento é gratuito e disponível no Sistema Único de Saúde (SUS). Para o êxito do tratamento, é importante que o paciente tome os medicamentos de forma regular (todos os dias) e no tempo previsto (mínimo de 06 meses). 

O abandono do tratamento é um dos principais desafios para o controle da tuberculose (o percentual de abandono em Minas Gerais foi de 9,5% em 2016, considerado elevado). Trata-se de uma situação grave e pode levar o doente à morte; além de manter a transmissão da doença e ocasionar o aparecimento de bactérias mais resistentes aos medicamentos.

Por isso, é importante sensibilizar a comunidade a respeito da doença, já que o desconhecimento é um dos principais desafios para o seu controle. A pessoa em uso correto dos medicamentos não transmite a doença após 15 dias de tratamento, aproximadamente.

A Coordenação do Programa Estadual de Controle da Tuberculose de Minas Gerais (PECT-MG) realiza diversas ações de Gestão e Vigilância Epidemiológica, que constam principalmente de:

  • Elaboração do Plano Estadual pelo Fim da Tuberculose como Problema de Saúde e monitoramento dos Planos Regionais, baseados no Plano Nacional, que visa principalmente o desenvolvimento de ações essenciais ao cumprimento das diretrizes do Programa e o alcance das metas estabelecidas pela SES e Ministério da Saúde;
  • Realização de capacitações e orientações técnicas para qualificar a assistência prestada aos pacientes;
  • Visitas de monitoramento e avaliação às regionais de saúde e municípios com maior número de casos de tuberculose, para apoio técnico em relação a gestão do programa;
  • Realização de articulações inter e intrassetoriais visando atendimento adequado às populações mais vulneráveis (pessoas em situação de rua, privados de liberdade, DST/Aids, indígenas e trabalhador da saúde);
  • Atividades direcionadas à Gestão de Casos de Tuberculose dos pacientes com esquemas de tratamento especiais ou qualquer tipo de resistência às drogas;
  • Ações de Vigilância Epidemiológica através por meio dos bancos de dados do SINAN-TB, SITETB e ILTB, que constam de softwares do Ministério da Saúde para monitoramento e vigilância de todos os casos de TB e em quimioprofilaxia no estado;
  • Ações de Advocacy, Comunicação e Mobilização Social, com participação ativa no Comitê Mineiro para o Controle Social da TB, para sensibilização da população quanto às ações de prevenção da TB e promoção à saúde;
  • Ações conjuntas junto a FUNED buscando a garantia do fornecimento dos exames essenciais para o diagnóstico e acompanhamento da TB;
  • Ações de estímulo à detecção precoce da doença pela Atenção Primária à Saúde, através por meio do acompanhamento mensal dos sintomáticos respiratórios (SR) e monitoramento dos dados, conforme pactuação no Programa de Monitoramento das Ações de Vigilância em Saúde/SES-MG;
  • Realização de reuniões mensais periódicas com os profissionais dos municípios que compõem a Rede Técnica Metropolitana de BH para o controle da TB, com atividades pautadas em demandas relacionadas à melhoria da gestão do Programa de TB no estado de Minas Gerais.

 

1º Seminário Estadual para o Controle da Tuberculose no Sistema Prisional de Minas Gerais

A Tuberculose é uma doença infecciosa e contagiosa, causada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis, que afeta os pulmões, embora possa acometer outras partes do corpo. A doença tem cura e o tratamento é disponível pelo SUS. O desconhecimento é um dos principais desafios para o seu controle. Por isso, é muito importante sensibilizar a comunidade a respeito da doença. Tire suas dúvidas:

 

O que é tuberculose?

É uma doença causada por uma bactéria, transmitida pelo ar de pessoa para pessoa, quando um doente fala, tosse ou espirra. Atinge principalmente os pulmões, mas pode afetar também outros orgãos.

Quais são os principais sintomas da tuberculose pulmonar?

Tosse persistente, com ou sem catarro, por mais de três semanas, podendo ser acompanhada dos seguintes sintomas:

- febre, geralmente no final do dia;

- suor noturno;

- emagrecimento;

- falta de apetite;

- cansaço;

- dor no peito.


Como é feito o tratamento?

O tratamento é gratuito e deve ser feito por um período mínimo de 06 meses, sendo que os medicamentos devem ser tomados todos os dias e mesmo com a melhora dos sintomas o tratamento não pode ser interrompido.

O comparecimento as consultas mensais no posto de saúde e a realização dos exames de escarro e do teste hiv são fundamentais para o sucesso do tratamento, por isso é importante que um profissional de saúde acompanhe a tomada da medicação pelo paciente (tratamento diretamente observado).

A tuberculose tem cura se o tratamento for realizado até o final.

Como orientar os contatos?

Pessoas que convivem com um doente com tuberculose, na residência ou no trabalho, devem procurar um posto de saúde para avaliação.

Como prevenir a tuberculose?

A vacina bcg protege a criança contra as formas graves da doença. Além disso, manter os ambientes com luz solar e ventilação ajudam na prevenção da doença.

Importante: a melhor forma de evitar a transmissão da doença é fazer o tratamento de forma regular. Após 15 dias de uso dos medicamentos, a maioria dos pacientes com tuberculose não transmitem mais a doença.