febreamarela home

A Febre Amarela é uma doença infecciosa febril aguda, causada por um vírus transmitido por mosquitos vetores e possui dois ciclos de transmissão: silvestre (quando há transmissão em área rural ou de floresta) e urbano. Em áreas de mata, os principais vetores são os mosquitos Haemagogus e Sabethes. O vírus é transmitido pela picada dos mosquitos transmissores infectados e não há transmissão direta de pessoa a pessoa. 

Para o enfrentamento da doença, o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece gratuitamente a vacina por meio do Calendário Nacional de Vacinação nas Unidades Básicas de Saúde (também conhecidas como Posto de Saúde).

banner 1

» Clique aqui e confira os Informes Epidemiológicos da Febre Amarela

» Acesse os dados de cobertura vacinal em Minas Gerais, neste link - atualização em 15/03/2018

» Confira documentos e links com conteúdo de interesse:

  1. Informe sobre atualização das epizootias em Minas Gerais (29/08/2018)*
  2. Fluxograma para Atendimento de Febre Amarela (3ª Versão de 2018 - atualizado pela SES-MG em 05/03/2018)
  3. Hospitais de Referência para atendimento de Febre Amarela  
  4. Nota Técnica nº 03/2018 - Vacina Febre Amarela - atualização em 13/03/2018
  5. Nota Técnica nº 94/2017 - Orientações e indicação de dose única da vacina de Febre Amarela
  6. Webaula sobre Febre Amarela do Centro de Telessaúde do Hospital das Clínicas da UFMG
  7. Webaula sobre a vacinação contra a Febre Amarela com o Dr. José Geraldo
  8. Manejo Clínico da Febre Amarela 
  9. Questionário para investigação de casos suspeitos de Febre Amarela
  10. Nota do Coren-MG acerca da aplicação da vacina

* Este Boletim refere-se à atualização do período de monitoramento de 01 de julho de 2017 a 30 de junho de 2018, sobre a confirmação de epizootia notificada no município de Varginha no mês de maio de 2018 que, desde então já encontrava-se em investigação. Com relação ao  período de monitoramento vigente, 01 de julho de 2018 a 30 de junho de 2019, não há municípios com epizootia confirmada.

banner 3

A maior frequência da Febre Amarela ocorre entre os meses de dezembro e maio, período com maior índice de chuvas, quando aumenta a proliferação do vetor, o que coincide ainda com maior atividade agrícola. A infecção acontece quando uma pessoa que nunca tenha contraído a febre amarela, ou tomado a vacina contra a doença, é picada por um mosquito infectado, o Haemagogus e o Sabethes.

Geralmente, quem contrai este vírus não chega a apresentar sintomas ou os mesmos são muito fracos. As primeiras manifestações da doença são repentinas: febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos por cerca de três dias. A forma mais grave da doença é rara e costuma aparecer após um breve período de bem-estar (até dois dias), quando podem ocorrer insuficiências hepática e renal, icterícia (olhos e pele amarelados), manifestações hemorrágicas e cansaço intenso. A maioria dos infectados se recupera bem e adquire imunização permanente contra a febre amarela. A medida mais importante para prevenção e controle da febre amarela é a vacinação. 

» Clique aqui e confira as PERGUNTAS E DÚVIDAS MAIS FREQUENTES sobre a Febre Amarela.

A mortandade de macacos é um importante indicativo da circulação do vírus da febre amarela, uma vez que os macacos também são vítimas dos mosquitos vetores da doença no ciclo silvestre (Haemagogus e o Sabethes). Sendo assim, a morte de macacos deve ser notificada à Secretaria Municipal de Saúde ou a própria Prefeitura de seu município.

O recomendado é o deslocamento de agentes de saúde para essa localidade, para fazerem uma investigação complementar e, caso seja encontrado vestígio desse animal morto, fazer a coleta e encaminhar para diagnóstico laboratorial. O achado de macacos mortos serve de alerta para que os órgãos de saúde pública iniciem campanhas de vacinação. Por isso, além de ilegal, a matança de animais, assim como o envenenamento intencional de macacos são extremamente prejudiciais ao próprio homem.

banner 4

A vacina é recomendada a todas as pessoas, principalmente aquelas que moram ou vão viajar para áreas com indícios de febre amarela. Está disponível, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), em todas as unidades de saúde, e deve ser administrada pelo menos 10 dias antes do deslocamento para áreas de risco. As pessoas que não estiverem com doses em dia, precisam atualizar o cartão de vacina.

» Clique aqui e conheça o Esquema Vacinal para a Febre Amarela

Em abril de 2016, foi adotada a dose única da vacina contra Febre Amarela no SUS em Minas Gerais. Isso significa que apenas uma dose é capaz de imunizar por toda a vida, não havendo mais a necessidade de reforço. A medida foi proposta pelo Ministério da Saúde, que recomenda a dose única seguindo orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS).

» Clique aqui e confira a Nota Técnica do Ministério da Saúde sobre a dose única da vacina contra a Febre Amarela.