Coronavírus | Glossário  | Profissionais de Saúde | Legislações

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus, descoberto após casos registrados na China, provoca a doença chamada de coronavírus (COVID-19).

transmissão do coronavírus ocorre de pessoa a pessoa, pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos. Para se prevenir, lave as mãos com frequencia, utilizando água e sabão ou use álcool em gel. Cubra o nariz e boca ao espirrar ou tossir; evite aglomerações se estiver doente, mantenha os ambientes bem ventilados e não compartilhe objetos pessoais.

Os sinais e sintomas do coronavírus são principalmente respiratórios, semelhantes a um resfriado. Os principais sintomas são: febre, tosse, dificuldade para respirar, produção de escarro, congestão nasal, dor de garganta e coriza.

Atualmente, não existe tratamento específico para infecções causadas por coronavírus. No caso do COVID-19, é indicado repouso e consumo de bastante água, além de medidas para alívio dos sintomas, como o uso de medicamento para dor e febre (antitérmicos e analgésicos). Em caso de piora do quadro, com febre alta e persistente, e dificuldade em respirar, procure a unidade básica de saúde mais próxima.

1

O que é o novo coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China. Provoca a doença chamada de coronavírus (COVID-19).

Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o novo coronavírus?

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.

Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção). Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

Como o coronavírus é transmitido?

A transmissão ocorre de pessoa para pessoa, pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como: gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Quais são os sintomas do novo coronavírus?

Os sinais e sintomas do coronavírus são principalmente respiratórios, semelhantes a um resfriado. Podem, também, causar infecção do trato respiratório inferior, como as pneumonias. No entanto, o coronavírus (SARS-CoV-2) ainda precisa de mais estudos e investigações para caracterizar melhor os sinais e sintomas da doença.

Os principais são sintomas conhecidos até o momento são:
  • Febre;
  • Tosse;
  • Aumento de secreção;
  • Dor de garganta;
  • Coriza;
  • Congestão nasal;
  • Dificuldade para respirar.

O que fazer em caso de surgimento de sintomas?

Casos suspeitos leves podem permanecer em isolamento domiciliar, com repouso e uso de medicamentos analgésicos e antitérmicos para alívio dos sintomas, além de bastante hidratação. Em caso de piora no quadro, no entanto, com aumento e persistência da febre, e/ou dificuldade para respirar, recomenda-se buscar a unidade básica de saúde mais próxima. Apenas casos graves necessitam encaminhamento para hospital com leitos de isolamento. Casos leves poderão ser acompanhados pela Atenção Primária e instituídas medidas de precaução domiciliar.

Por quanto tempo a doença pode ficar incubada?

A doença pode ficar incubada até duas semanas após o contato com o vírus. O período médio de incubação é de 14 dias.

Como é feito o diagnóstico do novo coronavírus?

O diagnóstico do novo coronavírus é feito com a coleta de materiais respiratórios (aspiração de vias aéreas ou indução de escarro). Para confirmar a doença é necessário realizar exames de biologia molecular que detecte o RNA viral, a partir de 1 (uma) amostra.

Laboratórios credenciados para o diagnóstico do Covid-19 em Minas Gerais: Funed, Hermes Pardini, Fleury e Alvaro. Caso o Covid-19 tenha sido confirmado por diagnóstico em laboratório não credenciado, a contraprova será realizada pela Funed.

Como é o tratamento?

Não existe tratamento específico para infecções causadas por coronavírus humano. No caso do coronavírus é indicado repouso e consumo de bastante água, além de algumas medidas adotadas para aliviar os sintomas, como uso de medicamento para dor e febre (antitérmicos e analgésicos). Assim que os primeiros sintomas surgirem, é fundamental buscar isolamento doméstico. Apenas em caso de piora dos sintomas, como persistência da febre e dificuldade de respirar, deve-se buscar atendimento na unidade básica de saúde mais próxima.

Qual a diferença entre gripe e o novo coronavírus?

No início da doença, não existe diferença quanto aos sinais e sintomas de uma infecção pelo novo coronavírus em comparação com os demais vírus. Por isso, é importante ficar atento às áreas de transmissão local e comunitária.

Como é definido um caso suspeito de coronavírus?

Situação 1 – VIAJANTE: pessoa que, nos últimos 14 dias, retornou de viagem internacional de qualquer país ou município com transmissão comunitária dentro do Brasil, e apresente:
● Febre E pelo menos um dos sinais ou sintomas respiratórios (tosse, dificuldade para respirar, produção de escarro, congestão nasal ou conjuntival, dificuldade para deglutir, dor de garganta, coriza, saturação de O2 < 95%, sinais de cianose, batimento de asa de nariz, tiragem intercostal e dispneia).

Situação 2 – CONTATO PRÓXIMO: pessoa que, nos últimos 14 dias, teve contato próximo de caso suspeito ou confirmado para COVID-19 E apresente:
● Febre E pelo menos um sinal ou sintoma respiratório (tosse, dificuldade para respirar, produção de escarro, congestão nasal ou conjuntival, dificuldade para deglutir, dor de garganta, coriza, saturação de O2 < 95%, sinais de cianose, batimento de asa de nariz, tiragem intercostal e dispneia).

Há risco de contaminação pelo novo coronavírus quando em contato com embalagens ou produtos enviados do exterior?

Neste momento, a Organização Mundial da Saúde (OMS) desaconselha a aplicação de quaisquer restrições ao comércio. Segundo a OMS, é seguro receber encomendas de países que já notificaram casos confirmados. Por experiência com outros coronavírus, sabemos que esses tipos de vírus não sobrevivem por muito tempo em objetos, como cartas ou pacotes. Além disso, a transmissão se dá por via respiratória, de pessoa a pessoa.

Existe alguma orientação específica com relação às gestantes?

A infecção pelo COVID-19 é uma doença de aparecimento recente e, por isso, ainda não há conhecimento específico sobre o tema que permita a elaboração de protocolos assistenciais obstétricos específicos. As orientações atuais derivam da analogia com infecções causadas por​ vírus da mesma família que o COVID-19 e outros vírus, como CoV-SARS, CoV-MERS e H1N1. Sendo assim, é altamente recomendável que as equipes de saúde se organizem para garantir que as gestantes permaneçam o mínimo de tempo necessário para a realização das consultas de rotina de pré-natal, evitando ao máximo aglomerações em salas de esperas. Também se justifica, no momento atual, a suspensão temporária dos grupos operativos de gestantes.

Para o atendimento de gestante, em serviços de saúde, classificada como “caso suspeito” a grávida em atendimento deverá utilizar máscara​ de proteção e o profissional deverá utilizar equipamentos de proteção individual (EPI) que inclui máscara, luvas, óculos e avental. Além disso, o acompanhamento pré-natal das gestantes com suspeita de infecção pelo COVID-19 deverá ser mantido no nível assistêncial em que a gestante já estava sendo atendida anteriormente, ou seja, as gestantes de risco habitual continuarão na Atenção Primária à Saúde (APS) e as de alto risco, deverão manter o atendimento no nível secundário (pré-natal de alto risco).

Ressaltamos que as medidas de prevenção e controle estão em constante atualização, e é fundamental acompanhar, visto que a situação epidemiológica é dinâmica e a orientação pode ser alterada a qualquer momento.

O COVID-19 pode causar problemas durante a gravidez?

Até o momento, as publicações disponíveis sugerem que a evolução da infecção pelo COVID-19 na gestação não é diferente do mesmo grupo da faixa etária, ou seja, não há dados de que o COVID-19 cause outros problemas durante a gravidez ou afeta saúde do feto e do recém-nascido.

O COVID-19 pode ser passado de uma mulher grávida para o feto ou recém-nascido?

Até o presente momento, nenhum recém-nascido de mãe com COVID-19 apresentou resultado positivo para o vírus COVID-19.
 

Qual serviço de saúde deve acompanhar o pré-natal das gestantes com suspeita de infecção pelo COVID-19 ?

O acompanhamento pré-natal das gestantes com suspeita de infecção pelo COVID-19 deverá ser mantido no nível assistencial em que a gestante já estava sendo atendida anteriormente, ou seja, as gestantes de risco habitual continuarão na Atenção Primária à Saúde (APS) e as de alto risco, deverão manter o atendimento no nível secundário (pré-natal de alto risco). As gestantes que ainda não tiverem iniciado o pré-natal devem ser orientadas a procurar a APS o quanto antes para agendamento da primeira consulta.

Existe evidência sobre a melhor via de parto para a mãe e o bebê?

Nesta fase da epidemia pouco se sabe sobre a melhor via de parto, considerando o que seria melhor para a mãe e para o feto. Por analogia com mulheres infectadas pelo H1N1, CoV-SARS ou CoV-MERS, mulheres em boas condições gerais, sem restrição respiratória e sem comprometimento dos níveis de saturação de O2 podem se beneficiar do parto vaginal, assim como o feto. No entanto, naquelas com restrição respiratória, a interrupção da gravidez por cesárea, a despeito do risco anestésico, parece ser a melhor opção.

Quais são as orientações provisórias sobre aleitamento materno para mãe confirmada ou sob investigação para COVID-19?

A amamentação pode ser mantida para puérperas infectadas por este vírus. Orientação divulgada pela OMS sugere que puérperas em bom estado geral deveriam manter a amamentação utilizando máscaras de proteção e higienização prévia das mãos.

Se a lactante estiver na fase aguda da doença e a equipe sentir-se insegura de liberar o contato direto, o leite pode ser ordenhado e ofertado ao neonato. Os riscos e benefícios da separação temporária da mãe e do bebê devem ser discutidos com a mãe pela equipe de saúde.

Há alguma recomendação especial para pessoa com deficiência?

É importante observar que ser uma pessoa com deficiência não significa por si só que ela apresente maior vulnerabilidade ao novo coronavírus. Entretanto, entre as pessoas com deficiência há as que têm maior vulnerabilidade e precisam da maior atenção para evitar o contágio: pessoas com restrições respiratórias; com condições autoimunes; pessoas acima de 60 anos; pessoas com doenças associadas como diabetes, hipertensão arterial, doenças do coração e pulmão; doenças neurológicas e pessoas em tratamento de câncer. Para aquelas pessoas que possuem algum tipo de deficiência e que dependem de auxílio para comer, vestir-se e higienizar-se, o distanciamento social e o isolamento pessoal podem ser difíceis. Por isso, as medidas de higienização devem ser reforçadas. Para as pessoas que utilizam órteses, próteses e meios auxiliares de locomoção, os cuidados de higienização destes dispositivos devem ser redobrados, conforme orientações recebidas pelo serviço de referência.

PCD | Por que os serviços de reabilitação foram suspensos temporariamente ou parcialmente?

A Coordenação de Atenção à Saúde da Pessoa com Deficiência do Estado de Minas Gerais tem como principal prioridade zelar pela saúde e segurança das pessoas com deficiência, que fazem uso dos serviços de reabilitação da Rede de Cuidados da Pessoa com Deficiência (RCPD), bem como de seus familiares, e dos profissionais que atuam nos serviços. Como medida de prevenção e contenção à propagação do novo coronavírus foi necessária a suspensão temporária dos atendimentos dos serviços considerados de atendimentos eletivos até que a situação se normalize. Os atendimentos eletivos são aqueles programados, marcados previamente, não sendo considerados de urgência e
emergência.

Os serviços de saúde que compõe a RCPD do SUS-MG, prestam atendimento nas modalidades de reabilitação intelectual, auditiva, visual, física, ostomia e/ou em múltiplas deficiências e possuem caráter eletivo. Estes serviços foram suspensos temporariamente ou parcialmente em todo o estado para evitar ou reduzir ao máximo a exposição dos usuários ao novo coronavírus. Ressalta-se que esses serviços são locais de grande trânsito de pessoas, com diversas enfermidades e níveis de vulnerabilidade imunológica diferenciados.

PCD | Eu perderei minha vaga no serviço de reabilitação caso eu não compareça?

Você não perderá sua vaga. A continuidade de sua reabilitação está garantida assim que os serviços retornarem.

PCD | O que eu posso fazer neste período sem reabilitação?

O sucesso da reabilitação depende não apenas dos profissionais, mas também de esforços individuais e da família. Neste momento é importante focar no que pode ser feito em casa com auxílio de familiares e cuidadores. Faça os exercícios, atividades e tarefas propostas pela equipe de reabilitação ao longo das sessões de reabilitação realizadas até o momento. Caso o seu serviço de reabilitação de referência estabeleça uma forma de contato por telefone, e-mail ou redes sociais neste período, não hesite em tirar suas dúvidas.