Vida Saudável

No dia 16 de Outubro, é celebrado mundialmente o Dia Mundial da Alimentação, com o objetivo de mobilizar a população a refletir sobre o tema da alimentação.

Para celebrar essa data em 2020, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais convida a população a refletir sobre suas escolhas alimentares, sobre o ato de cozinhar e sobre aquelas receitas antigas que anteriormente eram transmitidas de pais para filhos, de avós para netos.

“No Brasil e em muitos outros países, o processo de transmissão de habilidades culinárias entre gerações vem perdendo força e as pessoas mais jovens possuem cada vez menos confiança e autonomia para preparar alimentos” (Brasil, 2014). O processo de perda progressiva de habilidades culinárias entre os brasileiros adultos está relacionado ao favorecimento do consumo de alimentos ultraprocessados em detrimento do consumo de alimentos in natura e minimamente processados. Por outro lado, estudos demonstram que habilidades culinárias estão relacionadas positivamente à maior frequência de consumo de legumes e verduras, assim como de outros alimentos saudáveis.

É importante destacar que os alimentos ultraprocessados que são os alimentos industrializados, tais como refrigerantes e refrescos, salgadinhos tipo chips, biscoitos, macarrão instantâneo, salsicha e outros embutidos, dentre outros, presentam altos teores de calorias, gorduras totais e gordura saturada, açúcar, sal e aditivos, menor teor de fibras, além de estarem relacionados ao aumento da incidência de doenças, como obesidade, câncer e diabetes. Os produtos ultraprocessados, em sua maioria prontos para consumo, possuem, ainda, características que facilitam o hábito de “beliscar”entre as refeições e que estimulam o consumo excessivo de calorias. Características sensoriais desses produtos, como hiperpalatabilidade, sua longa duração e facilidade de trasporte aliadas a fortes estratégias de marketing contribuem para a explicação do aumento do consumo desses produtos no Brasil.

Os alimentos in natura e minimamente processados, como frutas, legumes, hortaliças, arroz, feijão, carnes, ovos e leite, por sua vez, devem ser a base para uma alimentação saudável.

As razões para o enfraquecimento das habilidades culinárias são complexas e envolvem a desvalorização do ato de preparar, combinar e cozinhar alimentos como prática cultural e social, a multiplicação das tarefas cotidianas e a incorporação da mulher no mercado formal de trabalho, além da grande oferta e da publicidade agressiva dos alimentos ultraprocessados.

As preparações culinárias constituem parte importante da cultura de uma sociedade. A nossa culinária mineira, por exemplo, rica em legumes e verduras comuns no estado, está fortemente relacionada com a identidade de nós mineiros.

Além disso, as preparações culinárias também estão associadas a autonomia dos indivíduos e ao prazer e bem estar propiciado em preparar o seu próprio alimento.

Habilidades culinárias não significam apenas o domínio de técnicas culinárias, mas também o planejamento das compras de alimentos e ingredientes culinários, organização da despensa doméstica e definição prévia do que vai se comer ao longo da semana.

O tempo pode ser um obstáculo importante para a adoção de práticas culinárias no dia a dia. Uma estratégia para reduzir o tempo dedicado a alimentação é planejar as compras, organizar a despensa e definir com antecedência o cardápio da semana. Outras dicas: cozinhar alimentos que demandam maior tempo de cocção, como o feijão, em maior quantidade em um único dia, e posteriormente serem congelados e utilizados em preparações ao longo da semana. Preferir pratos como sopas, omeletes e arroz com legumes refogados, que tomam menos tempo em dias em que a disponibilidade de tempo é menor. Higienizar e secar verduras com antecedência para uso ao longo da semana. Com a prática, e consequente aumento do domínio de técnicas culinárias, possivelmente o tempo de preparo dos alimentos será reduzido. É importante, ainda, partilhar entre todos os moradores da casa, independente do gênero, a responsabilidade por todas as atividades domésticas relacionadas à aquisição de alimentos e ao preparo e consumo de refeições, para que ninguém fique sobrecarregado.

Dessa forma, convidamos a população a retomar, adquirir e desenvolver as habilidades culinárias, partilhando com as pessoas com quem convive, principalmente com crianças e jovens, sem distinção de gênero, conforme recomendação do Guia Alimentar para a População Brasileira do Ministério da Saúde. Cozinhe, aprenda a cozinhar, compartilhe suas habilidades culinárias com seus familiares e com as pessoas com quem convive. E, lembre-se, que como toda habilidade, cozinhar se aprende praticando!

Compartilhe com a sua rede! Ajude-nos na mobilizar a sua comunidade, público, família, amigos e colegas de trabalho sobre a importância de uma alimentação saudável!

Materiais de apoio: