Notícias https://www.saude.mg.gov.br:443 Sat, 22 Feb 2020 09:59:26 +0000 Joomla! - Open Source Content Management pt-br Saúde estuda proposta sobre nova metodologia de gestão hospitalar https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12148-saude-estuda-proposta-sobre-nova-metodologia-de-gestao-hospitalar https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12148-saude-estuda-proposta-sobre-nova-metodologia-de-gestao-hospitalar

Buscando inovação para a assistência a pacientes com necessidade de internação hospitalar, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) tem avaliado a adoção da metodologia de Grupos Relacionados em Diagnósticos (Diagnosis-Related Groups – DRG) a ser implantada em hospitais prestadores de serviços ao SUS. Atualmente, está em curso a formulação de uma proposta que possa trazer incentivos para que, facultativamente, esses estabelecimentos de saúde possam adotar o sistema. “O DRG é uma ferramenta que conta com larga experiência internacional, tendo mais de 40 anos de desenvolvimento em diversos países. Ele permite que seja feita uma gestão clínica melhorada em relação a pacientes que possuem comorbidades e condições de saúde associadas à causa que levou à internação, tratando o paciente considerando-se todas as suas morbidades. Trata-se de uma metodologia que torna a gestão mais humana, uma vez que o foco é o paciente como um todo, e não uma doença. Além de tornar a gestão mais eficiente”, explica a assessora técnica do Gabinete da SES-MG, Ana Carmen Silva Reis.

Crédito: Pixabay

A ferramenta permite agrupar o paciente em um mesmo grupo de pessoas com condições similares, buscando fazer com que o período de internação e seu desfecho tenham eficiência semelhante ou melhor. “Assim, temos uma lógica estruturada na ampliação da capacidade de gestão dos serviços de saúde conforme avaliação epidemiológica e monitoramento dos achados, direcionando intervenções que tenham maior custo-efetividade, com gestão focada em resultados”, ressalta.

O agrupamento dos pacientes por meio da classificação pelo DRG permite a categorização, com um conjunto específico de serviços e atividades entregues para cada paciente em função das suas necessidades no processo assistencial e clinicamente alinhada e coerente ao consumo de recursos. “O princípio é que os prestadores estejam focados no doente e não na doença, respeitando-se as características clínicas, demográficas e terapêuticas dos pacientes que influenciam e determinam o tipo e a complexidade dos serviços indispensáveis ao seu tratamento”, aponta Reis.

A partir do DRG, é possível estimar o tempo de internação necessário e, consequentemente, o custo do serviço, o que otimiza recursos financeiros. A proposta do Estado é que haja ampliação do conhecimento de como funciona o sistema e, uma vez sendo implantado, que haja transição e adaptação para aqueles prestadores que aderirem à metodologia. Uma consulta pública deverá ser feita nos próximos meses, de forma que sejam formatados os mecanismos de incentivo para adesão.

DRG

Em 1964, um grupo de pesquisadores da Universidade de Yale desenvolveu a metodologia DRG como um sistema para a classificação de pacientes com condições clínicas agudas, baseando-se no status da admissão no hospital e eventuais comorbidades associadas. Desde então, é utilizado para pagamento de serviços prestados em vários países, além de estar se consolidado como um apoio à eficiência e à efetividade assistencial, estabelecendo as relações entre resultados assistenciais e seus custos.

]]>
Banco de notícias Tue, 18 Feb 2020 15:57:54 +0000
SES-MG reforça cuidados com a saúde no Carnaval https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12142-ses-mg-reforca-cuidados-com-a-saude-no-carnaval https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12142-ses-mg-reforca-cuidados-com-a-saude-no-carnaval

O período do Carnaval chegou e, antes de sair de casa para curtir a folia, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) orienta sobre a importância do cuidado com a saúde e o uso da camisinha em todas as relações sexuais para a prevenção de HIV/Aids, hepatites, sífilis, além de outras Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST’s). Embora os cuidados devam ocorrer durante todo o ano, é neste período que eles precisam ser intensificados. E, para reforçar a prevenção, a SES-MG distribuirá mais de oito milhões de preservativos em todo o estado durante as festas.

Além disso, para conscientizar os foliões, a SES-MG também lançou a campanha de prevenção à AIDS e às IST’s. Com o tema: “Camisinha. Em qualquer bloco, ela veste bem”. A ação tem o objetivo de estimular o uso da camisinha como forma de prevenção às infecções sexualmente transmissíveis. Em parceria com os blocos de carnaval Bartucada; Então, Brilha; Baianas Ozadas; Baianeiros; e Beiço do Wando, serão desenvolvidas ações de sensibilização dos foliões sobre a prevenção do HIV/Aids e outras ISTs por meio do uso do preservativo, distribuição de materiais informativos impressos, inspirados nos blocos. Também haverá a disponibilização de materiais informativos por meio das mídias sociais (instagram, whatsapp, facebook), no site: www.saude.mg.gov.br/sexoseguro em locais como outdoors, abrigo de ônibus, backbus e no serviço de streaming Spotify.

A coordenadora de IST, Aids e Hepatites Virais da SES-MG, Mayara Marques de Almeida, reforça que a preocupação deve existir sempre, mas, nesse período, quando as pessoas costumam aproveitar os dias de folia, é que aumentam os riscos de exposição às infecções sexualmente transmissíveis. “Por ser um evento de grande relevância em quantitativo de pessoas, o carnaval se torna uma ocasião em que há um alto consumo de álcool, o que eleva o risco das pessoas terem relação sexual sem proteção. Por isso, há uma necessidade maior de divulgação das formas de prevenção para o público que frequenta esta festividade, principalmente os jovens, que são a maioria”, disse.

Ainda, segundo a coordenadora, além do uso do preservativo, que é o método mais efetivo na prevenção às ISTs, existem outros cuidados disponíveis à população. Como a Profilaxia Pós-Exposição (PEP), que consiste no uso de medicação após uma exposição ao vírus e a Profilaxia Pré-Exposição (PrEP), que consiste no uso de medicamentos como forma de prevenção ao HIV. “Além dessas formas de prevenção, ressaltamos a importância da realização do teste rápido como forma de conhecimento do estado sorológico, que proporciona o diagnóstico e o tratamento precoce, que são importantes para a qualidade de vida do indivíduo”, pontua.

HIV em Minas Gerais

Em Minas Gerais, entre 2009 a 2019 (até o momento), foram notificados 44.879 casos de HIV/Aids. A maior concentração de casos de HIV/Aids no estado está na faixa etária de 20 a 34 anos. Essa predominância na faixa etária mais jovem está ligada a diversos fatores, entre eles: a ampliação do diagnóstico por meio da testagem rápida, a variabilidade de parceiros, a falta de prevenção e o uso de drogas lícitas e ilícitas.

Exposição ao HIV

Para a foliã ou o folião que considera ter tido a possibilidade de ter sido exposto ao vírus HIV por meio de uma relação sexual, pelo não uso ou rompimento do preservativo, é necessário comparecer imediatamente a uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Um médico fará a avaliação do caso e, se necessário, administrar o tratamento com antirretrovirais. Depois desse primeiro atendimento, o paciente será encaminhado para um Serviço de Assistência Especializada (SAE), para dar continuidade no tratamento.

Crescimento da Sífilis

Considerada uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST), a Sífilis vem avançando não só em Minas Gerais como em todo o país. Nos últimos 10 anos foram notificados 62.695 casos de Sífilis Adquirida no Estado. “Esse crescente aumento pode ser atribuído a alguns fatores, dentre eles, a redução do uso de preservativos nas relações sexuais e a ampliação do diagnóstico através da testagem rápida na Atenção Primária à Saúde e fortalecimento da vigilância do agravo. Mas é importante ressaltar que uma pessoa infectada pode permanecer sem sintomas por muitos anos, transmitindo a doença durante todo esse tempo”, pontua Mayara.

Coronavírus e infecções respiratórias

Mesmo não tendo, até o momento, casos confirmados e nem transmissão do novo coronavírus em Minas ou no Brasil, a SES-MG orienta alguns cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o novo coronavírus. Como a transmissão dessas infecções costumam ocorrer pelo ar ou por contato pessoal, deve-se evitar contato com pessoas doentes através de gotículas de saliva; espirro; tosse; catarro; contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão; contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

A diretora de Vigilância de Agravos Transmissíveis da SES-MG, Janaína Fonseca Almeida Souza, reforça que “não há nenhuma recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) para interromper grandes eventos de massa em outros países, a não ser na China. A transmissão de doenças respiratórias em geral é menor em locais abertos, com ventilação. Além disso, medidas de higiene respiratória são eficazes para reduzir a propagação do vírus”, ressalta.

Entre as medidas de prevenção à serem adotadas estão a lavagem frequente das mãos, especialmente após contato direto com pessoas doentes ou com o meio ambiente; utilizar lenço descartável para higiene nasal; cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir; evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca; higienizar as mãos após tossir ou espirrar; não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas; manter os ambientes bem ventilados; evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas da doença; evitar contato próximo com animais selvagens e animais doentes em fazendas ou criações.

Saiba mais em: www.saude.mg.gov.br/sexoseguro

]]>
Banco de notícias Mon, 17 Feb 2020 10:37:56 +0000
Campanha Nacional de Vacinação contra Sarampo começa na próxima segunda-feira, 10 de fevereiro https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12077-campanha-nacional-de-vacinacao-contra-sarampo-comeca-na-proxima-segunda-feira-10-de-fevereiro https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12077-campanha-nacional-de-vacinacao-contra-sarampo-comeca-na-proxima-segunda-feira-10-de-fevereiro

A atual situação do sarampo, de forma geral, em todo país, se tornou uma preocupação, no âmbito da saúde pública. O Brasil registrou, entre fevereiro de 2018 e dezembro de 2019 mais de 28.000 casos da doença, que até então havia sido erradica no país. Em Minas Gerais, em 2019, foram confirmados 136 casos e em busca de ações que visem proteger a população e controlar os possíveis surtos da enfermidade, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), sob recomendação do Ministério da Saúde, promove, a partir do dia 10 de fevereiro, a Primeira Etapa da Campanha de Vacinação contra o Sarampo. “Essa primeira etapa da campanha tem como público-prioritário crianças e jovens entre 5 e 19 anos, que não foram vacinados ou que tenham o esquema de vacinação incompleto e será realizada de forma seletiva, ou seja, serão respeitadas as indicações do Calendário Nacional de Vacinação, a partir da avaliação da caderneta de vacina deste público”, explicou a coordenadora estadual do Programa de Imunizações da SES-MG, Josianne Dias Gusmão.

Crédito: Marcus Ferreira

A primeira etapa da campanha será realizada entre os dias 10 de fevereiro ao dia 13 de março, tendo como o dia D de Mobilização Nacional o dia 15 de fevereiro. “É importante frisar que as crianças e jovens que já tenham tomado duas doses da vacina tríplice viral e que estejam devidamente registradas no cartão, não precisam se vacinar. A estimativa de não vacinados, em Minas Gerais, dentro dessa faixa etária é de 529.417 indivíduos com uma dose, ou seja, pessoas que só tomaram a primeira dose, mas não a segunda; e outras 1.657.022 pessoas que não tomaram nenhuma dose”, detalha Josianne. O atual esquema de vacinação para que a pessoa seja considerada imunizada contra o sarampo são duas doses da vacina para indivíduos entre 12 meses a 29 anos de idade e uma dose da vacina para pessoas de 30 a 49 anos.

Minas Gerais, possui atualmente, cerca de 4.000 salas de vacina espalhadas por todo o estado e, de acordo com as orientações técnico-operacionais para a campanha, serão enviadas 660.000 doses da vacina tríplice viral para a primeira etapa da campanha. “A partir do dia 10 de fevereiro, segunda-feira, crianças e jovens que se enquadrem no perfil de público-prioritário devem comparecer ao posto de saúde mais próximo de sua residência e se imunizar. A meta ideal é imunizar 95% do público-prioritário”, completou Josiane.

Atualmente, o Estado apresenta as seguintes coberturas vacinais acumuladas de sarampo na faixa etária 5-19 anos com uma e duas doses. Os dados foram atualizados dia 27/01/2020 e dizem respeito aos anos de 1997-2020. A cobertura vacinal será atualizada somente após a realização da campanha.

Campanha publicitária da SES-MG

Para subsidiar a divulgação, a SES-MG elaborou campanha publicitária, em que serão distribuídos 30 mil cartazes para estabelecimentos, empresas, escolas e parceiros, de forma geral, de mobilização social. Além disso, serão veiculados spots nas rádios de Belo Horizonte e interior, bem como Vts para o Youtube. Posts nas redes sociais da secretaria e do Governo de Minas também serão propagados com a intenção de divulgar a importância da vacinação.

 

 2ª etapa da campanha

A segunda etapa da campanha será realizada entre os dias três a 31 de agosto, tendo como público-prioritário pessoas de 30 a 59 anos, que não tenham comprovação vacinal de ao menos uma dose da vacina tríplice viral, conforme estipulado no Calendário Básico de Vacinação. O dia D de mobilização social ocorrerá dia 22/08/2020.

A realização desta campanha, bem como a adesão por parte do público-prioritário é imprescindível para garantir a devida proteção da população contra o sarampo e possibilitar a interrupção da circulação do vírus no país.

A doença

O sarampo é uma doença infecciosa grave, provocada por vírus, transmitida pela fala, tosse e espirro, e extremamente contagiosa, podendo ser contraída por pessoas de qualquer idade. É caracterizada por febre, inflamação das mucosas do trato respiratório, erupção maculopapular generalizada seguida por descamação. A única forma de prevenção é a vacina fornecida de forma gratuita pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Mais informações sobre a doença estão disponíveis em www.saude.mg.gov.br/sarampo

» Confira o Boletim Epidemiológico do Sarampo, atualizado dia 13/01.

]]>
Banco de notícias Fri, 07 Feb 2020 16:09:40 +0000
Saúde promove envio de insumos a municípios atingidos pelas chuvas https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12035-saude-promove-envio-de-insumos-a-municipios-atingidos-pelas-chuvas https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12035-saude-promove-envio-de-insumos-a-municipios-atingidos-pelas-chuvas

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) tem intensificado suas ações desde o início do último período de chuvas intensas que atinge o território mineiro. Além da ativação de um gabinete de crise para acompanhamento e monitoramento da situação em nível local e regional, a Saúde Estadual tem mantido interlocução com o Ministério da Saúde, de forma a garantir a oferta de insumos, medicamentos e imunobiológicos. Nesta quinta-feira (30/01), 60 mil doses da vacina contra hepatite A foram recebidas pela SES do Ministério da Saúde para imunização de pessoas que tiveram contato com águas de enchentes. Além disso, Minas Gerais também recebeu do Ministério kits para situações de calamidade, que foram enviados aos municípios de Espera Feliz, Ibirité e Manhuaçu. Nos próximos dias, outros kits ainda devem ser recebidos pelo Estado.

Crédito: Agência Brasil

A coordenadora estadual de Vigilância de Fatores de Risco não-biológicos da SES-MG, Michelle Souza Costa, explica que os kits são compostos por medicamentos e insumos médicos e hospitalares, capazes de atender cerca de 500 pessoas por um período de três meses. “Entre os itens, temos antitérmicos, analgésicos e outros artigos que são bastante úteis para atendimento dessas populações”, destaca.

Michelle Costa também ressalta o papel do Estado na área da saúde, uma vez que muitos municípios enfrentaram danos à sua estrutura de saúde. “Estamos trabalhando para auxiliar na reconstrução e reestruturação nessas localidades, uma vez que ocorrem perdas de medicamentos nos serviços de saúde. A população também pode ter enfrentado essas perdas, às vezes com remédios de uso contínuo, portanto estamos atentos a essas situações”. A SES-MG tem realizado estudos de viabilidade financeira para regularização do repasse estadual do componente básico da atenção farmacêutica para os municípios atingidos.

“Nós já realizamos a distribuição de 140 mil frascos de hipoclorito de sódio para todas as Regionais de Saúde e diretamente para alguns municípios mais atingidos, com objetivo de desinfecção da água para consumo humano. Dessa forma, poderemos melhorar a segurança hídrica da população, evitando transmissão de doenças”, comenta Michelle Costa.

No momento, o cenário de Minas Gerais quanto à decretação de situação de anormalidade relacionada às chuvas aponta 124 municípios em situação de emergência e calamidade. Desse total, foram decretados pelo Estado, conforme Decreto de Situação de Emergência nº 33 de 25 de janeiro de 2020, 101 municípios com situação de emergência em decorrência das chuvas. Outros 20 expediram decretos próprios de emergência que ainda não foram homologados pelo Estado e três municípios em estado de calamidade pública.

Enfrentamento

Entre as ações de preparação e resposta imediatas, que foram conduzidas pela SES-MG, estão: a realização de videoconferência com as Regionais de Saúde, havendo orientação para levantamento de informações sobre infraestrutura das unidades de saúde, rede elétrica, situação do fornecimento de água para consumo humano, estoque e distribuição de insumos, bem como a guarda de imunobiológicos e termolábeis para municípios em área de risco; avaliação estoque de hipoclorito de sódio e necessidade de reposição, conforme demanda apresentada pelos municípios afetados. “Estamos também em ações coordenadas com os demais órgãos e entidades estaduais para contribuir na mobilização e ações necessárias de enfrentamento aos danos causados pelas chuvas, com participação nas reuniões do Grupo Estratégico de Resposta, instituído pelo Governo de Minas”, acrescenta Michelle Costa.

Outras ações de destaque são as visitas técnicas nos abrigos da Região Metropolitana de Belo Horizonte para verificação das condições sanitárias das estruturas, bem como as de manuseio e preparo de alimentos. Também houve distribuição de doxiciclina, visando o tratamento de casos suspeitos e confirmados de leptospirose. “Foram realizadas publicações no sítio eletrônico da SES-MG, de forma a tornar acessíveis informações de interesse da população em geral e de profissionais de saúde”, indica.

Doenças com maior incidência no período

Leptospirose: a ocorrência dos casos da doença tende a ser maior nos períodos de enchentes porque a enxurrada traz para os ambientes humanos a urina de roedores que estão nos esgotos e bueiros. Por isso, qualquer pessoa que entrar em contato com a água ou lama pode acabar infectada. Em 2019, conforme dados atualizados até o dia 27/01, em Minas Gerais, por exemplo, ocorreram 173 casos de leptospirose, com 18 mortes.

Hepatite A: a transmissão está relacionada diretamente às condições de saneamento básico e higiene pessoal. Normalmente transmitida por meio de alimentos mal lavados, também pode surgir com a ingestão acidental de água das chuvas contaminado. No ano passado, foram 40 casos notificados da doença.

Diarreia: a doença, se não for tratada adequadamente, pode evoluir para uma desidratação grave e até mesmo levar ao óbito. Em crianças menores de 5 anos, por exemplo, foram notificadas, em 2019, 23 mortes causadas pela doença. Febre tifoide - é outra enfermidade que pode ter a incidência aumentada nesse período. Transmitida por bactéria, provoca febre alta, dores de cabeça, mal-estar geral, falta de apetite, retardamento do ritmo cardíaco, aumento do volume do baço, manchas rosadas no tronco, prisão de ventre ou diarreia e tosse seca. É transmitida pela ingestão de água ou de alimentos contaminados com fezes humanas ou com urina contendo a bactéria.

Chikungunya, Zika e Dengue: também tendem a aumentar nesse período. Isso porque, com a chegada da época do calor e do período chuvoso, aumenta a quantidade de água parada, facilitando a proliferação do vetor dessas doenças. Mais informações estão disponíveis no site www.saude.mg.gov.br/aedes

Informações sobre o período chuvoso e ações de saúde podem ser acessadas no endereço www.saude.mg.gov.br/alertachuva

]]>
Banco de notícias Thu, 30 Jan 2020 17:50:09 +0000
PLANO DE CONTINGÊNCIA SITUAÇÃO DE CALAMIDADE INTERNA DO HJXXII NO PERÍODO DO CARNAVAL 2020 https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12183-plano-de-contingencia-situacao-de-calamidade-interna-do-hjxxii-no-periodo-do-carnaval-2020 https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12183-plano-de-contingencia-situacao-de-calamidade-interna-do-hjxxii-no-periodo-do-carnaval-2020

Atendendo à decisão judicial para a reposição emergencial dos servidores grevistas e, assim, garantir o funcionamento do Hospital João XXIII durante o período de carnaval, onde é esperado um aumento expressivo da demanda na urgência, a Fhemig abrirá vagas internas para técnicos de enfermagem, inclusive para outras unidades, para preencher plantões estratégicos, entre os dias 21 e 26 de fevereiro. Esses plantões são para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI), Unidade de Emergência e Central de Material Esterilizado – CME (com experiência).

Os interessados devem entrar em contato com a coordenação de Enfermagem, pelo telefone (31) 3239-9363, de 8 às 14 horas, diariamente, durante o carnaval.
Serão preenchidos 150 plantões diurnos (12 horas) e 130 plantões noturnos (12 horas). Lembrando que as vagas serão preenchidas por ordem de chegada. O valor a ser pago por plantão será de R$ 200,00.

A convocação se faz necessária diante da situação das portas de urgência e emergência do SUS-BH em fevereiro, em que as Unidades de Pronto Atendimento (UPA) e os demais hospitais passam por uma situação de hiperlotação há aproximadamente 15 dias. A rede hospitalar tem sido insuficiente em dar respostas correspondentes ao atual volume de pacientes das portas de urgência e, em especial, diante da greve de servidores da Rede Fhemig, iniciada em janeiro.

O movimento grevista causou um impacto fortemente negativo na capacidade de atendimento do Hospital João XXIII (unidade central de pronto atendimento e referência macrorregional para grandes traumas), que pode ser acrescido durante o evento de Carnaval em Belo Horizonte (com estimativa de que os foliões e turistas atinjam o número de 5 milhões de pessoas durante o período). Isso porque, em decisão da assembleia dos grevistas, no dia 20 de fevereiro, haverá continuidade da greve nos próximos dias.


Medidas emergenciais para garantir o fluxo de atendimento durante o carnaval


A Diretoria do HJXXIII decretou estado de calamidade assistencial interna e adotou as medidas emergenciais contingenciais:

Foram acionadas as referências hospitalares da Fhemig (e que dão retaguarda ao HJXXIII), para receber alguns pacientes internados no HJXXIII e, desta forma, aumentar sua capacidade para novos atendimentos;

Foi solicitada aos demais diretores de unidades da Fhemig a busca interna de vagas para receber pacientes do HJXIII e com perfil do cuidado possível pela unidade apoiadora;

Foi comunicada à Central de Internações (CINT) de Belo Horizonte a situação de emergência assistencial no HJXXIII, com realização de cadastro de pacientes no SUSfácil MG, bem como solicitação de apoio na busca imediata de transferência para leitos hospitalares;

Foi iniciada imediatamente a busca de servidores da Fhemig - técnicos de enfermagem, para atuarem no HJXXIII entre os dias 21 e 26 de fevereiro, recebendo pagamento por plantão estratégico para compor escalas de trabalho, repondo assim as horas dos servidores escalados, mas que não comparecem aos seus horários em função de greve.

Certos de que as providências cabíveis foram tomadas com a agilidade que o caso requer e visando à segurança assistencial, solicitamos a todos os coordenadores de setores, gerentes, chefe de plantão, e demais níveis gerenciais da unidade a ampla divulgação e organização de suas equipes para continuidade dos atendimentos no Hospital João XXIII.

]]>
Banco de notícias Fri, 21 Feb 2020 22:39:53 +0000
Regionais de Saúde de Montes Claros e Pirapora discutem Atenção Especializada https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12182-regionais-de-saude-de-montes-claros-e-pirapora-discutem-atencao-especializada https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12182-regionais-de-saude-de-montes-claros-e-pirapora-discutem-atencao-especializada

Na última quinta-feira (20/02), as Regionais de Saúde de Montes Claros e Pirapora se reuniram na Cidade Administrativa com integrantes da Subsecretaria de Políticas e Ações de Saúde (SUBPAS) e a Subsecretaria de Gestão Regional (SUBGR). O objetivo do encontro foi a discussão sobre a nova modalidade de atenção especializada do Centro Estadual de Atendimento Especializado (CEAE III) de Pirapora.

LilianTararam

Estiveram presentes os subsecretários de Políticas e Ações de Saúde, Marcílio Dias, e de Gestão Regional, Darlan Venâncio. Também participaram a gerente Regional de Saúde de Pirapora, Adriana Kátia Emiliano Sousa, a superintendente Regional de Montes Claros, Dhyeime Thuanne, a secretária de Saúde do município polo da microrregião de Pirapora, Maria Cândida Fiúza, referências técnicas das Regionais, representantes do CEAE, o superintendente da Fundação Dr. Moisés Magalhães Freire, João Carlos, o diretor-presidente Luiz Gustavo Massa e colaboradores da Fundação.

Durante o encontro, o subsecretário Darlan Venâncio abriu a reunião dando as boas-vindas e agradecendo a presença de todos. Em seguida, esclareceu que os Centros de Atenção Especializada consistem na oferta de serviços de saúde ambulatoriais especializados, atuantes como pontos estratégicos da média complexidade ambulatorial na Rede de Atenção à Saúde.

Adriana Katia Emiliano Souza explanou que entre os motivos que justificam a realização da reunião, destaca-se a “necessidade de esclarecer ao município polo do micro os diversos questionamentos a respeito do financiamento, metas, indicadores e procedimentos do CEAE III”, conforme os termos previstos nas Resoluções SES/MG 6946/2019 e 6954/2019.

A secretária municipal de Saúde de Pirapora, Maria Cândida, adicionou que “o intuito deste encontro é garantir a melhoria da Atenção Especializada na Microrregião de Pirapora e Coração de Jesus, bem como demonstrar os avanços do serviço, reafirmando o seu compromisso, como gestora de saúde com o CEAE III de Pirapora”, concluiu.

Já o subsecretário Marcílio Dias disse que entre outros objetivos dos Centros de Atenção Especializada destaca-se a garantia da resolutividade do cuidado com acesso às consultas e exames em estrutura própria ou por meio de terceiros contratados para esta finalidade específica. Ainda finalizou dizendo que “o CEAE deve atuar de forma integrada com a atenção primária e terciária, de modo articulado no território de abrangência”.

Denilson Paranhos, referência técnica do CEAE III na Regional de Montes Claros observou uma melhoria significativa do resultado obtido e explanou os indicadores. “Quando analisamos o ano de 2019, verificamos o crescimento e a organização do serviço, onde no segundo quadrimestre o CEAE atingiu 33,71% das metas, e no terceiro quadrimestre alcançou 61,03%, considerando apenas 3 meses, pois a produção de dezembro ainda não estava disponível no SIA no momento da avaliação”.

Já a referência da Regional de Pirapora, Elisangela Barros, salientou que ”o CEAE III tem trabalhado de forma eficiente para disponibilizar toda as especialidades e exames, realizando capacitações com a atenção primária dos municípios de forma a prestar uma assistência de qualidade aos usuários”, disse.


]]>
Banco de notícias Fri, 21 Feb 2020 21:05:14 +0000
Regional de Saúde de Uberaba capacita municípios para mudanças no financiamento da atenção primária https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12181-regional-de-saude-de-uberaba-capacita-municipios-para-mudancas-no-financiamento-da-atencao-primaria https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12181-regional-de-saude-de-uberaba-capacita-municipios-para-mudancas-no-financiamento-da-atencao-primaria

Entre os dias 18 e 20 de fevereiro, a Regional de Saúde de Uberaba promoveu uma capacitação, que contou com mais de 100 profissionais, sobre o programa Previne Brasil, do Ministério da Saúde, em vigor desde janeiro com proposta de distribuição de recursos orçamentários para a Atenção Primária à Saúde.

Treinamento Novo

Na ocasião, foi abordado o lançamento correto das informações nas fichas de Coleta de Dados Simplificada (CDS) e do Prontuário Eletrônico do Cidadão (PEC), seguindo os manuais disponibilizados no Sistema Informação da Atenção Básica (SISAB), para que os parâmetros sejam alcançados, tanto na Capitação Ponderada (Cadastros), quanto no Componente de Desempenho (Indicadores).

Segundo a coordenadora da Atenção Primária da Regional de Uberaba, Sheila Beatriz Oliveira, “é necessária uma abordagem continua de todas as vertentes deste processo para que os municípios se apropriem da nova metodologia, voltada para o indivíduo cadastrado e assistido pela equipe. Isso faz com que a responsabilização e o cuidado contínuo da Estratégia de Saúde da Família (ESF) e Equipes de Atenção Primária (EAP) sejam cada vez mais qualificadas. O correto lançamento nos sistemas de informação é fundamental para que se possa visualizar todo o trabalho que está sendo executado pela equipe”, conclui.

Suzilei Ferreira, coordenadora da Atenção Primária do município de Frutal, afirma que se os profissionais não se atentarem para a qualidade da informação e a correta inserção nos sistemas do Ministério da Saúde, os municípios sofrerão perda financeira com impacto direto na atenção primária, que é a porta de entrada de todo serviço de saúde.

]]>
Banco de notícias Fri, 21 Feb 2020 20:49:23 +0000
Regionais de Saúde de Montes Claros e Januária reforçam ações de prevenção contra a febre amarela https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12180-regionais-de-saude-de-montes-claros-e-januaria-reforcam-acoes-de-prevencao-contra-a-febre-amarela https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12180-regionais-de-saude-de-montes-claros-e-januaria-reforcam-acoes-de-prevencao-contra-a-febre-amarela

Num trabalho conjunto das regionais de saúde de Montes Claros e Januária nessa sexta-feira (21/2), a Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais (SES-MG) concluiu no município de Brasília de Minas a captura de mosquitos Haemagogus e Sabethes. O trabalho iniciado no dia 17/2, coordenado pelo Núcleo de Vigilância Epidemiológica, Ambiental e de Saúde do Trabalhador (Nuveast) da Regional de Saúde de Montes Claros, tem o objetivo de investigar se está havendo a circulação do vírus da febre amarela na região. As análises serão realizadas pela Fundação Ezequiel Dias (Funed), em Belo Horizonte.

FOTO 5 3

A coordenadora do Nuveast, Agna Soares da Silva Menezes, destaca a importância do trabalho conjunto das regionais de saúde visando evitar a ocorrência de surtos da febre amarela no Norte de Minas. “Aliado ao trabalho realizado em zonas rurais limítrofes de municípios que integram as áreas de atuação das regionais de Montes Claros e Januária, é importante que os serviços de atenção primária dos municípios reforcem as ações de prevenção contra a doença, por meio da vacinação da população. É fundamental que os níveis de cobertura vacinal sejam elevados, pois só mesmo através da imunização é possível evitar que pessoas adoeçam”, salienta.

Reforçando a importância da prevenção, a referência técnica de entomologia, leishmaniose, febre amarela e doença de Chagas da Regional de Saúde de Montes Claros, Bartolomeu Teixeira Lopes, observa que o trabalho conjunto das regionais de saúde é importante para orientar e alinhar as ações a serem implementadas no Norte de Minas.

“Em média permanecemos dentro de matas por até sete horas para conseguir a captura de mosquitos. Os vetores costumam habitar em locais onde existe água, raízes e ocos de árvores, o que propicia ambiente favorável para a desova. Após capturados, os mosquitos são acondicionados em cilindros com nitrogênio, o que evita a morte do vírus transmissor da febre amarela caso o vetor esteja infectado”, explica.

Também participaram do trabalho de campo as referências técnicas dos municípios de Brasília de Minas, Edmilson Rodrigues da Silva e Maria Lúcia Freire; e de Januária, Décio Gonçalves Lima e Fernando Maria Magalhães.

A doença

A febre amarela é uma doença infecciosa febril aguda, causada por um vírus transmitido por mosquitos vetores e possui dois ciclos de transmissão: silvestre (quando há transmissão em área rural ou de floresta) e urbano. O vírus é transmitido pela picada dos mosquitos infectados e não há transmissão direta de pessoa a pessoa.

No ciclo silvestre os macacos são os principais hospedeiros e amplificadores do vírus da febre amarela. Os vetores são mosquitos com hábitos estritamente silvestres, sendo os gêneros Haemagogus e Sabethes os mais importantes na América Latina. Nesse ciclo, o homem participa como um hospedeiro acidental ao adentrar áreas de mata.

Já no ciclo urbano o homem é o único hospedeiro com importância epidemiológica e a transmissão da febre amarela ocorre a partir de vetores urbanos infectados, como o mosquito Aedes aegypti.

A febre amarela é uma doença de notificação compulsória imediata, ou seja, todo evento suspeito (tanta morte de macacos, quanto casos humanos com sintomatologia compatível) deve ser prontamente comunicado, em até 24 horas após a suspeita inicial, às autoridades locais competentes. Os serviços estaduais de saúde devem notificar os eventos de febre amarela suspeitos ao Ministério da Saúde.

Sintomas

Os sintomas iniciais da febre amarela são: início súbito de febre; calafrios; dor de cabeça intensa; dores nas costas; dores no corpo em geral; náuseas e vômitos; fadiga e fraqueza. A maioria das pessoas melhora após esses sintomas iniciais. No entanto, cerca de 15% apresentam um breve período de horas a um dia sem sintomas e, então, desenvolvem uma forma mais grave da doença.

Em casos graves, a pessoa infectada por febre amarela pode desenvolver algumas complicações, como: febre alta; icterícia (coloração amarelada da pele e do branco dos olhos); hemorragia (especialmente a partir do trato gastrointestinal) e, eventualmente, choque e insuficiência de múltiplos órgãos.

No caso de qualquer um dos sintomas da doença a pessoa deve imediatamente procurar uma unidade de saúde para avaliação médica adequada. O profissional fará os exames necessários para diagnosticar a doença, assim como sua gravidade, o que definirá a melhor forma de tratamento.

Prevenção

A vacina é a principal ferramenta de prevenção e controle da febre amarela. Toda pessoa que reside em áreas com recomendação da vacina e pessoas que vão viajar para essas áreas deve se imunizar. A vacina é administrada via subcutânea e está disponível durante todo o ano nas unidades de saúde. Ela deve ser administrada pelo menos 10 dias antes do deslocamento de uma pessoa para áreas de risco, principalmente em quem será vacinado pela primeira vez.

]]>
Banco de notícias Fri, 21 Feb 2020 17:49:55 +0000
Nota sobre mudanças na definição de casos suspeitos de infecção pelo Coronavírus (COVID-2019) https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12179-nota-sobre-mudancas-na-definicao-de-casos-suspeitos-de-infeccao-pelo-coronavirus-covid-2019 https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12179-nota-sobre-mudancas-na-definicao-de-casos-suspeitos-de-infeccao-pelo-coronavirus-covid-2019

Até o momento, 21/02/2020, Minas Gerais permanece sem notificação de novos casos suspeitos de Coronavírus. Até 14/02/2020, foram notificados 2 casos suspeitos de Coronavírus (COVID-2019) e ambos foram descartados após realização de exames.

O Brasil permanece sem registro de infecção humana pelo Covid-19 (novo coronavírus) e até o momento, 01 caso suspeito é monitorado pelo Ministério da Saúde, conforme informações repassadas pelas Secretarias Estaduais de Saúde de todo o país. O caso suspeito está no Rio de Janeiro.

Informamos que no dia 21 de fevereiro o Ministério da Saúde anunciou mudanças de definição de critérios de casos suspeitos do Covid-19. A partir de agora entram também pessoas com sintomas provenientes de países como Japão, Corea do Sul e Norte, Cingapura, Vietnã, Tailândia e Camboja. Além da China que já estava no alerta.

Acesse aqui e acesse ao último boletim publicado

Informações do Brasil podem ser obtidas no link: plataforma.saude.gov.br/novocoronavirus/

]]>
Banco de notícias Fri, 21 Feb 2020 16:50:45 +0000
Foliões que chegam a Belo Horizonte para o carnaval recebem leque da saúde https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12177-folioes-que-chegam-a-belo-horizonte-para-o-carnaval-recebem-leque-da-saude https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12177-folioes-que-chegam-a-belo-horizonte-para-o-carnaval-recebem-leque-da-saude

Os foliões já começaram a chegar à capital mineira para aproveitar o carnaval da cidade. De várias regiões do estado e do país, diversas pessoas que andavam apressadas pelo terminal rodoviário, no centro, receberam o leque da saúde, material produzido pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG). A campanha com o tema: “Camisinha. Em qualquer bloco ela veste bem”, alerta as pessoas para o uso do preservativo e para a prevenção das ISts (Infecções sexualmente transmissíveis).

Carnaval 04

Fazendo parte dos viajantes que estão chegando e saindo de Belo Horizonte, a estudante de fisioterapia, Mônica de Pinha, que aguardava o ônibus para Ipatinga, destacou que os cuidados com a saúde vão além do carnaval e devem ser durante o ano inteiro. “Os cuidados com a alimentação e tomar muita água para se hidratar também são atividades muito importantes nesta época do ano”, disse.

Chegando de Bambuí para curtir o carnaval, o estudante de engenharia ambiental, João Pedro de Andrade Silva, lembra que devemos cuidar da saúde o tempo inteiro mas que no período de festa muitas pessoas se esquecem. “ No carnaval é ainda mais importante cuidar da saúde, não somente da saúde sexual mas da saúde em geral como por exemplo da alimentação”, disse.

E não somente Belo Horizonte é o destino dos foliões. A cidade histórica de Ouro Preto também irá receber muitas pessoas. Desembarcando em Belo Horizonte e seguindo para Ouro Preto a paulista Heloisa Teodoro da Silva espera curtir muito a festa na cidade. “Queremos nos divertir muito no carnaval mineiro e vamos nos proteger muito tomando cuidado com o nosso copo, com o nosso corpo e também com a nossa saúde”, afirmou.

Para saber mais sobre a campanha acesse: www.saude.mg.gov.br/sexoseguro

]]>
Banco de notícias Fri, 21 Feb 2020 16:37:14 +0000
Regional de Ponte Nova realiza reunião do Colegiado Gestor de Saúde Mental https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12176-regional-de-ponte-nova-realiza-reuniao-do-colegiado-gestor-de-saude-mental https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12176-regional-de-ponte-nova-realiza-reuniao-do-colegiado-gestor-de-saude-mental

A Regional de Saúde de Ponte Nova realizou, nessa quinta-feira (20/2), em sua sede, a 50ª Reunião do Colegiado Gestor Regional de Saúde Mental. Na pauta, além de palestras e experiência exitosa, foi apresentada a Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) proposta no Colegiado Gestor Estadual e eleita a nova Secretaria Executiva.

Saúde Mental

Os trabalhos foram iniciados com a palestra “Medicamentos disponíveis na Assistência Farmacêutica para a Saúde Mental”, ministrada pelo coordenador do Núcleo de Assistência Farmacêutica da Regional, Marcos Luiz de Carvalho. Em sua fala, foi dado enfoque ao planejamento da aquisição de medicamentos, aos critérios de financiamento público e à lista de medicamentos para a saúde mental disponíveis nos Componentes Básico e Especializado. “Considero importante o nivelamento do conhecimento sobre os medicamentos disponíveis junto aos membros do Colegiado, pois, em algum momento, as informações poderão ser úteis para auxiliar e/ou garantir o acesso dos nossos pacientes à Rede de Atenção Psicossocial”, destacou.

Na sequência, a referência técnica do Núcleo de Vigilância Epidemiológica, Ambiental e Saúde do Trabalhador (Nuveast/Ponte Nova), Karine Cardoso Miguel, abordou sobre a Violência Autoprovocada: Notificações SINAN. Ela trouxe informações sobre o cenário epidemiológico dos suicídios e das tentativas de suicídios em Minas Gerais. “Precisamos falar sobre o assunto e promover uma escuta qualificada nos serviços, porque estamos tratando de um grave problema de saúde pública, que pode ser evitado em tempo oportuno”, alertou.

Karine também instruiu os presentes acerca do preenchimento obrigatório da ficha de Notificação de Violência Interpessoal/Autoprovocada no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). “O preenchimento pode ser feito não somente por profissionais da saúde, mas também pelos parceiros intersetoriais como educação, assistência social e todos os envolvidos no atendimento à violência”, reforçou.

Experiência Exitosa

Durante a reunião, também, foi apresentada a experiência exitosa do município de Ponte Nova, relatada pela assistente social, Nayara Rúbio Campos, e pela psicóloga, Brunella Contarini Delgado, ambas do Núcleo Ampliado de Saúde da Família (Nasf). Trata-se de Termo de Cooperação Técnica entre a Defensoria Pública de Ponte Nova e o Município (Secretaria de Saúde), que estabelece fluxo para diminuir o número de solicitações de internações compulsórias de usuários de álcool e outras drogas e a judicialização dessas demandas. O objetivo é que os usuários tenham acesso aos dispositivos da Rede de Atenção Psicossocial e seu acompanhamento seja pautado na Política de Redução de Danos.

Dentre as ações previstas no fluxo, estão a comunicação da Defensoria Pública à equipe do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), que acolhe esse usuário e aciona a equipe do Nasf. Esta, por sua vez, promove atendimentos domiciliares com orientações e atendimento psicológico, além de grupos de apoio direcionados aos familiares e o envio de relatórios mensais à Defensoria. “Como resultado, conseguimos perceber um decréscimo das demandas judiciais e um melhor resultado junto aos dependentes de álcool/drogas”, relatou a Assistente Social Nayara Campos.

Ao final da reunião, Nayara Campos foi eleita secretária executiva do Colegiado de Saúde Mental. A referência técnica de Saúde Mental, Ana Flávia de Paiva Mendes, apresentou alguns informes e colocou em discussão a pauta da próxima reunião, que acontecerá em maio.

]]>
Banco de notícias Fri, 21 Feb 2020 15:25:50 +0000
Bliz educativa de prevenção de Infecções Sexualmente Transmissíveis é realizada em Governador Valadares https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12175-bliz-educativa-de-prevencao-de-infeccoes-sexualmente-transmissiveis-e-realizada-em-governador-valadares https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12175-bliz-educativa-de-prevencao-de-infeccoes-sexualmente-transmissiveis-e-realizada-em-governador-valadares

Durante todo o ano é necessário que todos tenham a consciência da importância dos cuidados em suas relações sexuais e é no período de carnaval, quando as pessoas ficam mais expostas aos riscos de exposições às infecções sexualmente transmissíveis, que essas medidas de prevenção têm de ser redobradas.

Crédito: Frederico Bussinger

Por isso, a Regional de Saúde de Governador Valadares promoveu em parceria com o Centro Municipal de Referência em Atenção Especial à Saúde (CRASE), o Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DER) e com o apoio do 8ª. Cia da Polícia Militar, uma blitz  educativa no Km 144 da  BR, 259, na  saída para o Litoral do Espirito Santo.

Na mobilização, foram distribuídos preservativos masculinos e femininos, géis lubrificantes, leques, folhetos informativos, canetas personalizadas e pirulitos para crianças,

A ação  da Regional faz parte da campanha lançada no carnaval de 2020 pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) cujo tema é “Camisinha. Em qualquer bloco, ela veste bem”, cujo   objetivo principal é de conscientizar e estimular os foliões durante o carnaval ao uso de camisinha como forma de prevenção às IST’S como o HIV/AIDS, alguns tipos de hepatites, e a sífilis.

“Iniciativas como estas fazem parte da missão da saúde estadual na prevenção e assistência, que, além da distribuição de insumos, promove e acompanha as ações dos municípios não só no carnaval, mas durante todo o ano”, ressaltou a referência técnica em IST’s/Aids da Regional, Sônia Galvão.

O morador de Timóteo, Wedson Moura Oliveira, que viajava com a família para aproveitar o feridado de carnaval no litoral capixaba, ao ser abordado pela blitz, considerou a mobilização do Estado oportuna e necessária. “Acho excelente essa ação de conscientizar a população sobre prevenção, principalmente nesta época do ano. É sempre bom alertar que com saúde não se brinca”, frisou.

Além dessa ação, a regional já disponibilizou cerca de 290 mil preservativos para os 51 municípios de sua área abrangência, número que faz parte do total de 8 milhões de camisinhas distribuídas pela SES-MG durante a festa em todo o Estado.

]]>
Banco de notícias Fri, 21 Feb 2020 15:14:31 +0000
Regional de Saúde de Januária realiza workshop sobre o Programa Previne Brasil https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12174-regional-de-saude-de-januaria-realiza-workshop-sobre-o-programa-previne-brasil https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12174-regional-de-saude-de-januaria-realiza-workshop-sobre-o-programa-previne-brasil

Na última quinta-feira dia (20/02), o Núcleo de Atenção Primária da Regional de Saúde de Januária realizou o primeiro workshop sobre o novo financiamento da Atenção Primária, o Programa Previne Brasil. Estiveram presentes 45 pessoas entre gestores municipais e coordenadores municipais de APS além de referências técnicas de Saúde Bucal e do e-SUS/SISAB.

atenção primaria 20 02

O encontro teve como tema a capitação ponderada e cadastro de usuários, que contou com a parceria do Núcleo de Atenção Primária à Saúde da Regional Januária e o COSEMS Regional Januária. Na ocasião, foi realizada uma retrospectiva da política e apresentados alguns conceitos relacionados ao pagamento do incentivo por capitação ponderada, painel de situação de cadastros realizados pelo município, além de questões relacionadas à operacionalização dos cadastros nos municípios.

A metodologia do evento foi realizada de forma ativa e participativa com divisão dos presentes em grupos, o que fez com que o processo tenha sido muito dinâmico.

O apoiador técnico do COSEMS da Regional de Januária, Elton Fernandes, ressaltou que “discutir o novo financiamento da atenção primária é muito importante pois, alinha conceitos, amplia visões e os gestores e técnicos podem se "enxergar" num universo que até então está apenas no papel. Damos o primeiro passo de muitos outros momentos de alinhamento. Ser parceiro da Regional nesse desafio é enriquecedor e gratificante, fortalece nossos municípios e construímos coletivamente uma saúde forte e equânime para seus usuários do SUS."

O coordenador do Núcleo de Atenção Primária da Regional de Januária, Emmanuel Rodrigues, enfatizou sobre a importância do alinhamento e do apoio dado aos municípios de abrangência da Regional, com o objetivo de ampará-los nesse desafio de qualificação, juntamente com a parceria do COSEMS, que “é sempre muito enriquecedora”, disse. Informou ainda que é o primeiro de uma série de workshops que serão realizados, e, a expectativa, é como resultado natural, a adequação a esse novo formato de financiamento do Ministério da Saúde. “As discussões foram importantíssimas para que todos pudessem se aprofundar no conhecimento da portaria e suas repercussões práticas para o dia a dia”, finalizou.

Previne Brasil

A portaria 2.979 de 12 de novembro de 2019, institui o Programa Previne Brasil, que estabelece novo modelo de financiamento de custeio da Atenção Primária à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde, por meio da alteração da Portaria de Consolidação nº 6/GM/MS, de 28 de setembro de 2017. Os recursos serão transferidos na modalidade fundo a fundo, de forma regular e automática, aos Municípios, ao Distrito Federal e aos Estados e repassados pelo Bloco de Custeio das Ações e Serviços Públicos de Saúde.

O cálculo para a definição dos incentivos financeiros da capitação ponderada deverá considerar: a população cadastrada na equipe de Saúde da Família (eSF) e equipe de Atenção Primária (eAP) no Sistema de Informação em Saúde para a Atenção Básica (SISAB); a vulnerabilidade socioeconômica da população cadastrada na eSF e na eAP; o perfil demográfico por faixa etária da população cadastrada na eSF e na eAP; e classificação geográfica definida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O cadastro das pessoas no SUS é importante para garantir que elas serão acompanhadas por uma equipe de saúde multiprofissional nos cuidados em saúde que podem prevenir o surgimento de doenças. Assim, as equipes de saúde vão saber quem são as pessoas à sua volta para planejar o melhor cuidado em prevenção, controle de doenças, oferta de medicamentos e tratamentos.

]]>
Banco de notícias Fri, 21 Feb 2020 14:28:02 +0000
Ação de enfrentamento à febre maculosa é desenvolvida pela Regional de Saúde de Manhuaçu https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12173-acao-de-enfrentamento-a-febre-maculosa-e-desenvolvida-pela-regional-de-saude-de-manhuacu https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12173-acao-de-enfrentamento-a-febre-maculosa-e-desenvolvida-pela-regional-de-saude-de-manhuacu

A Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), por meio da Superintendência Regional de Saúde de Manhuaçu, realizou nesta quinta-feira (20/02) uma vídeo conferência de emergência com os municípios que fazem parte de sua área de abrangência. O objetivo foi alinhar ações de controle e enfrentamento à febre maculosa, transmitida ao homem por meio do carrapato estrela, que é parasita de animais silvestres e domésticos. Até o momento, 4 óbitos com confirmação da febre Maculosa já ocorreram em Mutum e outros 4 casos suspeitos estão sendo avaliados.

“A partir do primeiro óbito solicitamos apoio à Regional de Saúde de Manhuaçu e em pouco tempo as investigações já estavam acontecendo. Infelizmente tivemos óbito de uma criança, um idoso e 2 adultos, sendo que um desses óbitos ocorreu no final do ano passado e os demais já esse ano. Desde então, para todos os pacientes com suspeita passamos a adotar o protocolo para a doença e estamos mobilizando toda a cidade com carro de som , panfletagem e reuniões para evitarmos novos caso”, explicou Michel de Almeida, coordenador de Vigilância em Saúde de Mutum".

No que diz respeito à atuação da Regional de Manhuaçu, o Superintendente Juliano destacou que a unidade tem se empenhado ao máximo para tomar as medidas preventivas necessárias para evitar o contágio e para atender os pacientes. “A Regional de Saúde tem mantido contato permanente com as referências municipais e já disponibilizou a medicação para tratamento da doença”, frisou.

O coordenador do núcleo de vigilância epidemiológica da Regional de Manhuaçu, Ernesto Grillo, informou que todas as referências técnicas dos municípios foram acionadas devido à preocupação de todos estarem com informações atualizadas. “É muito importante que os profissionais de saúde orientem a população a ficar atenta a sintomas como, febre, dores e manchas no corpo e, no caso de ocorrer algum desses sintomas, a pessoa deve procurar imediatamente o atendimento médico", afirmou o coordenador que reforçou ainda algumas medidas à população que estiverem em áreas de risco.

“As pessoas devem usar roupas claras e ficar atentas à presença de carrapatos. É importante verificar o corpo a cada duas horas e em casa retirar toda roupa para verificação. Ao encontrar carrapato é muito importante que o mesmo seja retirado com pinça. Essas são algumas medidas que a população deve adotar”, frisou o coordenador.

Diagnóstico precoce

Por ser uma doença potencialmente grave, o diagnóstico precoce é o principal aliado do tratamento. Outra dificuldade é o fato de que, em sua fase inicial, os sintomas são considerados pouco específicos, ou seja, podem ser comuns a outras doenças.

Créditos: Antonio Rodrigues

Na fase inicial, a febre maculosa se caracteriza pela presença de febre, dor de cabeça, dor no corpo, mal estar, manchas avermelhadas pelo corpo, diarreia, vômitos e dor abdominal. Os sintomas podem ser facilmente confundidos com doenças como gripe, dengue, leptospirose entre outras, de maior ou menor gravidade.

Ações da Regional de Saúde de Manhuaçu

Os municípios foram orientados a realizar a organização do fluxo assistencial para atendimento dos casos suspeitos e realizar imediatamente capacitação, se necessário, dos profissionais de saúde que atuam na assistência. Além disso, todos devem trabalhar a mobilização da população e avaliar o uso de áreas consideradas suspeitas durante o carnaval.

Outra solicitação importante repassada aos municípios é que atualizem os dados de investigação epidemiológica junto ao Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). No que se refere ao município de Mutum, segundo informações da SES, uma equipe técnica irá ao município nos próximos dias para investigação de campo, coleta e envio de carrapatos para análise e levantamento da população de capivaras.

Transmissão da febre maculosa

Para que ocorra a transmissão da doença, primeiramente o carrapato que venha a "picar" o indivíduo deve estar infectado. Ainda que esteja infectado, são necessárias entre 4 a 6 horas para que as bactérias sofram uma "ativação" e sejam inoculadas (injetadas) no organismo. Uma vez introduzidas, elas se multiplicam dentro de células dos vasos sanguíneos e, a partir daí, se espalham para praticamente todos os órgãos.

]]>
Banco de notícias Fri, 21 Feb 2020 14:10:11 +0000
Funcionamento das Unidades da Farmácia de Minas durante o carnaval https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12172-funcionamento-das-unidades-da-farmacia-de-minas-durante-o-carnaval https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12172-funcionamento-das-unidades-da-farmacia-de-minas-durante-o-carnaval

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) informa acerca do funcionamento das 28 Farmácias de Minas das Regionais de Saúde durante o período de Carnaval (de 24/02/2019 a 26/02/2020).


Para consultar como será o funcionamento em cada Farmácia de Minas, clique aqui.


Com relação ao horários de funcionamento, o usuário deve entrar em contato telefônico com a sua Farmácia.

]]>
Banco de notícias Fri, 21 Feb 2020 10:44:57 +0000
Regional de Pedra Azul realiza capacitação sobre leishmaniose e acidentes com animais peçonhentos https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12171-regional-de-pedra-azul-realiza-capacitacao-sobre-leishmaniose-e-acidentes-com-animais-peconhentos https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12171-regional-de-pedra-azul-realiza-capacitacao-sobre-leishmaniose-e-acidentes-com-animais-peconhentos

O Núcleo de Vigilância Epidemiológica, Ambiental e Saúde do Trabalhador (NUVEAST) da Regional de Pedra Azul realizou nesta quinta-feira (20/02), no salão do Núcleo Regional de Prevenção e Combate ao Câncer (NUPRECC) de Pedra Azul, uma capacitação sobre diagnóstico e manejo clínico da leishmaniose e manejo clínico dos acidentes com animais peçonhentos. O objetivo da reunião foi reforçar a importância dos profissionais seguirem os protocolos clínicos.

A referência médica do NUVEAST da Regional de Pedra Azul e palestrante do evento, Olívia Veiga, explicou como deve ser realizado o manejo clínico dos pacientes em estado grave, moderado ou leve, que foram atacados por animais peçonhentos. “Deve ser realizado observação e contínua reavaliação do paciente, sendo que no tratamento geral o profissional deve realizar a abordagem da dor, hidratação adequada, drenagem postural, analgesia e profilaxia do tétano, sendo que no tratamento soroterápico, deve manter-se em observação, por no mínimo 24 horas”, explicou.

Créditos: Allan Campos

A referência técnica do Programa de Vigilância e Controle dos Acidentes por Animais Peçonhentos da Regional, Mayara Silva, abordou sobre a situação atual da distribuição de soros antivenenos, que reforça a necessidade do cumprimento dos protocolos de prescrição, a ampla divulgação do uso racional dos soros, rigoroso monitoramento dos estoques no nível estadual e municipal, além da alocação desses imunobiológicos de forma estratégica em áreas de maior risco de acidentes e óbitos. Segundo dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), de 2017 até a semana dois de 2020, já foram notificados nos 25 municípios da Regional de Pedra Azul, 3.560 casos de acidentes com escorpiões e 238 casos com serpentes. “É essencial que o soro seja utilizado da forma adequada, seguindo o protocolo. Também estamos utilizando a estratégia de alocar os soros em locais estratégicos, para que os pacientes tenham acesso mais rápido ao soro. É muito importante que a notificação do acidente seja feita imediatamente, além de manter todos os colaboradores das equipes das unidades cientes da situação e da possibilidade da necessidade de remanejamento de soros ou transferência de pacientes”, orientou.

Em seguida, a médica do NUVEAST, Olívia Veiga, apresentou o diagnóstico e manejo clínico da leishmaniose tegumentar americana: tratamento, opções terapêuticas disponíveis no SUS, efeitos adversos, contraindicações, o seguimento pós tratamento e apresentou quatro casos clínicos para aprofundar o debate sobre sintomas, exames e tratamento. Por sua vez, a referência técnica em leishmaniose humana do NUVEAST, Danilo Lima, apresentou o cenário epidemiológico da leishmaniose visceral e tegumentar no período de 2015 a 2020.

]]>
Banco de notícias Fri, 21 Feb 2020 10:35:42 +0000
SES realiza capacitação para enfrentamento das arboviroses na Regional de Pedra Azul https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12170-ses-realiza-capacitacao-para-enfrentamento-das-arboviroses-na-regional-de-pedra-azul https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12170-ses-realiza-capacitacao-para-enfrentamento-das-arboviroses-na-regional-de-pedra-azul

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), por meio da Coordenação de Doenças Transmitidas pelo Aedes, realizou nesta quinta-feira (20/02), no salão do Núcleo Regional de Prevenção e Combate ao Câncer (NUPRECC) de Pedra Azul, uma capacitação para enfrentamento das arboviroses, que teve como objetivos reforçar a importância dos eixos Vigilância Epidemiológica, Assistencial, Controle Vetorial e Mobilização Social; alertar sobre a importância das notificações e da intervenção nos municípios prioritários.

De acordo com a coordenadora do Programa Estadual de Doenças Transmitidas pelo Aedes da SES-MG, Carolina Amaral, em 2019 as notificações dos casos suspeitos de dengue foram concentradas nas regiões Norte, Triângulo Mineiro e um pouco do Centro e Sul do estado. Já em 2020, as notificações dos casos têm concentrado nas regiões Leste, Sul e Nordeste do estado. Por isso, a necessidade de reforçar as ações de enfrentamento nessas regiões, visando evitar uma possível epidemia.

A referência técnica de controle vetorial e de arboviroses da SES-MG, Jaqueline Oliveira, apresentou o cenário epidemiológico das arboviroses nos 25 municípios da Regional de Pedra Azul, sendo que 16 deles (64%) notificaram casos prováveis em 2020. Os municípios de Bandeira e Medina apresentam incidência muito alta; Rubim incidência alta; e Palmópolis, Pedra Azul e Rio do Prado registram incidência média. Já a referência técnica em controle vetorial e de arboviroses da SES-MG, Dionísio Pacceli, fez uma apresentação do eixo controle vetorial, explicando as quatro ações de rotina que devem ser realizadas: reconhecimento geográfico (conhecer o território/população), pesquisa entomológica (realização de Levantamento de Índice Rápido (LIRA) e Levantamento de Índice Amostral (LIA)), tratamento focal nos municípios infestados (seis ciclos bimestrais) e não infestados (quatro ciclos trimestrais), e atividades em pontos estratégicos.

21.02 allancampos2

A referência médica do Núcleo de Vigilância Epidemiológica, Ambiental e Saúde do Trabalhador (NUVEAST) da Regional de Pedra Azul, Olívia Veiga, apresentou o manejo clínico da dengue, explicando quais os sintomas, diagnóstico, sorologia, classificação de risco e tratamento. "É uma doença única, dinâmica e sistêmica, exigindo constante reavaliação e observação, para que as intervenções sejam oportunas e que os óbitos não ocorram.

O manejo adequado dos pacientes depende do reconhecimento precoce dos sinais de alarme, do contínuo acompanhamento, do reestadiamento dos casos e da pronta reposição volêmica. Com isto, torna-se necessária a revisão da história clínica, acompanhada de exame físico completo a cada reavaliação do paciente”, orientou.

A referência técnica em urgências e emergências do Núcleo de Redes de Atenção à Saúde (NRAS) da Regional de Pedra Azul, Veruska Sousa, abordou a organização do processo de trabalho das portas de entrada para atendimento aos casos de dengue, que devem garantir abordagem diferenciada para pacientes com dengue, zika e chikungunya. “Os serviços de Urgência 24h, UPA 24h, as portas hospitalares e o SAMU 192 devem contar com dispositivos que garantam tempos mínimos de espera, hidratação imediata e vigilância constante pré e pós-atendimento pela equipe assistencial. A passagem de plantão deve ser realizada com descrição do caso da forma mais completa possível, presencial e com registros em prontuário, sendo fundamental que o encaminhamento para outros serviços seja realizado de forma responsável”, recomendou.

Já a enfermeira do Núcleo de Atenção Primária à Saúde (NAPRIS), Daniela Mendes, explicou como deve ser realizado o manejo das arboviroses na atenção primária, o conjunto de ações que devem ser realizadas, como promoção à saúde, prevenção de agravos, diagnóstico, tratamento, reabilitação, redução de danos e a manutenção da saúde. “Importante destacar a importância da notificação dos casos suspeitos e confirmados, da realização de visitas domiciliares à população adscrita, realizar busca ativa de novos casos e convocação dos faltosos, desenvolver ações educativas e de mobilização da comunidade relativas ao controle das doenças/agravos em sua área de abrangência e prestar atenção contínua, articulada com os demais níveis de atenção, visando o cuidado longitudinal”, propôs.

]]>
Banco de notícias Fri, 21 Feb 2020 10:07:12 +0000
Novas regras de financiamento são assuntos em reunião técnica com representantes da Atenção Primária https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12169-regional-teofilo-otoni-capacita-agentes-para-enfretamento-as-arboviroses https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12169-regional-teofilo-otoni-capacita-agentes-para-enfretamento-as-arboviroses

A Regional de Saúde de Teófilo Otoni realizou, nesta quarta-feira (19/2), a primeira reunião do ano com os gestores, coordenadores e referências técnicas da Atenção Primária dos 32 municípios de sua abrangência.

01 2

Segundo Flamorion Alves Fonseca, referência técnica do Núcleo de Atenção Primária à Saúde (NAPRIS) da SRS Teófilo Otoni, o objetivo desse encontro é alinhar os processos de trabalho do estado com os municípios.
Na ocasião, foram expostas as diretrizes das novas políticas, tanto da esfera federal quanto da estadual, relacionadas à atenção primária e à promoção à saúde.

No decorrer do evento, Adriana Mattos Agostini e Silva, referência técnica no financiamento do NAPRIS da SRS Teófilo Otoni, falou do Programa Previne Brasil, um programa do governo Federal que estabelece o novo modelo de financiamento de custeio da Atenção Primária à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde.

“Até dezembro de 2019 os municípios recebiam um valor variável, ou seja, de acordo com a quantidade de serviços em funcionamento. Bastava comprovar que existia o serviço e que ele estava funcionando. Agora, o acompanhamento ficou mais detalhado, os municípios recebem um valor fixo, por cada pessoa cadastrada na Unidade Básica de Saúde (UBS)e que esteja recebendo de fato e de direito as ações de saúde”, declara Adriana.

A forma de financiamento agora deixou de ser por um serviço pré-existente e passou a premiar a produtividade, com indicadores a serem alcançados. “Além de realizar as ações, as equipes das UBS’s deverão comprovar no sistema a efetividade desse serviço para que o município consiga receber o recurso”, complementa Adriana.

]]>
Banco de notícias Thu, 20 Feb 2020 17:58:49 +0000
Profissionais da rede de saúde dos municípios da SRS-BH participam de capacitação sobre manejo clínico de arboviroses https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12168-profissionais-da-atencao-primaria-participam-de-capacitacao-sobre-manejo-clinico-de-arboviroses https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12168-profissionais-da-atencao-primaria-participam-de-capacitacao-sobre-manejo-clinico-de-arboviroses

Nessa quarta-feira (19/02), mais de 100 profissionais da rede de saúde dos 39 municípios que compõem a Regional de Saúde de Belo Horizonte, participaram de uma capacitação sobre o manejo clínico de arboviroses.

Tânia

Durante o encontro, a médica infectologista da Secretária de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), Tânia Maria Marcial, abordou a importância da correta classificação de risco e manejo do paciente com suspeita de dengue. Tânia explicou, em seis passos, quais são os procedimentos a serem tomados pelos profissionais de saúde para pacientes com sintomas da doença.

“O primeiro passo é a definição do caso suspeito, o segundo é a classificação de risco, o terceiro é avaliar a necessidade de exames laboratoriais (hemograma, sorologia), o quarto é o manejo clínico (hidratação venosa), o quinto é a notificação do caso no sistema e o sexto é o fluxo de orientação ao paciente e familiares”, explicou.

Ainda, durante a capacitação, Tânia Marcial juntamente com o coordenador de Vigilância em Saúde da Regional, Francisco Lemos, destacaram a importância da produção, por parte dos municípios, dos planos de contingência para arboviroses.

A enfermeira do município de Brumadinho, Laiza Bárbara Leal Fonseca, disse que esclareceu e tirou muitas dúvidas durante a sua participação no evento. “Às vezes, mais do que uma ocasião para tirar dúvidas, estes encontros também são para incentivar e lembrar atitudes que já sabemos que devemos ter. É bom receber a capacitação de alguém que reafirma, reforça e nos relembra de algumas informações para o nosso trabalho” disse.

Coronavírus

Aproveitando a presença dos profissionais, Tânia Maria Marcial também abordou alguns aspectos referente ao Coronavírus (COVID-2019). “Estamos seguindo um plano para enfrentamento da doença. Ainda estamos no primeiro nível, que envolve a vigilância para qualquer risco de infeção do vírus no Estado. Em casos suspeitos, realizamos o isolamento. Caso seja uma pessoa que chegou da China recentemente apresentado os sintomas, a pessoa permanece em quarentena acompanhada pelos serviços de saúde”, afirmou.

]]>
Banco de notícias Thu, 20 Feb 2020 17:55:39 +0000
SES-MG promove o 1º Seminário Pensando a Saúde – Estágio de Férias https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12167-ses-mg-promove-o-1-seminario-pensando-a-saude-estagio-de-ferias https://www.saude.mg.gov.br:443/component/gmg/stories/12167-ses-mg-promove-o-1-seminario-pensando-a-saude-estagio-de-ferias

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) promoveu, nesta quinta-feira (20/2), na Cidade Administrativa (CAMG), o 1º Seminário Pensando a Saúde – Estágio de Férias. O evento tem o objetivo de apresentar os resultados dos projetos desenvolvidos por estudantes universitários que participaram da iniciativa estadual Estágio de Férias.

Crédito: Marcus Ferreira

Com o intuito de promover a vivência do dia a dia da Secretaria a estudantes universitários, durante o período das férias escolares, a SES recebeu 16 estagiários dos cursos de Medicina, Ciências Econômicas, Relações Econômicas Internacionais e Gerenciais, entre o fim de 2019 e início de 2020, que foram alocados em diferentes áreas estratégicas da SES, para contribuírem no desenvolvimento de projetos durante o período.

Segundo o secretário de Estado de Saúde de Minas Gerais, Carlos Eduardo Amaral, o Estágio de Férias possibilita aos participantes, além do conhecimento, a apresentação dos resultados dos projetos em que trabalharam durante o período em que passaram na SES. “Essa iniciativa permite a abertura das portas da SES para novos olhares. Permite aos estagiários trazerem informações e questionamentos sobre o desenvolvimento de políticas públicas no Estado. O Estágio de Férias possibilita mostrarmos o que efetivamente estamos fazendo, além de compartilharmos conhecimentos. Possibilita também a inovação e interação com pessoas que têm demandas diferentes das que estamos acostumados. Temos que pensar sempre em como fazer diferente e melhor, e desenvolver os talentos que temos aqui, aumentando assim a chance de inovarmos no provimento de serviços de saúde para a população”, explicou.

Ainda segundo o secretário, “a iniciativa nasceu da necessidade de criar um meio de comunicação entre as universidades e a Secretaria. Tendo em vista a importância do componente de pesquisa e inovação trazido pelas Instituições de Ensino para lidar com os desafios da área de Saúde Pública, que vão desde processos e fluxos administrativos, até atividades de atenção hospitalar, assistência farmacêutica e vigilância epidemiológica”, complementou.

O subsecretário de Inovação e Logística em Saúde da SES-MG, Bruno Carlos da Silva Porto, que também participou da apresentação, reforçou que a iniciativa preconiza que os participantes contribuam com a Secretaria durante a realização do estágio, possibilitando o aprendizado tanto para o estudante, quanto para a organização. “No nosso mapa estratégico, uma das nossas prioridades é a gestão do conhecimento. O Estágio de Férias é uma etapa dessa prioridade. Vamos desenhar os processos e fluxos, colocar tudo no papel, para que a nossa lição seja construir a saúde, deixando um legado para quem vem no nosso lugar depois, externalizando o conhecimento, além da atividade educacional”, reforçou.

De acordo com o superintendente de Gestão de Pessoas, Leandro do Carmo Santana, os graduandos trabalharam nas mais diversas áreas da Secretaria, sendo alocados conforme seu perfil e aptidão. “Preconizamos o planejamento prévio de atividades a serem realizadas pelos estagiários, tendo em vista o objetivo de alocá-los em setores que estejam preparados, em termos de estrutura e suporte, para recebê-los. A ideia é de que realizem atividades estratégicas, acompanhando e auxiliando no desenvolvimento de projetos relevantes para a consecução bem-sucedida das diretrizes e ações da Secretaria”, disse.

Entre os trabalhos apresentados no seminário, destacamos o Panorama Comparativo da Distribuição e Dispensação de Medicamentos do Programa Nacional de Controle do Tabagismo em Minas Gerais (apresentado pela graduanda de medicina da UFMG, Isabela Moraes); o Estudo de Viabilidade de Custo Hospitalar para instituição do Centro Mineiro de Controle de Doenças e Pesquisa de Vigilância em Saúde (CMC) (apresentado pela graduanda de Gestão Pública do Centro Universitário UNA, Jussara Ferreira); a Alocação de Recursos Equitativos para os Serviços Hospitalares no Estado (apresentado pelo graduando em Ciências Econômicas da UFMG, Daniel Nogueira) e a Reavaliação do uso da insulina Glargina para o tratamento de Diabetes Mellitus tipo I (apresentado pelo graduando de medicina da UFJF, Mateus Bressa).

Estágio de Férias

O programa é uma iniciativa da SES-MG que busca criar uma ponte entre a faculdade e um campo de prática que, por muitas vezes, faz-se distante da maioria dos estudantes. A ideia é trazer acadêmicos dos mais diversos lugares, com formação nas áreas de Ciências da Saúde e Gerenciais, para conhecer o funcionamento e a operacionalização do Sistema Único de Saúde em Minas, aprender sobre a formulação e implementação de políticas públicas da área e participar no desenvolvimento de projetos estratégicos.

O projeto piloto, que teve início no mês de dezembro de 2019, momento em que se deu a entrada dos estudantes e a realização do treinamento introdutório, foi finalizado com a apresentação dos projetos desenvolvidos durante o período do estágio.

]]>
Banco de notícias Thu, 20 Feb 2020 17:21:09 +0000