Notícias https://saude.mg.gov.br Mon, 12 Apr 2021 14:15:57 +0000 Joomla! - Open Source Content Management pt-br Estado distribui 12ª remessa de vacinas contra a covid-19 https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14580- https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14580-

Minas Gerais segue distribuindo às Unidades Regionais de Saúde (URSs) as 478.150 doses de imunizantes enviadas pelo Ministério da Saúde ao estado na quinta-feira (8/4). Deste total, 197.390 já foram retiradas pelas regionais de Sete Lagoas, Divinópolis, Itabira, Coronel Fabriciano e Secretaria Municipal de Saúde de BH na Rede de Frio da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG).

Crédito: Divulgação

O restante do quantitativo começou a ser enviado, do Aeroporto da Pampulha, a partir das 8h desta segunda-feira (12/4). A previsão é a de que até as 14h todas as doses já tenham sido entregues às Unidades Regionais para posterior distribuição aos municípios, nesta que é a maior operação de vacinação da história de Minas Gerais.

Clique aqui para acessar a tabela com o detalhamento da distribuição (Arquivo em formato .XLS).

A logística conta com apoio das Forças de Segurança do estado, com a disponibilização das aeronaves do Batalhão de Operações Aéreas (BOA) do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG) e efetivo terrestre da Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG) atuando no transporte e escolta dos insumos, de modo a garantir agilidade e segura à operação.

“A Secretaria orienta os municípios conforme é preconizado pelo Ministério da Saúde, por meio do Programa Nacional de Imunização (PNI): desde a 8ª remessa, não se faz mais o armazenamento da D2 (segunda dose) na Unidade Regional. Todas as doses são entregues aos municípios para a continuidade de suas campanhas de vacinação”, explica a coordenadora de Imunização da SES-MG, Josianne Gusmão.

Públicos Prioritários da 12ª remessa

Esta remessa – 257.750 da AstraZeneca e 220.400 da Coronavac – irá proporcionar a distribuição da segunda dose (D2) relativa ao esquema vacinal dos trabalhadores da Saúde (30,7%) e da população de 70 a 74 anos (22%). E, ainda, a continuidade de aplicação da primeira dose (D1) dos grupos de 65 a 69 anos e dos integrantes das Forças de Segurança e Salvamento.

Grupos atendidos até o momento, no Brasil

  • 100% das Pessoas com 60 anos Institucionalizadas;
  • 100% das Pessoas com Deficiência Institucionalizadas;
  • 100% do Povos Indígenas Vivendo em Terras Indígenas;
  • 97% dos Trabalhadores da Saúde;
  • 100% das Pessoas acima de 70 anos;
  • 52,9% das Pessoas de 65 a 69 anos;
  • 100% dos povos e comunidades ribeirinhas;
  • 100% dos povos e comunidades quilombolas;
  • 6% Forças de Segurança e Salvamento e Forças Armadas.

Fonte: Plano de Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a Covid-19


URSs que receberão vacinas em seus aeroportos:

- SRS Alfenas;
- SRS Diamantina;
- SRS Governador Valadares;
- SRS Juiz de Fora;
- SRS Manhuaçu;
- SRS Montes Claros;
- SRS Patos de Minas;
- GRS Pedra Azul;
- SRS Teófilo Otoni;
- SRS Uberlândia;
- GRS Unaí.

URSs que retirarão suas doses nos aeroportos polo:

- SRS Barbacena;
- GRS Ituiutaba;
- GRS Januária;
- GRS Leopoldina;
- SRS Passos;
- GRS Pirapora;
- SRS Ponte Nova;
- SRS Pouso Alegre;
- GRS São João del-Rei;
- GRS Ubá;
- SRS Uberaba;
- SRS Varginha.

URSs que retirarão vacinas na Central Estadual de Rede de Frio:

- SRS Belo Horizonte;
- SRS Coronel Fabriciano;
- SRS Divinópolis;
- GRS Itabira;
- SRS Sete Lagoas.

Remessas recebidas

1ª remessa
577.480 doses da CoronaVac em 18/1/2021

2ª remessa
190.500 doses de AstraZeneca em 24/1/2021 

3ª remessa
87.600 doses da CoronaVac em 25/1/2021

4ª remessa
315.600 doses da CoronaVac em 7/2/2021 

5ª remessa
220.000 doses da AstraZeneca e 137.400 doses da CoronaVac em 23/2/2021

6ª remessa
285.200 doses da CoronaVac em 3/3/2021

7ª remessa
303.600 doses da CoronaVac em 9/3/2021

8ª remessa
509.800 doses de CoronaVac em 17/3/2021

9ª remessa
86.750 doses da AstraZeneca e 455.800 doses da CoronaVac em 20/3/2021 

10ª remessa
116.600 doses de AstraZeneca e 359.000 doses de CoronaVac em 26/3/2021 

11ª remessa
73.250 doses de AstraZeneca e 943.400 doses de CoronaVac em 1/4/2021 

12ª remessa
257.750 da AstraZeneca e 220.400 da Coronavac, em 8/4/2021

Total: 5.140.130 doses

]]>
Banco de notícias Mon, 12 Apr 2021 11:12:06 +0000
Governo de Minas vai fornecer 5% de vacinas de reserva para acelerar imunização nos municípios https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14564-governo-de-minas-vai-fornecer-5-de-vacinas-de-reserva-para-acelerar-imunizacao-nos-municipios https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14564-governo-de-minas-vai-fornecer-5-de-vacinas-de-reserva-para-acelerar-imunizacao-nos-municipios

Governo de Minas vai enviar aos municípios 5% de doses das vacinas contra a covid-19 estocadas para reserva técnica do Estado. O objetivo é ampliar a disponibilidade de imunizantes e acelerar a vacinação nas cidades. O anúncio foi feito pelo governador Romeu Zema em coletiva à imprensa nesta quinta-feira (8/4), na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte.

Crédito: Gil Leonardi

Zema explicou que o Estado está alterando o processo de distribuição adotado até agora para agilizar ao máximo a imunização dos mineiros. 

“A reserva técnica de 5% que sempre foi estocada agora será enviada aos municípios para que haja maior disponibilidade de vacinas. Não é recomendado estocar doses neste momento. A vacina só resolve nosso problema quando ela está aplicada no braço de quem precisa, e não dentro do refrigerador aguardando. A vacinação é a única solução definitiva para a pandemia”, alertou. A distribuição das doses “extras” vai priorizar os municípios que estiverem na frente no processo de imunização, com as menores quantidades de doses estocadas. 

Para ajudar as prefeituras que estão com dificuldades de acelerar a aplicação dos imunizantes, o governador afirmou que o Executivo estadual está adotando medidas em conjunto com o Ministério Público (MPMG) e a Associação Mineira de Municípios (AMM), além de contar com o apoio de iniciativas do setor privado.

“Algumas prefeituras não buscam as vacinas com a velocidade que poderiam ou não aplicam com a velocidade que poderiam. Temos solicitado aos prefeitos que o processo não seja interrompido, apesar de sabermos que os profissionais de Saúde estão exaustos. Onde há disponibilidade de vacina, que é na maioria das prefeituras, que esse processo continue inclusive aos fins de semana. Também temos ajuda do setor privado, como o Unidos Pela Vacina, que está apadrinhando diversas prefeituras com dificuldades e tem contribuído para a solução desse problema”, afirmou.

Informação

Outro ponto de atenção é a falta de repasse de informações por parte de algumas prefeituras, como explicou o secretário de Estado de Saúde, o médico Fábio Baccheretti.

“A informação que não tem chegado. A última atualização de alguns municípios foi em janeiro, quando quase não havia vacina. Ou seja, tudo que a cidade aplicou desde janeiro não veio para o sistema e gera essas distorções de informação. As regionais de Saúde da secretaria estadual estão indo ativamente aos 853 municípios, especialmente aqueles que têm os piores resultados. Provavelmente viveremos um aumento progressivo dos índices de vacinação do estado, já nesta semana, por essa ação bem ativa”, disse.

Resultado

Conforme o secretário de Saúde, o médico Fábio Baccheretti, o número de internações de pessoas com mais de 85 anos (público que já recebeu as duas doses da vacina), teve uma redução expressiva, o que comprova a eficácia do imunizante.

“Temos uma redução quase total em número de casos de pacientes nessa idade. É um alento muito importante neste momento e reforça a atenção dos municípios em crescer na vacinação. O que vai mudar esse momento nosso é a vacinação. Esperamos novas remessas do Ministério da Saúde, esperamos que elas ocorram de forma constante e mais acelerada”, destacou.

Novas cepas

Sobre a eficácia da vacinação para as novas variantes do coronavírus, o secretário de Saúde explicou que as vacinas existentes atualmente funcionam para as novas cepas.

“Já saíram vários estudos confirmando que a nova cepa P1, a de Manaus, que é a mais prevalente no estado, tem uma boa resposta em relação à Coronavac, a vacina mais aplicada aqui. Também já temos estudos sobre a AstraZeneca que estão confirmando a eficácia, o que nos deixa tranquilos”, disse o médico Fábio Baccheretti.

O secretário também comentou as novas mutações identificadas em Belo Horizonte por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais.

“Ontem à noite fizemos uma reunião com a equipe técnica da UFMG e a principal conclusão, além da existência de uma nova cepa em BH, é que ela possui mutações nos mesmos locais da P1 e da P2, que são as cepas mais prevalentes no estado. Ainda não sabemos se é mais infectante ou mais letal. No momento, a informação mais importante desse estudo é que aquela cepa inicial vivenciada em 2020 praticamente não circula mais no estado. A que circula é a cepa mais infectante, que veio do Amazonas. Por isso a importância das restrições adotadas no estado”, esclareceu.

Cuidados

Romeu Zema fez um alerta para a importância de manter todos os cuidados sanitários, como uso de máscara e distanciamento social, inclusive pelas pessoas que já foram vacinadas.

“A vacina reforça muito a imunização, mas temos que ter consciência de que os cuidados precisam ser mantidos, até porque quem foi vacinado ainda pode transmitir o vírus. Infelizmente temos um novo problema de saúde no mundo, que exige essa mudança de hábito, o distanciamento, o uso de máscara. Talvez tenham vindo para ficar um tempo muito maior do que nós imaginávamos”, ressaltou.

]]>
Banco de notícias Thu, 08 Apr 2021 18:21:22 +0000
Funed desenvolve pesquisas que contribuem para o combate ao câncer https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14562-funed-desenvolve-pesquisas-que-contribuem-para-o-combate-ao-cancer https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14562-funed-desenvolve-pesquisas-que-contribuem-para-o-combate-ao-cancer

Nesta quinta-feira, 8 de abril, é celebrado o Dia Mundial de Combate ao Câncer, e a Fundação Ezequiel Dias (Funed) lembra a data por meio de pesquisas desenvolvidas na instituição que contribuem para o enfrentamento à doença.

Crédito: Divulgação

De forma geral, as pesquisas usam a biotecnologia para desenvolver soluções em saúde pública. Uma delas foi transformada em tecnologia e pode contribuir para reduzir o volume, avaliar a chance de recorrência e até sinalizar qual o tratamento quimioterápico mais adequado em alguns casos de câncer de ovário. A outra pesquisa estuda casos de cânceres oculares e trabalha na avaliação de possíveis tratamentos.

O primeiro estudo é desenvolvido pela equipe da pesquisadora do Serviço de Biologia Celular da Funed, Luciana Maria Silva. Os ensaios permitiram o desenvolvimento de tecnologias que fazem parte de um painel genético para análise prognóstica de mulheres com câncer de ovário. "A análise prognóstica, que é uma avaliação baseada no diagnóstico, no resultado ou na indicação de uma possível doença, permitirá, por meio do exame que desenvolvemos, informar ao médico a chance de determinada paciente responder ou não ao tratamento quimioterápico ou quais as chances do tumor voltar", explica Luciana.

A pesquisadora conta que o que a motivou a desenvolver as tecnologias foi o fato de o câncer de ovário ser o mais letal dos tumores ginecológicos, apresentando os maiores índices de recorrência e morte. "Apesar dos avanços no tratamento, tanto no campo cirúrgico quanto citotóxico (que impede o crescimento dos tecidos doentes), como as radioterapias ou quimioterapias, esses não foram capazes de incorporar de modo equivalente melhorias nas taxas de sobrevida das mulheres afetadas", revela.

Assim, a pesquisa desenvolvida por Luciana Silva inova justamente pelo fato de não existir hoje, no mercado, tecnologia similar a essas para avaliação prognóstica das pacientes com câncer de ovário. "Atualmente, sabe-se que a sensibilidade e a especificidade de um dos biomarcadores utilizados para detectar a doença é ruim, pois apresenta baixa sensibilidade nos tumores de ovário no estágio I (50%), atingindo 75 a 90% de sensibilidade em pacientes com doença avançada. Soma-se a isso os resultados falso-positivos, que são observados em muitos distúrbios clínicos malignos e benignos. Desse modo, a necessidade de um biomarcador mais efetivo para monitoramento da doença é um problema latente na prática clínica em ginecologia oncológica. Pensando nisso é que desenvolvemos nossos estudos", frisa.

A tecnologia já passou por todas as fases de desenvolvimento de produto, tendo atingido o nível máximo, e hoje está em fase operacional já disponível. "As próximas fases para chegar aos pacientes incluem conseguirmos investimento que possam subsidiar o exame, nomeado OvarianTag®, para ser aplicado à população", pontua a pesquisadora.

Câncer ocular infantil

O segundo estudo desenvolvido na Funed é coordenado pela equipe da pesquisadora e diretora de Pesquisa e Desenvolvimento, Sílvia Fialho, e está relacionada a casos de retinoblastoma – câncer que surge na chamada retina imatura, em crianças de 0 a 14 anos de idade – e de melanoma ocular, câncer que atinge células produtoras de melanina, pigmento responsável pela coloração da pele e dos olhos. Os estudos estão sendo desenvolvidos em parceria com pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) de Ribeirão Preto e da Universidade Americana Johns Hopkins.

Embora seja pouco frequente, o retinoblastoma é considerado um tumor muito agressivo, tem alto índice de reincidência, pode levar à perda da visão e até à morte. “Os tratamentos disponíveis hoje, além de dolorosos, ainda não têm uma resposta terapêutica satisfatória. Por isso nossa equipe está trabalhando com uma metodologia que permite cultivar as células desse tumor em membrana de ovo, o que tem ajudado a buscar respostas sobre a possibilidade de reincidência desse câncer e para possíveis tratamentos”, explica Sílvia.

As pesquisas sobre o melanoma ocular também têm sido alvo da atenção dos pesquisadores da Funed, uma vez que esse é um câncer com alta prevalência, podendo acometer tanto crianças quanto adultos, mas é mais comum em indivíduos da pele e olhos claros e com idade mais avançada. “Como a relação entre a radiação ultravioleta e o melanoma ocular não está comprovada, precisamos atuar no diagnóstico precoce e em alternativas para o tratamento. Dois trabalhos de mestrandos do Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia da Funed estão relacionados à busca de terapias mais assertivas para os tumores oculares, em especifico o retinoblastoma e o melanoma”, detalha Sílvia.

]]>
Banco de notícias Thu, 08 Apr 2021 12:39:14 +0000
Macro Triângulo do Sul e três microrregiões podem avançar para a onda vermelha na próxima segunda (12/4) https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14554-macro-triangulo-do-sul-e-tres-microrregioes-podem-avancar-para-a-onda-vermelha-na-proxima-segunda-12-4 https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14554-macro-triangulo-do-sul-e-tres-microrregioes-podem-avancar-para-a-onda-vermelha-na-proxima-segunda-12-4

A macrorregião de Saúde Triângulo do Sul e as microrregiões de São Gotardo, Montes Claros/Bocaiúva e Taiobeiras devem avançar para a onda vermelha do plano Minas Consciente. A decisão será publicada no Diário Oficial nesta quinta-feira (8/4). No entanto, as localidades serão monitoradas pela Secretaria de Estado de Saúde até a próxima sexta-feira (9/4) para garantir que não haja piora nos indicadores da covid-19. Somente será permitido o avanço a partir de segunda (12/4) caso o cenário positivo se mantenha favorável. As demais regiões do estado devem seguir, por mais uma semana, as medidas decretadas na semana passada. Triângulo do Norte permanece na onda vermelha e as outras 12, na roxa.

Crédito: Gil Leonardi

A decisão foi tomada nesta quarta-feira (7/4) pelo Comitê Extraordinário Covid-19, grupo que se reúne semanalmente para avaliar a situação da pandemia no estado. Ainda durante o encontro virtual, o Comitê – que conta com integrantes da Assembleia Legislativa, do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, do Ministério Público, da Associação Mineira dos Municípios e da Defensoria, entre outros órgãos – optou por alterar a norma que restringe a circulação de pessoas das 20h às 5h e proíbe reuniões familiares durante a onda roxa do plano Minas Consciente, decretando o fim das duas medidas.

A suspensão atende a um acordo judicial feito pelo Governo de Minas na última segunda-feira (5/4), após o deputado estadual Bruno Engler questionar a constitucionalidade das medidas. Apesar do fim da proibição, o governador Romeu Zema reitera que o Estado desaconselha qualquer tipo de aglomeração ou trânsito desnecessário durante a pandemia. “Essas medidas não serão mais obrigatórias, mas é essencial que todos façam a sua parte para conseguirmos reduzir a propagação do vírus Precisamos que a população mantenha todos os cuidados, use máscara e evite aglomerações para conseguirmos sair disso o mais rápido possível”, destacou.

Resultados

O governador ressaltou que os números já apontam para o resultado positivo das medidas mais restritivas impostas pela onda roxa e que o esforço da população terá reflexo na queda no número de óbitos.

“Temos observado resultado positivo nos números das regiões que entraram na onda roxa há mais tempo, o que permite deduzir que as demais regiões, em breve, também terão queda no número de casos. Essa queda, em um segundo momento, se refletirá na diminuição no número de internações e, em um terceiro momento, levará à queda no número de óbitos”, explicou.

Números

Na última semana, Minas Gerais registrou aumento de 5,2% nos casos de covid-19 e 7,8% nos óbitos decorrentes da doença.

A taxa de isolamento em Minas, na última semana, foi de 46,3%. Já no Brasil, ficou em 49,94%.

A incidência da covid-19 em Minas Gerais caiu 21% nos últimos 14 dias e 6% nos últimos 7 dias.

Restrições

Para compensar o fim da restrição de circulação de pessoas e da proibição de reuniões familiares, a norma que prevê medidas mais rígidas durante a onda roxa passa a proibir a retirada em balcão em todo o comércio não essencial, das 20h às 5h. Assim, estabelecimentos como bares e restaurantes só poderão funcionar em formato de delivery neste horário.

Supermercados e padarias, por outro lado, terão o horário de funcionamento ampliado até as 22h, para reduzir a circulação de pessoas no pico. 

Conforme o secretário de Estado de Saúde, o médico Fábio Baccheretti, o objetivo das medidas é evitar aglomerações.

“As mudanças não terão impacto na efetividade da onda roxa, porque a restrição de circulação de forma isolada não tem impacto direto. O que realmente queremos é evitar aglomerações. Por isso a decisão de fazer com que serviços não essenciais, principalmente bares, não vendam produtos em balcão para evitar concentração de pessoas na porta. Também recomendamos cuidado até mesmo durante uma reunião familiar, em função do risco de contágio”, esclareceu.

Ele também ressaltou que a taxa de isolamento cresceu após a implantação da onda roxa no estado e que, apesar do aumento no número de óbitos, as restrições já se refletem em queda na incidência da covid-19.

“Conseguimos uma taxa de isolamento crescente desde a semana 11, quando a onda roxa foi implementada em todo o estado. Mesmo assim, é um pouco lenta a queda na incidência, mas nos locais em que foi implementada primeiro temos tido sucesso. Os óbitos ainda estão subindo, mas isso não significa que estamos caminhando para a piora. O óbito é o último indicador a subir e reflete o colapso que vivenciamos em março e começo de abril. A tendência importante é o número de casos novos, incidência e ocupação. Já sentimos melhora nesses indicadores”, afirmou.

Onda vermelha

Nesta fase do Minas Consciente, a onda vermelha permite o funcionamento de todas as atividades, desde que cumpram algumas regras, como distanciamento e limitação máxima de pessoas.

Devido à melhora da incidência e menor pressão por leitos, a macrorregião Triângulo do Norte e a microrregião de Patos de Minas avançaram para essa fase na semana anterior (31/3) e serão mantidas nesta semana, conforme decisão do Comitê Extraordinário Covid-19 nesta quarta-feira (7/4).

A macrorregião Triângulo do Sul e as microrregiões de São Gotardo, Montes Claros/Bocaiúva e Taiobeiras apresentaram melhora nos indicadores e poderão avançar para a onda vermelha. Entretanto, serão monitoradas até a próxima sexta-feira (9/4), podendo voltar para onda roxa caso haja piora nos indicadores.

Todas as outras regiões do estado seguem na onda roxa. A evolução é acompanhada semanalmente pelo Comitê Extraordinário Covid-19. 

Como funciona a progressão de onda

Para definir o avanço de uma macrorregião para um nível mais flexível do Minas Consciente ou a adoção de medidas mais restritivas, o Comitê Extraordinário Covid-19 se baseia em um sistema de pontuação da localidade, elaborado com base nos dados da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG).

Considerando indicadores como taxa de incidência, positividade, ocupação de leitos e grau de risco, a macrorregião atinge uma pontuação de 0 a 32, sendo:

- Até 12 pontos: onda verde;
- Entre 13 e 19 pontos: onda amarela;
- 20 pontos ou mais: onda vermelha;
- Avaliação excepcional: onda roxa (criada para restabelecer a capacidade assistencial).

Atualmente, todas as macrorregiões mineiras registram mais de 20 pontos e, por isso, ainda é necessária a manutenção da onda roxa na maior parte do estado. A possibilidade de avanço para a onda vermelha depende de uma avaliação constante e criteriosa desses indicadores, para garantir que a flexibilização não coloque em risco a saúde da população. Veja abaixo a pontuação das macrorregiões nesta semana:

Centro - 29

Centro-Sul - 30

Jequitinhonha - 23

Leste - 30

Leste do Sul - 30

Nordeste - 27

Noroeste - 28

Norte - 26

Oeste - 28

Sudeste - 30

Sul - 29

Triângulo do Norte - 28

Triângulo do Sul - 29

Vale do Aço - 30

Minas Gerais - 29

____
Clique nos links para verificar, em detalhes, as macrorregiões de Saúde do plano Minas Consciente:
Centro,  Centro-SulJequitinhonhaLesteLeste do SulNordesteNoroesteNorteOesteSudesteSulTriângulo do NorteTriângulo do Sul e Vale do Aço.

]]>
Banco de notícias Wed, 07 Apr 2021 14:43:19 +0000
Regional de Itabira realiza capacitação sobre Paralisias Flácidas Agudas/Poliomielite e Surtos de Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar (DTHA) https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14579-regional-de-itabira-realiza-capacitacao-sobre-paralisias-flacidas-agudas-poliomielite-e-surtos-de-doencas-de-transmissao-hidrica-e-alimentar-dtha https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14579-regional-de-itabira-realiza-capacitacao-sobre-paralisias-flacidas-agudas-poliomielite-e-surtos-de-doencas-de-transmissao-hidrica-e-alimentar-dtha

A Regional de Saúde de Itabira, através do seu Núcleo de Vigilância Epidemiológica, realizou, na última terça-feira (6/4), uma capacitação abordando os temas: Vigilância Epidemiológica das Paralisias Flácidas Agudas/Poliomielite e Vigilância de Surtos de Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar (DTHA) para os municípios das microrregiões de João Monlevade, Itabira e Guanhães.

A capacitação, realizada virtualmente, foi direcionada aos coordenadores e referências técnicas municipais em Vigilância Epidemiológica, sendo ministrada por Aline Fernandes, referência técnica em Paralisias Flácidas Agudas (Poliomielite) e em Surtos de Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar (DTHA) da Regional de Saúde de Itabira.

Crédito: Regional de Itabira

De acordo com Aline Fernandes, a vigilância epidemiológica das paralisias flácidas agudas (PFA) é muito importante para manter o Brasil livre da circulação de poliovírus selvagem, além de monitorar a ocorrência de casos em menores de 15 anos de idade e disseminar informações sobre medidas de prevenção e controle, principalmente manter coberturas vacinais altas e homogêneas de crianças menores de 5 anos.

“Considerando o alto risco de reintrodução da poliomielite no Brasil, é preciso manter sempre a vigilância, por isso a necessidade de capacitar as referências técnicas municipais quanto à vigilância das PFA, à busca ativa nas unidades sentinela sob a jurisdição da GRS Itabira, notificação, monitoramento e investigação de casos de Paralisia Flácida Aguda, ressaltando a importância de medidas de prevenção e controle, principalmente”, explicou Aline.

Crédito: Regional de Itabira

Durante a capacitação foi explicado que juntamente com uma vigilância epidemiológica efetiva das PFA, a manutenção de coberturas vacinais altas e homogêneas de crianças menores de cinco anos, constitui uma das principais medidas de prevenção. Já o esquema vacinal preconizado consiste na administração de três doses, com intervalo de 60 dias (intervalo mínimo de 30 dias) a partir dos dois meses de idade. As crianças menores de cinco anos devem receber reforço com a VOP durante as campanhas.

A outra parte da capacitação abordou os surtos de Doença de Transmissão Hídrica e Alimentar (DTHA). A DTHA é uma síndrome geralmente constituída de anorexia, náuseas, vômitos e/ou diarreia, acompanhada ou não de febre, ocasionada pela ingestão de alimentos ou água contaminados, sendo que os surtos se referem à ocorrência de dois ou mais casos, relacionados epidemiologicamente ou de apenas um caso para doenças raras.

“O objetivo foi capacitar as referências técnicas municipais quanto à vigilância dos surtos de DTHA, no que se refere ao monitoramento da ocorrência, notificação e investigação epidemiológica destes eventos que podem representar risco à saúde pública, de modo que as equipes de vigilância se tornem mais sensíveis para identificá-los e atuem conforme os fluxos vigentes”, finalizou Aline.

]]>
Banco de notícias Mon, 12 Apr 2021 10:49:48 +0000
Regional de Uberaba capacita sobre vigilância de acidentes por animais peçonhentos https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14578-regional-de-uberaba-capacita-sobre-vigilancia-de-acidentes-por-animais-peconhentos https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14578-regional-de-uberaba-capacita-sobre-vigilancia-de-acidentes-por-animais-peconhentos

Com objetivo de reforçar a vigilância epidemiológica dos acidentes por animais peçonhentos, orientando profissionais para análise local da situação de saúde, diagnóstico e tratamento de acidentes de acordo com protocolos e notas técnicas atuais, a Superintendência Regional de Saúde (SRS) de Uberaba realizou, na última semana de março (29 a 31/3), uma capacitação online voltada para técnicos e coordenadores de vigilância em saúde, enfermeiros e médicos da macrorregião Triângulo Sul.

O evento contou com apoio do nível central, através da referência técnica estadual, Andréia Kelly Roberto, que fez uma análise da situação dos acidentes por animais peçonhentos no território dos 27 municípios da SRS Uberaba e no estado, entre outros assuntos. Segundo ela, "todos os anos ocorre um número muito alto de acidentes, que devem ser notificados às instituições de saúde, mas sabemos que nem todos são levados ao conhecimento das mesmas, seja por dificuldade de acesso ao serviço ou mesmo por desinteresse e desinformação dos pacientes. Dessa forma, a subnotificação dificulta a análise de dados e definição de ações de prevenção e redução de acidentes", observou.

Crédito: SRS/Uberaba

Ainda de acordo com Andréia: "A capacitação foi proposta para mostrar a relevância da atividade e como realizar a análise de dados das notificações dos acidentes. Dessa forma, é possível verificar quais os principais acidentes ocorrentes em cada município, as características dos pacientes acometidos, a evolução dos casos e a proposição de medidas de melhoria no atendimento e na prevenção a todos os envolvidas, como as Secretarias Municipais de Saúde, Meio Ambiente, Obras Públicas e Educação, além do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) e Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (EMATER)", concluiu.

Para a coordenadora de Vigilância Epidemiológica da SRS Uberaba, Denise Maciel, é primordial a vigilância dos acidentes com animais peçonhentos em todos os níveis de atenção, desde a prevenção até a atenção hospitalar. Ela afirma que "o trabalho deve ser contínuo, com orientações claras sobre como evitar os acidentes à população, e a partir do momento em que acontecem, a equipe assistencial precisa estar preparada para atender seguindo as recomendações dos protocolos e notas técnicas vigentes. Nós orientamos os profissionais para a proteção da população desde o acompanhamento dos casos no sistema de informação, até o atendimento clínico, propriamente dito", pontuou.

Já a referência técnica regional em animais peçonhentos, Roberta Resende, lembrou a importância da situação de menor disponibilidade de alguns soros antiveneno e o histórico dos últimos anos, que inclui até mesmo escassez de alguns deles. “É muito importante sensibilizar a rede assistencial quanto a adesão aos protocolos clínicos propostos pelo Ministério da Saúde, visando a otimização e o uso responsável destes imunobiológicos, além da necessidade de registrar com completude essas informações no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). O sistema permite a identificação do quantitativo de soros antivenenos a serem distribuídos às Unidades Federadas, a determinação de pontos estratégicos de vigilância, a estruturação das unidades de atendimento e a elaboração de estratégias de controle", salientou, a referência técnica.

A capacitação também contou com a participação do médico infectologista Rodrigo Molina, do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), que falou sobre o diagnóstico e tratamento de acidentes por animais peçonhentos para profissionais médicos, de enfermagem e vigilância epidemiológica da Macrorregião de Saúde Triângulo Sul.

]]>
Banco de notícias Mon, 12 Apr 2021 10:35:32 +0000
Vacinas covid-19: Regional de Saúde de Januária recebe mais uma remessa https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14577-vacinas-covid-19-regional-de-saude-de-januaria-recebe-mais-uma-remessa https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14577-vacinas-covid-19-regional-de-saude-de-januaria-recebe-mais-uma-remessa

A Gerência Regional de Saúde (GRS) de Januária recebeu na semana passada, no dia 5/4, no aeroporto de Montes Claros, a 10ª remessa de vacinas (mais 19.550 doses CoronaVac e AstraZeneca) contra a covid-19 para a distribuição aos 25 municípios de sua jurisdição.

A operação contou com o apoio da Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG) que fez a escolta até a Rede de Frio da regional. A distribuição aos municípios ocorreu na manhã do dia seguinte (6/4), com hora marcada e contou com escolta da PMMG.

Crédito: Giuliana Dias

O fluxo de recebimento de vacinas e distribuição aos municípios tem sido da seguinte maneira: o Ministério da Saúde (MS) envia ao Estado o quantitativo de doses que seguem para a central da Rede de Frio, na Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), onde são armazenadas em temperatura e condições ideais. De lá seguem para a Rede de Frio das Unidades Regionais de Saúde (URS’s) de todo o estado. Posteriormente, os municípios retiram as doses em cada regional. Cada município é responsável pela logística de vacinação, devendo seguir as diretrizes do Programa Nacional de Imunização (PNI) do MS.

A diretora da regional de saúde de Januária, Ioná de Carvalho Lisboa, ressaltou a importância da continuidade da distribuição das doses de vacinas em busca da imunização da populacão. “Esses últimos dias estão sendo difíceis, mas com o apoio de todos vamos superar mais esse desafio”, pontuou e reforçou sobre a necessidade de manter os cuidados para não proliferação da doença.

Grupo prioritário

A vacina CoronaVac será utilizada para iniciar a imunização de 6% dos profissionais das Forças de Segurança, conforme determinado pelo Ministério da Saúde, assim como, em 1,26% da população entre 65 e 69 anos e como segunda dose em 7% dos trabalhadores da Saúde, 87% da população entre 75 e 79 anos, e 80,4% da população entre 70 e 74 anos. Já os imunizantes da AstraZeneca serão aplicados como segunda dose para 10,2% aos trabalhadores da Saúde.

Municípios da GRS/ Januária

Microrregião de Januária: Bonito de Minas, Conego Marinho, Januária, Pedras de Maria da Cruz.

Microrregião de Manga: Itacarambi, Juvenília, Miravânia, Montalvânia, São João das Missões.

Microrregião de Brasília de Minas/São Francisco: Brasília de Minas, Campo Azul, Ibiracatu, Icaraí de Minas, Japonvar, Lontra, Luislândia, Patis, Pintópolis, São Francisco, São João da Ponte, São Romão, Ubaí, Urucuia, Varzelândia.

Crédito: Giuliana Dias

]]>
Banco de notícias Mon, 12 Apr 2021 10:15:40 +0000
Informe Epidemiológico Coronavírus 12/04/2021 https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14576-informe-epidemiologico-coronavirus-12-04-2021 https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14576-informe-epidemiologico-coronavirus-12-04-2021

Até o momento foram 1.228.659 casos confirmados*. Estão em acompanhamento* 87.830 casos e são 1.112.739 casos recuperados**. Estão confirmados 28.090 óbitos.

*Total de casos confirmados: soma dos casos confirmados, que não evoluíram para óbito e dos óbitos confirmados por covid-19.

**Casos em acompanhamento: casos confirmados de covid-19, que não evoluíram para óbito, cuja condição clínica permanece sendo acompanhada ou aguarda atualização pelos municípios.

***Casos recuperados: casos confirmados de covid-19 que receberam alta hospitalar e/ou cumpriram isolamento domiciliar de 14 dias sem intercorrências.

Óbitos confirmados: óbitos confirmados para covid-19.

Dados parciais, sujeitos a alterações. Atualizado em 12/4/2021. Fonte: COES MINAS/COVID-19/SES-MG.

Considerando que o Ministério da Saúde classificou todo o país como transmissão comunitária, além da necessidade de qualificar as informações sobre a circulação do coronavírus em Minas Gerais, desde 23/3/2020, o Boletim Informativo Diário Covid-19 publica o detalhamento apenas dos casos confirmados.

Clique aqui e acesse o Boletim Epidemiológico.

]]>
Banco de notícias Mon, 12 Apr 2021 09:42:57 +0000
Campanha de vacinação contra a gripe começa nesta segunda-feira (12) https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14575-campanha-de-vacinacao-contra-a-gripe-comeca-nesta-segunda-feira-12 https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14575-campanha-de-vacinacao-contra-a-gripe-comeca-nesta-segunda-feira-12

A 23ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza inicia nesta segunda-feira (12/4) com a meta de imunizar 90% do público prioritário, composto por aproximadamente 8,4 milhões de pessoas em Minas Gerais. Até o momento (9/4), o Ministério da Saúde encaminhou ao estado 663.800 doses, que já estão sendo distribuídas para as 28 Unidades Regionais de Saúde.
Dividida em três fases, a campanha tem como objetivo evitar aglomerações nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e favorecer o planejamento dos municípios para atender os grupos prioritários. De acordo com a coordenadora estadual do Programa de Imunizações da SES-MG, Josianne Dias Gusmão, a primeira etapa ocorrerá entre os dias 12 de abril e 10 de maio e está direcionada à imunização de crianças de 6 meses a menores de 6 anos, gestantes e puérperas, povos indígenas e trabalhadores da saúde.
“Se, no momento da vacinação, a pessoa estiver incluída no grupo prioritário para a imunização contra a covid-19 e, também, para Influenza, a recomendação é que seja priorizada a vacinação contra o novo coranavírus. O reagendamento para a imunização contra a gripe deverá ser programada para 14 dias após a aplicação da dose contra a covid-19. “O intervalo entre as duas vacinas é necessário para que seja possível avaliar algum evento adverso referente a cada imunizante. Caso a pessoa vacinada apresente algum sintoma, será possível identificar a vacina administrada”, orienta Josianne.
Segundo a coordenadora, a vacina contra a gripe, assim como a da covid-19, reduz as complicações, internações e a mortalidade decorrentes das infecções pelas duas doenças, por isso é fundamental que os públicos prioritários compareçam às Unidades Básicas de Saúde nas etapas programadas.


Idosos e professores
A segunda fase da campanha começa no dia 11 de maio e vai até o dia 8 de junho, tem como foco os idosos com mais de 60 anos e professores das escolas públicas e privadas. “A inclusão dos idosos nesta etapa tem o objetivo de possibilitar maior tempo para a imunização desse grupo contra a covid-19 e ocorrer o intervalo mínimo de 14 dias, prazo preconizado entre as duas vacinas”, reforça Josianne Gusmão.


Última etapa
Já na terceira e última fase, que inicia em 9 de junho, deverão receber a vacina as pessoas com comorbidades, pessoas com deficiência, trabalhadores de transporte coletivo, portuários, forças de segurança e salvamento, forças armadas, funcionários do sistema de privação de liberdade, população privada de liberdade e adolescentes e jovens em medidas socioeducativas.
A campanha será encerrada no dia 9 de julho e as etapas ocorrerão simultaneamente em todos os municípios mineiros. “A vacina contra a influenza é a medida de prevenção mais importante para proteger contra o agravamento da doença, como hospitalizações e óbitos. Principalmente, nesse momento de pandemia, em que os serviços de saúde estão sobrecarregados por causa da covid-19”, alerta Josianne Gusmão.
Recomendações para a aplicação das doses diante dos casos da covid-19
Diante dos casos da covid-19, a orientação da SES-MG é para que os municípios organizem suas salas de vacinação e desenvolvam estratégias de vacinação de modo que não haja aglomeração. Cada município terá autonomia para definir conforme a própria realidade e cenário epidemiológico. Contudo, é recomendada a organização dos processos de trabalho das equipes.
Entre as estratégias que podem ser adotadas está a organização das UBS com horário de funcionamento estendido, para assegurar o acesso da população à vacina durante todo o horário do serviço. Outra recomendação é a disponibilização de um local específico na unidade de saúde para vacinação contra a gripe, de modo que não prejudique os demais atendimentos e nem a campanha de vacinação contra a covid-19.
É indicado uma triagem, principalmente, no momento da identificação do usuário, para avaliar situações de adiamento, precauções gerais, contraindicações em relação à vacinação e manter uma comunicação com a equipe da vigilância do município para o rastreamento e monitoramento de casos suspeitos de doenças respiratórias.
“Essas são algumas recomendações para que os municípios realizem a campanha de vacinação de forma segura e tenha redução do risco de disseminação da covid-19”, finaliza a coordenadora estadual de Imunizações da SES-MG, Josiane Gusmão.

]]>
Banco de notícias Sun, 11 Apr 2021 17:30:22 +0000
Secretaria de Saúde distribui 12º lote de vacinas contra covid-19 no estado https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14574-secretaria-de-saude-distribui-12-lote-de-vacinas-contra-covid-19-no-estado https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14574-secretaria-de-saude-distribui-12-lote-de-vacinas-contra-covid-19-no-estado


Nesta segunda-feira (12/4), às 8h30, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) vai atender a imprensa para o registro de imagens da distribuição da 12ª remessa de vacinas contra a covid-19, que será enviada do Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte, para as Unidades Regionais de Saúde (URSs) do estado.

Será permitida a cobertura de imprensa para registro das imagens do embarque dos imunizantes.

Serviço

Registro de imagens da distribuição do 12º lote de vacinas contra a covid em Minas

Data: 12/4/2021 (segunda-feira)

Horário: a partir de 8h30

Local: Hangar do Governo – Rua Líder, 152 – Pampulha – Belo Horizonte (MG)

*Solicitamos o uso de máscara e distanciamento entre os jornalistas e demais profissionais durante o evento.

]]>
Banco de notícias Sun, 11 Apr 2021 15:44:05 +0000
Informe Epidemiológico Coronavírus - 11/04/2021 https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14573-informe-epidemiologico-coronavirus-11-04-2021 https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14573-informe-epidemiologico-coronavirus-11-04-2021

Até o momento foram 1.225.818 casos confirmados*. Estão em acompanhamento** 87.782 casos e são 1.110.032 casos recuperados***. Estão confirmados 28.004 óbitos.

*Total de casos confirmados: soma dos casos confirmados, que não evoluíram para óbito e dos óbitos confirmados por covid-19.

**Casos em acompanhamento: casos confirmados de covid-19, que não evoluíram para óbito, cuja condição clínica permanece sendo acompanhada ou aguarda atualização pelos municípios.

***Casos recuperados: casos confirmados de covid-19 que receberam alta hospitalar e/ou cumpriram isolamento domiciliar de 14 dias sem intercorrências.

Óbitos confirmados: óbitos confirmados para covid-19.

Dados parciais, sujeitos a alterações. Atualizado em 11/4/2021. Fonte: COES MINAS/COVID-19/SES-MG.

Considerando que o Ministério da Saúde classificou todo o país como transmissão comunitária, além da necessidade de qualificar as informações sobre a circulação do coronavírus em Minas Gerais, desde 23/3/2020, o Boletim Informativo Diário Covid-19 publica o detalhamento apenas dos casos confirmados.

Clique aqui e acesse o Boletim Epidemiológico.

]]>
Banco de notícias Sun, 11 Apr 2021 11:27:18 +0000
Minas recebe medicamentos para o kit intubação neste sábado (10/4) https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14572-minas-recebe-medicamentos-para-o-kit-intubacao-neste-sabado-10-4 https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14572-minas-recebe-medicamentos-para-o-kit-intubacao-neste-sabado-10-4

Está prevista para este sábado (10/4) a chegada de uma remessa de bloqueadores neuromusculares, direcionados a hospitais da rede pública que estão com menos de três dias de cobertura. São mais de 15 mil ampolas de medicamentos essenciais ao kit intubação para manter a sedação dos pacientes internados na rede pública de Minas Gerais. Atualmente, o estoque de sedativos utilizados na intubação do paciente de covid-19 encontra-se em nível não recomendável para o enfretamento da pandemia.

Entre os itens enviados pelo Ministério da Saúde (MS) estão o Brometo de Rocurônio e o Basilato de Cisatracúrio. Nesta remessa serão atendidas instituições das macrorregionais Sul, Centro, Triângulo do Sul, Jequitinhonha, Leste do Sul, Sudeste e Oeste.

Segundo o diretor de Medicamentos Básicos da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), Jans Bastos Izidoro, semanalmente os hospitais informam à secretaria sobre seus estoques. “Aqueles que estão com quantitativos menores que para uma semana, buscamos suprir, com a maior agilidade possível”, afirma Jans.

A

Para fazer frente a este cenário, o estado conta com a rede solidária da saúde pública, que permite o remanejamento de insumos entre as instituições. Neste caso específico, os medicamentos são destinados às instituições que observam aumento abrupto de consumo destes insumos.

“O objetivo é atender os hospitais mais necessitados e com estoques mais baixos, a partir de instituições que detenham estoques mais estáveis, garantindo, de modo emergencial, a adequada assistência aos pacientes”, pontua o secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti.

A SES-MG, juntamente com o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Minas Gerais (Cosems-MG), realiza levantamento periódico dos estoques dos prestadores e fornecedores de medicamentos e insumos das unidades hospitalares.

É feito o acompanhamento e monitoramento 24 horas do abastecimento de medicamentos nas redes públicas e privadas de assistência médico-hospitalar, que devem informar, regularmente à SES-MG, sobre o quantitativo de estoques de medicamentos e insumos disponíveis.

]]>
Banco de notícias Sat, 10 Apr 2021 14:59:17 +0000
Informe Epidemiológico Coronavírus - 10/04/2021 https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14571-informe-epidemiologico-coronavirus-10-04-2021 https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14571-informe-epidemiologico-coronavirus-10-04-2021

Até o momento foram 1.220.638 casos confirmados*. Estão em acompanhamento** 89.723 casos e são 1.103.297 casos recuperados***. Estão confirmados 27.618 óbitos.

*Total de casos confirmados: soma dos casos confirmados, que não evoluíram para óbito e dos óbitos confirmados por covid-19.

**Casos em acompanhamento: casos confirmados de covid-19, que não evoluíram para óbito, cuja condição clínica permanece sendo acompanhada ou aguarda atualização pelos municípios.

***Casos recuperados: casos confirmados de covid-19 que receberam alta hospitalar e/ou cumpriram isolamento domiciliar de 14 dias sem intercorrências.
Óbitos confirmados: óbitos confirmados para covid-19.

Dados parciais, sujeitos a alterações. Atualizado em 10/4/2021. Fonte: COES MINAS/COVID-19/SES-MG.
Considerando que o Ministério da Saúde classificou todo o país como transmissão comunitária, além da necessidade de qualificar as informações sobre a circulação do coronavírus em Minas Gerais, desde 23/3/2020, o Boletim Informativo Diário Covid-19 publica o detalhamento apenas dos casos confirmados.

Clique aqui e acesse o Boletim Epidemiológico.

]]>
Banco de notícias Sat, 10 Apr 2021 10:20:00 +0000
Estado mantém avanço da macro Triângulo do Sul e de três microrregiões para a onda vermelha na próxima segunda (12/4) https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14570-estado-mantem-avanco-da-macro-triangulo-do-sul-e-de-tres-microrregioes-para-a-onda-vermelha-na-proxima-segunda-12-4 https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14570-estado-mantem-avanco-da-macro-triangulo-do-sul-e-de-tres-microrregioes-para-a-onda-vermelha-na-proxima-segunda-12-4

000000000000010-4atualizado- Mapa

O Governo de Minas vai manter a decisão de avançar a macrorregião de Saúde Triângulo do Sul e as microrregiões de São Gotardo, Montes Claros/Bocaiúva/Francisco Sá/Coração de Jesus e Taiobeiras para a onda vermelha do plano Minas Consciente, a partir da próxima segunda-feira (12/4). A decisão foi tomada pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) nesta sexta-feira (9/4), após avaliação de que os indicadores, como taxa de incidência da covid-19 e ocupação de leitos, apresentaram melhora sustentada nas localidades.

A secretaria também aprovou, nesta sexta-feira, o avanço de outras quatro microrregiões: João Pinheiro, Unaí, São Sebastião do Paraíso e Guaxupé. Elas também poderão avançar para a onda vermelha na próxima segunda-feira.

As demais regiões do estado devem seguir, até o dia 18/4, as medidas decretadas na semana passada. Triângulo do Norte permanece na onda vermelha e as outras 12, na roxa.

Na última quarta-feira (7/4), o Comitê Extraordinário Covid-19, grupo que se reúne semanalmente para avaliar a situação da pandemia no estado, indicou o avanço da macrorregião Triângulo do Sul e de três microrregiões, mas a Secretaria de Saúde monitorou a situação para garantir que o cenário positivo se manteria favorável, possibilitando a abertura segura de mais atividades nos municípios.

A Secretaria de Saúde continuará acompanhando os dados para regressão à onda roxa de forma imediata, em caso de necessidade.

Onda vermelha

Nesta fase do Minas Consciente, a onda vermelha permite o funcionamento de todas as atividades, desde que cumpram algumas regras, como distanciamento e limitação máxima de pessoas.

content orientacoes

Devido à melhora da incidência e menor pressão por leitos, a macrorregião Triângulo do Norte e a microrregião de Patos de Minas avançaram para essa fase na semana anterior (31/3) e serão mantidas nesta semana, conforme decisão do Comitê Extraordinário Covid-19 na última quarta-feira (7/4).

A macrorregião Triângulo do Sul e as microrregiões de São Gotardo, Montes Claros/Bocaiúva e Taiobeiras também apresentaram melhora nos indicadores e poderão avançar para a onda vermelha. A decisão foi mantida pela Secretaria de Estado de Saúde nesta sexta-feira (9/4).

Além disso, a secretaria permitiu o avanço das microrregiões João Pinheiro, Unaí, São Sebastião do Paraíso e Guaxupé, também na próxima segunda-feira (12/4).

Todas as outras regiões do estado seguem na onda roxa. A evolução é acompanhada semanalmente pelo Comitê Extraordinário Covid-19.

 

 

]]>
Banco de notícias Fri, 09 Apr 2021 21:39:40 +0000
Justiça determina cumprimento de diretrizes do Minas Consciente em três municípios https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14569-justica-determina-cumprimento-de-diretrizes-do-minas-consciente-em-tres-municipios https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14569-justica-determina-cumprimento-de-diretrizes-do-minas-consciente-em-tres-municipios

A Justiça Estadual deferiu pedido de liminar em ação civil pública ajuizada pela Advocacia-Geral do Estado de Minas Gerais (AGE-MG) para que o município de Santana do Paraíso, no Vale do Aço, cumpra as diretrizes da onda roxa, fase mais restritiva do plano Minas Consciente, sob pena de multa diária de R$ 50 mil.

Em sua decisão, o juiz Luiz Flávio Ferreira alertou que a ocupação dos leitos de UTI adulto para pacientes com covid-19 está bem acima do percentual de 109%. Destacou, ainda, que o número de demandas judiciais ajuizadas naquela comarca para obrigar que o Estado disponibilize leitos para pacientes graves reforça a importância da liminar concedida em favor da AGE-MG.

Coronel Fabriciano

Ainda no Vale do Aço, o município de Coronel Fabriciano também está obrigado a seguir os protocolos da onda roxa. A determinação veio do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Facchin, que acolheu a tese da AGE-MG e indeferiu o pedido de liminar do Executivo municipal. Com isso, também está proibida na cidade, por exemplo, a abertura de serviços não essenciais.

Em sua decisão, o ministro citou que o STF já se manifestou favorável à implementação, pelos Estados, de planos como o Minas Consciente, com base na competência dos entes federados "para estabelecer medidas restritivas, caso entendam necessário, na intenção de conter a pandemia e o contágio do vírus".

São Lourenço

No Sul de Minas, no município de São Lourenço, a fase mais restritiva do plano estadual também deve ser seguida imediatamente, sob pena de multa diária de R$ 100 mil. A Justiça estadual também concordou com a tese da AGE-MG e determinou que, em até 24 horas, o município suspenda o Decreto municipal 8.264. A legislação local autorizava o funcionamento de serviços considerados não essenciais, como barbearias, academias, salões de beleza, manicure, pedicure e similares, e autoescolas.

Segundo o juiz Fernando Antônio Junqueira, o descumprimento, por parte do município de São Lourenço, das medidas restritivas impostas pelo Minas Consciente, "extrapola o princípio constitucional da autonomia administrativa, haja vista que os atos praticados pela administração municipal possui potencial para ocasionar grave lesão à saúde pública dos munícipes locais, como também afetar e ocasionar prejuízos ao combate à pandemia em toda a região do Sul de Minas".

A liminar veio acompanhada da informação de que o percentual de ocupação de leitos na cidade já atingiu 108%, o que reforça a necessidade de medidas restritivas para combater a disseminação do vírus.

]]>
Banco de notícias Fri, 09 Apr 2021 15:24:42 +0000
Mais um registro de esperança: Regional de São João del-Rei distribui a 10ª remessa de vacinas aos municípios https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14568-mais-um-registro-de-esperanca-regional-de-sao-joao-del-rei-distribui-a-10-remessa-de-vacinas-aos-municipios https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14568-mais-um-registro-de-esperanca-regional-de-sao-joao-del-rei-distribui-a-10-remessa-de-vacinas-aos-municipios

Ao todo mais de 60 mil doses de vacinas foram distribuídas, com a adequada segurança e qualidade sanitária, aos 20 municípios que integram a Gerência Regional de Saúde (GRS) de São João del-Rei e mais de dez reuniões virtuais foram realizadas pela Regional para orientações, discussão de normativas e entendimentos na operacionalização da vacinação contra a covid-19 no território.

Nessa última distribuição, estiveram presentes, juntamente com a GRS/São João del-Rei, o prefeito do município de Coronel Xavier Chaves e, também, presidente da Associação dos Municípios da Microrregião do Campo das Vertentes (AMVER), Fúvio Olímpio de Oliveira Pinto; o prefeito de São João del-Rei, Nivaldo José de Andrade; o secretário municipal de saúde de São João del-Rei, José Marcos Ferreira de Andrade e o comandante do 38º Batalhão da Polícia Militar de São João del-Rei, tenente-coronel, Luiz Eduardo Coelho.

Crédito: Antônio Maria Ferreira

A diretora da GRS/São João del-Rei, Edwalda Maria Carvalho de Assumpção, nessa ocasião, registrou que “o rastro de extrema tristeza e cansaço deixado pelo novo Coronavírus na humanidade não nos deixa espaço para celebrações. Porém, como profissionais da saúde, nós não poderíamos deixar de compartilhar a renovação da nossa esperança a cada remessa de vacinas que a Regional distribui aos municípios. É imperioso, também, conclamarmos a cada cidadão: que não esmoreça! Que cumpra a sua parte, se cuide e cuide de quem você ama”, enfatizou a diretora.

]]>
Banco de notícias Fri, 09 Apr 2021 14:59:36 +0000
Força-tarefa da SES-MG faz visita técnica às Regionais de Saúde do estado https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14567-forca-tarefa-da-ses-mg-faz-visita-tecnica-as-regionais-de-saude-do-estado https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14567-forca-tarefa-da-ses-mg-faz-visita-tecnica-as-regionais-de-saude-do-estado

Nessa quarta-feira (7/4), a força-tarefa de enfrentamento da pandemia de covid-19 da Secretaria do Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) esteve nas cidades de Governador Valadares e Frei Inocêncio (Macrorregião Leste) com objetivo de avaliar os fluxos assistenciais e as oportunidades de ampliação da assistência à população. Da SES-MG, integraram a força-tarefa o assessor parlamentar Ibiraty Martins, a assessora Mayla Magalhães, a referência técnica em Coordenação Hospitalar Fabrício Bragança; Nara Lúcia, membro do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde, e Nádia Campos, da Vigilância Sanitária (VISA).

Crédito: Pedro Henrique de Barros Pereira

A visita técnica teve início no Hospital Municipal São Geraldo, em Frei Inocêncio, e depois seguiu aos Hospitais São Vicente, Municipal, Bom Samaritano e Hospital Nossa Senhora das Graças. Ao final da visita, os técnicos da Saúde da SES-MG se reuniram com os gestores municipais e da Saúde local, por videoconferência, abordando o cenário da região, reiterando o compromisso da SES-MG com a saúde e com a vida de todos os mineiros. Da Superintendência Regional de Saúde de Governador Valadares acompanharam a visita, o superintendente Rômulo Gusmão e a coordenadora regional de Atenção à Saúde, Carolina Laviola.

Crédito: Pedro Henrique de Barros Pereira

Força tarefa também em Januária

Têm sido frequentes os deslocamentos dos técnicos da Secretaria de Saúde até as regionais cujo cenário assistencial encontre-se em situação de mais stress. Semana passada (1/4) a cidade de Januária contou com a presença de integrantes do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da SES-MG (Cievs-MG), da Subsecretaria de Políticas e Ações de Saúde (Subpas) e de membros da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (FHEMIG) com a presença dos médicos de terapia intensiva Aline Camille, do Hospital Julia Kubitscheck, e Frederico Carvalho, do Hospital João XXIII para ações de enfrentamento à epidemia de covid-19.

Divulgação SES-MG

O grupo esteve no Hospital Municipal de Januária, percorrendo leitos de enfermaria e de UTI, prestando apoio à assistência farmacológica, aos recursos humanos e também afinando o monitoramento de estoque de gases medicinais essenciais à assistência médico-hospitalar. A análise da força-tarefa identificou a possibilidade de ampliar o atendimento aos pacientes covid-19, em enfermaria, para 4 novos leitos com suporte ventilatório, além de 15 leitos clínicos. “O que vimos em Januária foi uma equipe médica engajada, que presta o melhor atendimento ao paciente, mesmo com todas as dificuldades impostas pelo vírus”, enfatizou o médico Frederico Carvalho.

Para a gerente Regional de Saúde de Januária, Ioná de Carvalho Lisboa, as propostas apresentadas pela força-tarefa da SES-MG foram de extrema relevância para auxiliar a mensurar a qualidade assistencial da saúde na região. “Por meio desta visita técnica foi possível melhorar a compreensão a respeito de pontos que podem ser melhorados para atender à população”, observou Ioná.

Divulgação SES-MG

Ações de enfrentamento

Desde o início da pandemia, o Governo de Minas adotou diversas ações no enfrentamento ao coronavírus. Uma das primeiras ações foi a aquisição de 1.047 respiradores, ao preço médio mais baixo do país. Isso permitiu que o Estado ampliasse de 2.072 para 4.635 leitos de UTI, muitos deles em municípios que nunca haviam contado com unidades de terapia intensiva.

De forma antecipada, Minas garantiu a compra de 50 milhões de seringas agulhadas, mais de 21 milhões de seringas agulhadas já chegaram ao estado; além de 617 câmaras refrigeradas para distribuição aos municípios para o acondicionamento de imunizantes. Mais de 21 milhões de seringas agulhadas já chegaram ao estado.

]]>
Banco de notícias Fri, 09 Apr 2021 14:08:32 +0000
Informe Epidemiológico Coronavírus 09/04/2021 https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14566-informe-epidemiologico-coronavirus-09-04-2021 https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14566-informe-epidemiologico-coronavirus-09-04-2021

Até o momento foram 1.208.529 casos confirmados*. Estão em acompanhamento* 89.591 casos e são 1.091.688 casos recuperados**. Estão confirmados 27.250 óbitos.

*Total de casos confirmados: soma dos casos confirmados, que não evoluíram para óbito e dos óbitos confirmados por covid-19.

**Casos em acompanhamento: casos confirmados de covid-19, que não evoluíram para óbito, cuja condição clínica permanece sendo acompanhada ou aguarda atualização pelos municípios.

***Casos recuperados: casos confirmados de covid-19 que receberam alta hospitalar e/ou cumpriram isolamento domiciliar de 14 dias sem intercorrências.

Óbitos confirmados: óbitos confirmados para covid-19.

Dados parciais, sujeitos a alterações. Atualizado em 9/4/2021. Fonte: COES MINAS/COVID-19/SES-MG.

Considerando que o Ministério da Saúde classificou todo o país como transmissão comunitária, além da necessidade de qualificar as informações sobre a circulação do coronavírus em Minas Gerais, desde 23/3/2020, o Boletim Informativo Diário Covid-19 publica o detalhamento apenas dos casos confirmados.

Clique aqui e acesse o Boletim Epidemiológico.

]]>
Banco de notícias Fri, 09 Apr 2021 09:41:23 +0000
Estado recebe 478.150 doses para dar continuidade à imunização dos mineiros https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14565-maior-campanha-de-vacinacao-da-historia-de-minas-chega-a-12-remessa https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14565-maior-campanha-de-vacinacao-da-historia-de-minas-chega-a-12-remessa

Segue em curso a maior operação de vacinação da história de Minas Gerais com a chegada, nesta quinta-feira (8/4), da 12ª remessa de vacinas contra a covid-19 no estado à Central Estadual de Rede de Frio. O quantitativo é de 478.150 doses - sendo 257.750 da AstraZeneca e 220.400 da Coronavac.

Créditos: Ingrid Vasconcelos

A remessa irá proporcionar a distribuição da segunda dose (D2) relativa ao esquema vacinal dos trabalhadores da saúde (30,7%) e da população de 70 a 74 anos (22%). E, ainda, servirá para a continuidade de aplicação da primeira dose (D1) dos grupos de 65 a 69 anos e dos integrantes das Forças de Segurança e Salvamento.

Doses

O 12º lote de imunizantes para a população mineira veio de caminhão, de São Paulo, diretamente para a Central Estadual da Rede de Frio da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG). As doses serão encaminhadas às 28 Unidades Regionais de Saúde (URSs) do Estado, e, posteriormente, chegarão aos municípios, responsáveis pela execução da campanha de imunização.

Remessas recebidas

1ª remessa
577.480 doses da CoronaVac em 18/1/2021

2ª remessa
190.500 doses de AstraZeneca em 24/1/2021

3ª remessa
87.600 doses da CoronaVac em 25/1/2021

4ª remessa
315.600 doses da CoronaVac em 7/2/2021

5ª remessa
220.000 doses da AstraZeneca e 137.400 doses da CoronaVac em 23/2/2021

6ª remessa
285.200 doses da CoronaVac em 3/3/2021

7ª remessa
303.600 doses da CoronaVac em 9/3/2021

8ª remessa
509.800 doses de CoronaVac em 17/3/2021

9ª remessa
86.750 doses da AstraZeneca e 455.800 doses da CoronaVac em 20/3/2021

10ª remessa
116.600 doses de AstraZeneca e 359.000 doses de CoronaVac em 26/3/2021

11ª remessa
73.250 doses de AstraZeneca e 943.400 doses de CoronaVac em 1/4/2021

12ª remessa
257.750 da AstraZeneca e 220.400 da Coronavac, em 8/4/2021

Total: 5.140.130 doses

 

]]>
Banco de notícias Thu, 08 Apr 2021 20:50:22 +0000
Fhemig abre vagas para médicos em Patos de Minas e Juiz de Fora https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14563-fhemig-abre-vagas-para-medicos-em-patos-de-minas-e-juiz-de-fora https://saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/14563-fhemig-abre-vagas-para-medicos-em-patos-de-minas-e-juiz-de-fora

A Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) está com editais publicados para a contratação imediata e temporária de médicos que atuarão nos leitos de terapia intensiva destinados a pacientes com sintomas de covid-19. As vagas são para o Hospital Regional Antônio Dias (HRAD), em Patos de Minas, e para o Hospital Regional João Penido (HRJP), em Juiz de Fora.

O chamamento emergencial para o HRAD oferece vagas para médicos generalistas, sendo 11 para 12 horas semanais (R$ 3.500) ou 5 para 24 horas (R$ 7 mil). Há também vagas para médicos especialistas, preferencialmente nas áreas de Infectologia, Terapia Intensiva ou Clínica Médica, sendo 11 para 12 horas semanais (R$ 4.595) ou 5 para 24 horas (R$ 9 mil). As inscrições terminam no dia 11 de abril, outros detalhes no edital: https://bit.ly/39Tquy1

O prazo das inscrições para o chamamento emergencial no HRJP termina amanhã, dia 9 de abril. São 4 vagas para médicos generalistas (12 horas semanais, R$ 3.500) e 4 vagas para médicos especialistas, sendo 2 para 12 horas semanais (R$ 4.595) e 2 para 24 horas semanais (R$ 9 mil). É aceita qualquer especialista desde que comprove experiência em atendimento de Urgência e Emergência. Outras informações, clique aqui.

]]>
Banco de notícias Thu, 08 Apr 2021 15:24:48 +0000