banner 1

O tabagismo é uma doença causada pela dependência física à nicotina, e causa aproximadamente 50 doenças diferentes. O tabagismo ativo ou passivo prejudica a saúde de quem fuma e de quem não fuma, podendo levar a morte.

O cultivo, a fabricação e o uso do tabaco poluem água, solo, praias e cidades com a utilização de produtos químicos, resíduos tóxicos, pontas de cigarro, incluindo microplásticos e resíduos de cigarro eletrônico.

O tabagismo prejudica a saúde de quem fuma, daqueles que estão involuntariamente expostos à fumaça e até mesmo de quem cultiva tabaco, onde é utilizado grandes quantidades de agrotóxicos, também importante fator de risco para o câncer e outras doenças.

A fumaça do tabaco contribui para níveis mais altos de poluição do ar e contém três tipos de gases de efeito estufa. O tabaco mata mais de 8 milhões de pessoas todos os anos e destrói nosso meio ambiente, prejudicando ainda mais a saúde humana, por meio do cultivo, produção, distribuição, consumo e resíduos pós-consumo. O tabaco e seus produtos derivados não combinam com a saúde do planeta. Nem com a sua!

Crianças, adolescentes e jovens têm contato cada vez mais precocemente com fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis (DNCT), especialmente o tabagismo.

Esse público encontra na fase de formação da consciência crítica, da construção da autoestima, da incorporação de comportamentos que os acompanharão por toda a vida adulta. Quanto mais precoce a iniciação do consumo maiores são as chances de adoecimento por DCNT na vida adulta, necessitando assim de realização de atividades de prevenção direcionadas ao público jovem. É importante, portanto, conscientizar o público sobre as questões relacionadas ao controle do tabaco assegurando o direito à saúde a todos. Promover e incentivar a adoção de estratégias efetivas de prevenção da iniciação e promoção da saúde devem configurar um compromisso assumido por profissionais da saúde, da educação e por toda a sociedade.

A iniciação precoce ao fumo é também uma "porta de entrada" para o uso de outras substâncias, tais como álcool e drogas ilícitas: adolescentes fumantes, quando comparados aos não fumantes, consomem três vezes mais álcool, usam 8 vezes mais maconha, 22 vezes mais cocaína” (WHO, 2011). Por todos esses motivos, a Organização Mundial da Saúde (OMS) considera o tabagismo uma doença pediátrica, sendo a maior vulnerabilidade do adolescente à nicotina relacionada ao fato de o seu cérebro não estar ainda completamente desenvolvido.

Com o crescimento do número de fumantes que vêm abandonando o cigarro, devido aos riscos à saúde, a indústria do tabaco tem investido em novas formas de atrair novos consumidores, e o público jovem é o alvo preferido. O percentual de escolares em Minas Gerais que usaram outros produtos de tabaco (cigarro de palha ou enrolados a mão, charuto, cachimbo, cigarrilha, cigarro indiano ou bali, rapé, fumo de mascar, etc.) correspondem a 10,4%, sendo no Brasil, 9,3% (PENSE, 2019).

Considerando que o ambiente faz parte do amplo conceito de saúde, as ações de promoção da saúde na escola contemplam a promoção da saúde ambiental e o desenvolvimento sustentável, por meio da realização de atividades de sensibilização, responsabilização e intervenção do cuidado consigo, com a coletividade e com o ambiente escolar. Para o alcance da produção de saúde e educação integral, é preciso uma compreensão mais ampla dos fatores importantes para o desenvolvimento dessa produção, tais como os Determinantes Sociais da Saúde (DSS).

Dispositivos eletrônicos para fumar (DEF) são aparelhos que funcionam com uma bateria e têm diferentes formas e mecanismos. Podem ter, por exemplo, o formato de cigarros, canetas e pen drives. Os DEFs oferecem muitos riscos à saúde, como dependência, doenças respiratórias, cardiovasculares e câncer. Além disso, o descarte dos DEFs, de suas baterias e recipientes plásticos permanecem muitos anos na natureza.

Novos produtos, velhos problemas: Esses novos produtos trazem os velhos problemas de sempre, é uma tecnologia que vicia e mata. Os DEFs / cigarros eletrônicos aumentam o risco de infarto agudo do miocárdio e de doenças respiratórias e pulmonares, como a asma. Além disso, estes produtos possuem em sua composição, substâncias reconhecidamente cancerígenas. Por conter nicotina, que é uma substância que causa dependência, e estimula que o indivíduo consuma mais cigarros, sejam eles eletrônicos ou convencionais. Os DEFs podem causar doenças, o contato com a nicotina líquida pode causar intoxicação aguda, principalmente em crianças, e as baterias podem explodir.

Conscientize-se de que deseja parar de fumar porque o cigarro faz mal à sua saúde e a saúde das pessoas com as quais você convive. Reduza o consumo de cigarros, durante uma semana, observando aqueles que você pode eliminar de imediato, como o cigarro após o café, assistindo televisão, ou antes de dormir.

Marque um dia para parar de fumar definitivamente, mas antes compre água, cravo, canela em pau, cristal de gengibre e cenoura. No dia marcado, jogue fora seu cigarro, cinzeiro e o isqueiro. Cada vez que tiver vontade de fumar, tome um ou dois copos de água gelada, e use o cravo, a canela, o gengibre e a cenoura para mastigar nos momentos difíceis.

Faça exercício de respiração profunda: inspire profundamente, segure, contando até cinco, solte o ar pela boca semiaberta lentamente. Faça isso cinco vezes seguidas. Escove os dentes logo após as refeições para bloquear a vontade de fumar. Enfrente cada dia como se fosse o primeiro e siga em frente!

Síndrome da Abstinência

Algumas pessoas, ao pararem de fumar, sentem os efeitos da Síndrome de Abstinência, que inclui dor de cabeça, tremor, sensação de formigamento nas extremidades, aumento de ansiedade, aumento de apetite, irritabilidade, sensação de tristeza e perda, sensação de estar mais lento e menos concentrado. Veja o que fazer em cada situação:

  • Vontade de fumar: Distraia-se, respire fundo e lembre que a vontade passa em 5 minutos.
  • Irritabilidade: Faça exercício de respiração e relaxamento, imagine uma paisagem agradável e viaje. Tome um banho quente.
  • Insônia: Relaxe lendo um livro, tome um banho morno, beba um copo de leite morno. Evite bebidas com cafeína após meio-dia. Caminhe um pouco antes de se deitar. Use roupas confortáveis para dormir. Escureça o ambiente e mantenha-o ventilado. Não faça atividades estimulantes antes de dormir.
  • Aumento de apetite: Prepare um kit de sobrevivência com vegetais picados, frutas e chicletes sem açúcar. Beba água e líquidos (de baixa caloria). Inicie ou intensifique a atividade física.
  • Dificuldade para se concentrar: Simplifique sua agenda por alguns dias. Dê uma caminhada curta, saia um pouco. Beba água e líquidos. Descanse.
  • Fadiga: Procure ter uma boa noite de sono, dormindo o suficiente a cada noite. Tire um cochilo ao longo do dia. Não exija muito de você por duas ou quatro semanas.
  • Constipação, gases, dor de barriga: Beba muito líquido, acrescente fibras a sua dieta como: frutas, vegetais crus, cereais integrais e mude sua dieta aos poucos. Consulte seu médico ou nutricionista. 

Pratique atividade física:

A atividade física é a melhor forma, em curto prazo, de desviar o desejo pela nicotina. Quando vier o desejo de fumar, levante-se e comece a se exercitar. Cinco minutos de atividade física de intensidade moderada, como subir e descer alguns lances de escadas, caminhar pelo quarteirão, fazer yoga, entre outras, aliviam o desejo pelo cigarro e os sintomas da abstinência também. Se você puder, faça exercícios durante 45 minutos, pois além de melhorar sua frequência cardíaca, ajudará o seu organismo a reconhecer os benefícios físicos de parar de fumar - como o aumento da função pulmonar - que consequentemente melhorará sua respiração quando você estiver se exercitando.

Benefícios adquiridos ao se parar de fumar:

  • Após 20 minutos - A pressão sanguínea e a pulsação voltam ao normal.
  • Após 2 horas - Não há mais nicotina circulando no seu sangue.
  • Após 8 horas - O nível de oxigênio no sangue se normaliza.
  • Após 12 a 24 horas - Seus pulmões já funcionam melhor.
  • Após 2 dias - Seu olfato já percebe melhor os cheiros, e seu paladar já degusta melhor a comida.
  • Após 3 semanas - Você vai notar que sua respiração se torna mais fácil, e a circulação melhora.
  • Após 1 ano - O risco de morte por infarto do miocárdio já foi reduzido pela metade.
  • Após 5 a 10 anos - O risco de sofrer infarto será igual ao das pessoas que nunca fumaram.

Aumenta a capacidade física e a energia corporal.

Tenha hábitos saudáveis de vida, procure mudar sua rotina, faça atividade física, caminhadas em lugares agradáveis, pratique algum esporte que o agrade, vá ao cinema, leia, ouça música, converse com amigos. Assim você irá preencher seu tempo com algo que realmente goste de fazer. Essas estratégias ajudam a parar de fumar.

E se recair?

Se recair não se desespere! Muitos ex-fumantes tentaram parar entre 5 a 7 vezes antes de obterem sucesso. Você deve procurar marcar uma nova data para deixar de fumar e levar o tratamento à sério, prevenindo novas recaídas. Com planejamento, você conseguirá novamente, é questão de tempo!

Caso não consiga parar de fumar sozinho, procure ajuda!

O SUS oferece tratamento para tabagismo em mais de 600 municípios de Minas Gerais, através do Programa Nacional de Controle do Tabagismo, com profissionais de saúde qualificados. O tratamento das pessoas tabagistas é ofertado prioritariamente nas Unidades Básicas de Saúde (UBS). O usuário que demonstre interesse em parar de fumar deverá entrar em contato com a Secretaria de Saúde da sua cidade para ser informado os locais do SUS que estão ofertando o tratamento do tabagismo.

Dessa forma, o usuário tabagista será recebido pela sua equipe de saúde, será avaliado quanto às principais doenças e fatores de risco relacionados ao tabagismo, história tabagista, bem como o grau de dependência ao cigarro e seu estágio de motivação para a cessação do tabagismo.

O modelo de tratamento é baseado em uma abordagem cognitivo-comportamental do fumante. Consiste inicialmente de 4 sessões (encontros), semanalmente, e após essas, são promovidos encontros mais espaçados, até completar de 6 a 12 meses de tratamento. O tratamento tem como finalidade trabalhar com os fumantes os riscos de fumar e os benefícios de se parar de fumar, fornecer informações necessárias para que ele possa lidar com a síndrome da abstinência, dependência psicológica e os condicionamentos associados ao ato de fumar, além de apoiá-lo nesse processo. Para mais informações, disque 136.

» Clique aqui e confira a listagem dos Serviços de Tratamento do Tabagismo em Minas Gerais, segundo o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde; maio de 2017.

Enviar para impressão