Com acidentes escorpiônicos e botrópicos frequentes em todos os períodos do ano, e devido à aproximação do período de férias e, consequentemente, maior visitação de cachoeiras e outros pontos turísticos da região, a equipe da Superintendência Regional de Saúde (SRS) de Manhuaçu realizou na segunda-feira (22/11), reunião com coordenadores de Epidemiologia dos 23 municípios da microrregião de Saúde de Manhuaçu e 11 municípios da microrregião de Carangola.

Crédito: Antonio Rodrigues

Na ocasião, o coordenador de Vigilância Epidemiológica da SRS, Ernesto Grillo, trouxe esclarecimentos sobre os cuidados que devem ser repassados à população para buscar minimizar os riscos de acidentes.  “Já temos um histórico de uma maior incidência deste aracnídeo nessa época do ano, da mesma forma que há o aumento do número de acidentes com cobras no período da colheita do café em nosso território. A equipe técnica da Superintendência Regional de Saúde está atenta a essa situação e por isso estamos trabalhando na orientação dos coordenadores para que saibam conduzir em casos de acidentes e também orientar a população quanto aos cuidados que devem ser adotados para evitar a proliferação de escorpiões”, explicou Ernesto. 

O coordenador destacou, ainda, que ações rotineiras como limpeza de quintais, entulhos e lugares que podem beneficiar a proliferação dos escorpiões reduz a possibilidade de infestação e acidentes. “É muito importante os agentes de endemias estarem atentos a esses locais e com a participação da comunidade buscar reduzir os riscos”, destacou. 

Inseticida e soro antiveneno 
Grillo esclareceu, também, que alguns municípios estão buscando orientações quanto ao uso e aplicação de inseticida para combater os escorpiões. De acordo com o coordenador, esse método pode não ser o mais eficaz, tendo em vista que os escorpiões preferem as frestas das pedras, barrancos, paredes e muros mal rebocados, madeira empilhada, entulhos e outros locais de difícil acesso para eficácia do inseticida.

O superintendente regional de Saúde de Manhuaçu, Juliano Estanislau Lacerda, reforça que as medidas de prevenção são muito importantes, sobretudo nos casos de crianças e idosos, que mesmo com o tratamento oportuno podem ter agravamento e até mesmo virem a óbito. “Nossa rede de assistência aos pacientes vítimas de animais peçonhentos conta com três centros de administração e distribuição de soros antivenenosa localizados em Manhuaçu, Ipanema e Carangola. Estes centros estão estrategicamente localizados em unidades hospitalares com funcionamento 24 horas para atendimento aos pacientes dos nossos 34 municípios”, explicou o superintendente, lembrando que referências técnicas municipais foram capacitadas e conhecem todo o fluxo para realização do tratamento adequado. 

Por Antonio Rodrigues

Enviar para impressão