Pensar saúde é pensar qualidade de vida. Uma relação que é construída através da harmonia entre os indivíduos, os ambientes e os modos de viver. Esta é a proposta do site #VidaSaudável, um espaço criado para que o cidadão possa ter acesso às informações relacionadas à promoção da saúde.

Diante disso, surge uma pergunta: como está a sua saúde? Você se alimenta corretamente e com qual frequencia? Pratica atividades físicas de forma regular? Se você ficou em dúvida para responder estas perguntas, não se desespere. Que tal propor uma vida mais saudável? Comer bem e se exercitar, é só começar! Esta é a proposta da nova campanha da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG).

Neste espaço, unimos os conceitos de atividade física, segurança alimentar e nutricional, focando nas atividades de vida diária, o lazer com a família e a alimentação saudável. A ideia é mobilizar mais pessoas para uma vida mais saudável e, desse modo, incentivarmos a população a utilizar os equipamentos públicos disponíveis em sua cidade, como praças, parques, ciclovias, áreas de caminhada e academias públicas ao ar livre.

» Clique na galeria de imagens abaixo, salve as imagens e compartilhe nas redes sociais:

As doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) encontram-se dentre os maiores problemas de saúde pública da atualidade. Em Minas Gerais, estima-se que, em 2010, elas tenham sido responsáveis, por 52% do total de mortes, com destaque para as doenças do aparelho circulatório, neoplasias, doenças do aparelho circulatório, diabetes mellitus, doença pulmonar obstrutiva crônica, insuficiência renal crônica e doenças relacionadas ao consumo de álcool.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), um pequeno conjunto de fatores de risco responde pela grande maioria das mortes por DCNT. Dentre esses fatores destacam-se o tabagismo, o consumo excessivo de bebidas alcoólicas, dietas inadequadas e a inatividade física. Através da Pesquisa Nacional de Saúde em 2013, o IBGE, demonstrou que entre os adultos brasileiros, 46% não praticavam atividade física em nível suficiente no lazer, trabalho, afazeres domésticos e nos seus deslocamentos diários.

A OMS recomenda que os indivíduos adotem níveis adequados de atividade física durante toda a vida. A prática regular de 30 minutos de atividade física de intensidade moderada, preferencialmente todos os dias, reduz o risco de doenças cardiovasculares. Análise de estudos epidemiológicos prospectivos demonstrou que tanto o estilo de vida ativo como um condicionamento aeróbico moderado pode ser associado, de forma independente, à diminuição do risco de incidência de Doenças Crônicas Não Transmissíveis, da mortalidade geral e por doenças cardiovasculares. O treinamento de resistência muscular e equilíbrio, por sua vez, é capaz de reduzir quedas e aumentar a capacidade funcional nos idosos.

Dentre os benefícios que encontrados ao se realizar atividade física de forma regular, destacam-se: a melhora da autoestima, redução do isolamento social, alívio do estresse, diminuição da depressão, melhora da resistência física, melhora da autoimagem, aumento do bem estar físico e mental, melhora da função pulmonar dentre outros.



A atividade física é definida como qualquer movimento corporal, produzidos pelos músculos esqueléticos, que resultem em gasto energético maior que os níveis de repouso. Já o exercício físico representa uma das formas de atividade física, planejada, sistemática e repetitiva. Para a manutenção da saúde e qualidade de vida, o ideal é que todo cidadão realize, pelo menos, 30 minutos de atividade física, 5 dias da semana de intensidade moderada, de forma contínua ou acumulada, divididos em sessões de 10 ou 15 minutos.

Tipos de atividade física:

O treinamento ou condicionamento físico é compreendido como a repetição de exercícios, durante períodos de semanas ou meses, com a finalidade de melhorar a aptidão física. Esse tipo de atividade aumenta gasto calórico e melhora a circulação sanguínea.

As atividades aeróbicas são um tipo de atividade que caracterizam-se pela movimentação de grandes grupos musculares de maneira rítmica. São responsáveis por proporcionar mais energia e contribuir para o funcionamento do sistema respiratório e cardiovascular.

As atividades de força produzem contrações musculares e tem como principais benefícios o aumento da massa muscular e óssea e redução da gordura corporal. A prática da musculação é a mais comum.

As atividades de flexibilidade são importantes para alongar a musculatura, reduzir tensões musculares, melhorar a postura corporal, diminuir os riscos de lesão, facilitar os movimentos nas atividades diárias. O simples ato de espreguiçar é uma forma de melhorar a flexibilidade.

As atividades de equilíbrio são muito importantes para os idosos, uma vez que eles apresentam um risco maior de sofrer quedas.

As atividades de lazer são aquelas atividades físicas praticadas durante o tempo livre. Esportes, andar de bicicleta, jogar bola, passear, nadar e dançar são alguns bons exemplos.

» Clique aqui e confira um texto sobre os riscos à saúde do uso de anabolizantes.

A ginástica laboral é o exercício físico orientado e praticado durante o horário do expediente, visando beneficio pessoais no trabalho, e tem por objetivo minimizar os impactos negativos oriundos do sedentarismo na vida e na saúde do trabalhador. Além da ginástica laboral, outras atividades podem ser realizadas no ambiente do trabalho para manter-se ativo, tais como: subir e descer escadas ou caminhar até o trabalho.

Ações como subir dois ou mais andares de escada, realizar deslocamentos caminhando para visitar os amigos ou ir para o escritório, participar de atividades lúdicas, escolher a bicicleta para o trajeto até a padaria, entre outros, são alternativas de atividade física e trazem um efeito cardioprotetor para o indivíduo, pois contribui para a redução de peso, da massa de gordura e para o controle da pressão arterial.

Confira alguns exemplos de atividade física que podem ser realizadas no dia a dia:

  • Caminhar;
  • Substituir o elevador pela escada;
  • Substituir o carro ou o transporte público pela bicicleta;
  • Fazer compras do dia-dia;
  • Limpar o carro;
  • Passear com o cachorro;
  • Brincar ao ar livre com os filhos, netos ou sobrinhos;
  • Cuidar do quintal, horta ou jardim;
  • Realizar atividades domésticas, como lavar roupa ou limpar a casa.


Entende‐se por alimentação adequada e saudável a prática alimentar apropriada aos aspectos biológicos e socioculturais dos indivíduos, bem como ao uso sustentável do meio ambiente. Ou seja, ela deve estar em acordo com as necessidades de cada fase do curso da vida e com as necessidades alimentares especiais; acessível do ponto de vista físico e financeiro; harmônica em quantidade e qualidade; baseada em práticas produtivas adequadas e sustentáveis; livre de contaminantes físicos, químicos, biológicos e de organismos geneticamente modificados.

A Promoção da Alimentação Adequada e Saudável (PAAS) é uma das vertentes da Promoção à Saúde. Ela pode ser compreendida como um conjunto de estratégias que proporcionem aos indivíduos e coletividades a realização de práticas alimentares apropriadas aos seus aspectos biológicos e socioculturais, bem como ao uso sustentável do meio ambiente.

Nesse contexto, a PAAS objetiva a melhora da qualidade de vida da população, por meio de ações intersetoriais, voltadas ao coletivo, aos indivíduos e aos ambientes (físico, social, político, econômico e cultural), de caráter amplo e que possam responder às necessidades de saúde da população, contribuindo para a redução da prevalência do sobrepeso e obesidade e das doenças crônicas associadas e outras relacionadas à alimentação e nutrição.

Dessa forma, escolher o que você come é escolher uma vida saudável. Hoje em dia é muito fácil ir ao supermercado e comprar refrigerantes, biscoitos ou enlatados. Mas será que isso faz bem à saúde? O melhor mesmo é escolher água, leite e frutas no lugar de refrigerantes, preferir a comida feita na hora e as sobremesas caseiras, dispensando as industrializadas. Veja os alimentos que fazem bem e os que fazem mal para a sua saúde:

Óleos, gorduras, sal e açúcar: tem que saber usar

Se você quer levar uma vida saudável, saiba que não devemos abusar do uso de óleo, banha, manteiga, margarina, sal e açúcar. Se usados corretamente e na dose certa, esses alimentos deixam a comida mais gostosa e temperada. Mas cuidado! Ingerir esses alimentos em grande quantidade pode ser muito perigoso para o coração e para a pressão arterial.

Alimentos processados: consuma com moderação.

Os alimentos processados são fabricados pelas indústrias com adição de sal, açúcar ou vinagre para que eles durem por mais tempo. Conservas de legumes, doces em calda, carnes temperadas, sardinha e atum em lata, azeitonas, queijos e pães são alguns exemplos desses alimentos.

Alimentos ultraprocessados: fuja deles!

Os alimentos ultraprocessados, que são fabricados pelas grandes indústrias, são os vilões da boa alimentação.Normalmente levam conservantes químicos, sal, açúcar e gorduras. Alguns exemplos desses alimentos são biscoitos, balas, sorvetes, macarrão instantâneo, pizzas, hambúrgueres congelados, salsichas, refrigerantes, empanados, salgadinhos de pacote e refrescos. Como são desbalanceados e pobres em nutrientes, evite ao máximo o consumo desses alimentos. Sua saúde agradece!

A Segurança Alimentar e Nutricional (SAN) Sustentável envolve a garantia do acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, com base em práticas alimentares saudáveis, que respeitem a diversidade cultural e que sejam social, econômica e ambientalmente sustentáveis, sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais. O direito humano fundamental à alimentação adequada, objetivo primordial da Política Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável, é direito absoluto, intransmissível, indisponível, irrenunciável, imprescritível e de natureza extrapatrimonial.

O aumento da demanda por alimentos impulsionou avanços no conhecimento e no desenvolvimento de tecnologias de produção agrícola, o que resultou em um intensivo uso de agrotóxicos nas lavouras, para eliminar pragas e vetores e aumentar a produtividade. Essas substâncias, entretanto, podem causar danos graves à saúde humana e ambiental quando utilizados sem as devidas medidas de proteção e controle.

O uso de agrotóxicos é um importante fator de risco para a saúde da população e, especialmente, do trabalhador do campo. Além dos malefícios causados pelos resíduos que ficam nos alimentos, os agrotóxicos provocam danos à saúde de quem tem contato direto com o produto ou materiais contaminados durante o processo produtivo. O principal efeito do agrotóxico sobre a saúde é a intoxicação, que pode ser a curto ou a longo prazo, dependendo da exposição.

A produção sustentável de alimentos deve, portanto, realizar-se com o menor impacto possível à saúde ambiental, do trabalhador e dos consumidores dos produtos agrícolas. Iniciativas agroecológicas e de produção orgânica sustentável estão sendo implementadas em todo o país e, especialmente, no Estado de Minas Gerais. Diversas ações de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos têm sido desenvolvidas em parceria com a Agricultura com o objetivo de oferecer alimentos mais seguros, com o menor risco possível para a saúde dos trabalhadores da agricultura e para a saúde da população, de forma sustentável.