Início | Agroecologia | Alimentação | Atividades Culturais  | Atividade Física | Tabagismo | Promoção da Saúde

A Diretoria de Promoção à Saúde convida aos profissionais de saúde e gestores municipais a promoverem a comemoração do Dia Nacional de Combate ao Fumo durante todo mês de Agosto, especialmente no dia 29 de agosto, junto à comunidade.

O tabagismo é considerado uma doença pediátrica, pois 80% dos fumantes começam a fumar antes dos 18 anos, por volta dos 13 a 15 anos. Dessa forma, o processo de prevenção da iniciação deve-se iniciar antes desta idade, entre o 6° e 7° ano de escolaridade. Em Minas Gerais, a prevalência de tabagismo é de 17,8%, acima da média nacional, de 14,7%. No Estado, observa-se um alto consumo de cigarro de palha - principalmente entre o público universitário, além do consumo de cigarro eletrônico nas escolas, e do narguilé em eventos.

Diante disso, visando prevenir a iniciação e a experimentação precoce do uso de cigarro de palha, narguilé e cigarros eletrônicos - tão populares entre o público de adolescentes e jovens adultos - destacamos a importância de mobilizá-los e sensibilizá-los quanto aos malefícios causados pelo tabaco.

Material da Campanha:

[em breve]

Material de apoio:

Nota Técnica no 23/SES/SUBPAS-SAPS-DPS/2019 : Dia Nacional de Combate ao Fumo 2019
Manual de Orientações "Tabaco ou Saúde: O uso do narguilé"

O tabagismo é uma doença causada pela dependência física à nicotina, e causa aproximadamente 50 doenças diferentes. O tabagismo ativo ou passivo prejudica a saúde de quem fuma e de quem não fuma, podendo levar a morte.

Qualquer tipo de exposição ao tabaco contribui para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, cânceres e doenças respiratórias crônicas. Entre as doenças causadas pelo tabagismo estão a trombose, aterosclerose, doença arterial coronariana, IAM, o acidente vascular encefálico, DPOC, enfisema pulmonar, tuberculose, câncer de pulmão.

Fique ligado(a)! Você sabe a verdade por trás desses produtos derivados do tabaco? Então, conheça os seus malefícios para à saúde:

Narguilé

Trata-se de um produto no qual é utilizado um tipo especial de tabaco que é umedecido e aquecido, a fumaça gerada passa por um filtro de água antes de ser aspirada pelo fumante, por meio de uma longa mangueira. No Brasil, o produto é muito utilizado pelo público jovem, que têm a falsa ideia de que não causam mal à saúde.

Crédito: Karina Zambrana | Portal Saúde Brasil

Segundo a OMS (2005) uma sessão de narguilé que dura em média de 20 a 80 minutos, é correspondente a 100 cigarros fumados, causando dependência. Mas, quais são os efeitos nocivos: Confira:

  • Compartilha o mesmo bocal, propiciando a propagação de doenças transmissíveis, como resfriados, infecções respiratórias, tuberculose, hepatite e herpes;
  • A pessoa que faz uso de narguilé tem muito mais chances de desenvolver câncer de pulmão e doenças respiratórias;
  • Em uma hora de fumo com narguilé um fumante pode inalar de 100 a 200 vezes a mais o volume de fumaça de um único cigarro;
  • O uso do narguilé assim como os demais produtos derivados do tabaco é proibido em locais públicos, privados ou recintos coletivos, fechados ou parcialmente fechados, segundo a Lei 12.546/11 – regulamentada pelo Decreto 8.262/2014. Em caso de descumprimento acione o Disque Saúde (136).

» Nota técnica MS: Uso de narguilé - efeitos sobre a saúde, necessidades de pesquisa e ações recomendadas para legisladores

» Narguilé - O que sabemos

Cigarro de Palha

Muito utilizado pelos jovens, principalmente universitários, com a falsa ideia de ser um produto artesanal, o cigarro de palha faz mal à saúde assim como os cigarros tradicionais. A palha não permite a passagem de ar, não possui filtro, tornando as tragadas mais intensas e mais concentradas de substancias toxicas. O cigarro de palha, tem cinco a sete vezes mais nicotina e alcatrão que os cigarros de papel. A nicotina é responsável leva à dependência e o alcatrão é principal causador do câncer de pulmão. Não é natural e não causa menos mal à saúde!

Crédito: Ana Branco | Agência O Globo

Cigarro Eletrônico

Parecido com um pen drive, uma caneta eletrônica e recarregável, os cigarros eletrônicos são um dispositivo que converte em vapor a nicotina líquida. Alimentado por bateria de lítio, possui cartucho ou refil que armazena a nicotina líquida (cuja quantidade ainda não é regulamentada) mais aditivos e aromatizantes. Além de possuir substâncias nocivas à saúde, apresenta risco de explosão e vazamento dos cartuchos.

Crédito: OMS

O cigarro eletrônico vem sendo largamente vendido como uma forma de deixar a dependência para trás, enganando muitas pessoas. Possui substâncias nocivas no vapor, sendo citotóxicas, carcinogênicas, irritantes, causadoras de enfisema pulmonar e de dermatite. Além disso os cartuchos podem conter de 0 a 36mg de nicotina por mililitro, sendo no cigarro normal permitido apenas 1mg de nicotina por mililitro (INCA,2016), substância responsável pela dependência. O cigarro eletrônico não auxilia a ajudar parar de fumar. O comércio e a venda no Brasil são proibidos desde 2009 pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

» Cigarros eletrônicos: o que sabemos? Estudo sobre a composição do vapor e danos à saúde, o papel na redução de danos e no tratamento da dependência de nicotina

A redução do consumo de tabaco no Brasil é consequência dos avanços das políticas públicas de saúde voltadas para o controle do tabagismo. A Política Nacional de Controle do Tabaco, orientada para o cumprimento de medidas e diretrizes de controle do tabagismo pelo país, tem o objetivo de proteger as gerações presentes e futuras das devastadoras consequências sanitárias, sociais, ambientais e econômicas geradas pelo consumo e pela exposição à fumaça do tabaco. É o primeiro tratado internacional de saúde pública da história da Organização Mundial da Saúde.

» Conheça: Decreto 5.658, de 2 de janeiro de 2006

Outro marco importante do Ministério da Saúde/INCA é a implantação do Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT), que oferece gratuitamente o tratamento ao tabagismo nos serviços de saúde capacitados; realiza ações de promoção à saúde e prevenção do Tabagismo, como campanhas educativas para conscientização do público sobre os riscos relacionado ao uso de tabaco; além de contribuir para medidas legislativas e econômicas.

» Conheça: Portaria 571 e Portaria 761

Entre outras ações importantes no controle do tabagismo destaca-se a criação da Lei Nacional Antifumo, que aumenta os impostos e proíbe o consumo de produtos derivados do tabaco em locais de uso coletivo, públicos ou privados de todo o país; a fiscalização dos comércios para redução do mercado ilegal como forma de combate ao mercado ilícito do tabaco; a proibição da propaganda, patrocínio ou promoção de tabaco, e a inserção de advertências nos maços de cigarros e em locais de venda informando os perigos que o consumo do tabaco gera a saúde.

Materiais de apoio:

Conscientize-se de que deseja parar de fumar porque o cigarro faz mal à sua saúde e a saúde das pessoas com as quais você convive. Reduza o consumo de cigarros, durante uma semana, observando aqueles que você pode eliminar de imediato, como o cigarro após o café, assistindo televisão, ou antes de dormir.

Marque um dia para parar de fumar definitivamente, mas antes compre água, cravo, canela em pau, cristal de gengibre e cenoura. No dia marcado, jogue fora seu cigarro, cinzeiro e o isqueiro. Cada vez que tiver vontade de fumar, tome um ou dois copos de água gelada, e use o cravo, a canela, o gengibre e a cenoura para mastigar nos momentos difíceis.

Faça exercício de respiração profunda: inspire profundamente, segure, contando até cinco, solte o ar pela boca semiaberta lentamente. Faça isso cinco vezes seguidas. Escove os dentes logo após as refeições para bloquear a vontade de fumar. Enfrente cada dia como se fosse o primeiro e siga em frente!

Síndrome da Abstinência

Algumas pessoas, ao pararem de fumar, sentem os efeitos da Síndrome de Abstinência, que inclui dor de cabeça, tremor, sensação de formigamento nas extremidades, aumento de ansiedade, aumento de apetite, irritabilidade, sensação de tristeza e perda, sensação de estar mais lento e menos concentrado. Veja o que fazer em cada situação:

  • Vontade de fumar: Distraia-se, respire fundo e lembre que a vontade passa em 5 minutos.
  • Irritabilidade: Faça exercício de respiração e relaxamento, imagine uma paisagem agradável e viaje. Tome um banho quente.
  • Insônia: Relaxe lendo um livro, tome um banho morno, beba um copo de leite morno. Evite bebidas com cafeína após meio-dia. Caminhe um pouco antes de se deitar. Use roupas confortáveis para dormir. Escureça o ambiente e mantenha-o ventilado. Não faça atividades estimulantes antes de dormir.
  • Aumento de apetite: Prepare um kit de sobrevivência com vegetais picados, frutas e chicletes sem açúcar. Beba água e líquidos (de baixa caloria). Inicie ou intensifique a atividade física.
  • Dificuldade para se concentrar: Simplifique sua agenda por alguns dias. Dê uma caminhada curta, saia um pouco. Beba água e líquidos. Descanse.
  • Fadiga: Procure ter uma boa noite de sono, dormindo o suficiente a cada noite. Tire um cochilo ao longo do dia. Não exija muito de você por duas ou quatro semanas.
  • Constipação, gases, dor de barriga: Beba muito líquido, acrescente fibras a sua dieta como: frutas, vegetais crus, cereais integrais e mude sua dieta aos poucos. Consulte seu médico ou nutricionista. 

Pratique atividade física:

A atividade física é a melhor forma, em curto prazo, de desviar o desejo pela nicotina. Quando vier o desejo de fumar, levante-se e comece a se exercitar. Cinco minutos de atividade física de intensidade moderada, como subir e descer alguns lances de escadas, caminhar pelo quarteirão, fazer yoga, entre outras, aliviam o desejo pelo cigarro e os sintomas da abstinência também. Se você puder, faça exercícios durante 45 minutos, pois além de melhorar sua frequência cardíaca, ajudará o seu organismo a reconhecer os benefícios físicos de parar de fumar - como o aumento da função pulmonar - que consequentemente melhorará sua respiração quando você estiver se exercitando.

Benefícios adquiridos ao se parar de fumar:

  • Após 20 minutos - A pressão sanguínea e a pulsação voltam ao normal.
  • Após 2 horas - Não há mais nicotina circulando no seu sangue.
  • Após 8 horas - O nível de oxigênio no sangue se normaliza.
  • Após 12 a 24 horas - Seus pulmões já funcionam melhor.
  • Após 2 dias - Seu olfato já percebe melhor os cheiros, e seu paladar já degusta melhor a comida.
  • Após 3 semanas - Você vai notar que sua respiração se torna mais fácil, e a circulação melhora.
  • Após 1 ano - O risco de morte por infarto do miocárdio já foi reduzido pela metade.
  • Após 5 a 10 anos - O risco de sofrer infarto será igual ao das pessoas que nunca fumaram.

Aumenta a capacidade física e a energia corporal.

Tenha hábitos saudáveis de vida, procure mudar sua rotina, faça atividade física, caminhadas em lugares agradáveis, pratique algum esporte que o agrade, vá ao cinema, leia, ouça música, converse com amigos. Assim você irá preencher seu tempo com algo que realmente goste de fazer. Essas estratégias ajudam a parar de fumar.

E se recair?

Se recair não se desespere! Muitos ex-fumantes tentaram parar entre 5 a 7 vezes antes de obterem sucesso. Você deve procurar marcar uma nova data para deixar de fumar e levar o tratamento à sério, prevenindo novas recaídas. Com planejamento, você conseguirá novamente, é questão de tempo!

Caso não consiga parar de fumar sozinho, procure ajuda!

O SUS oferece tratamento para tabagismo em mais de 600 municípios de Minas Gerais, através do Programa Nacional de Controle do Tabagismo, com profissionais de saúde qualificados. O tratamento das pessoas tabagistas é ofertado prioritariamente nas Unidades Básicas de Saúde (UBS). O usuário que demonstre interesse em parar de fumar deverá entrar em contato com a Secretaria de Saúde da sua cidade para ser informado os locais do SUS que estão ofertando o tratamento do tabagismo.

Dessa forma, o usuário tabagista será recebido pela sua equipe de saúde, será avaliado quanto às principais doenças e fatores de risco relacionados ao tabagismo, história tabagista, bem como o grau de dependência ao cigarro e seu estágio de motivação para a cessação do tabagismo.

O modelo de tratamento é baseado em uma abordagem cognitivo-comportamental do fumante. Consiste inicialmente de 4 sessões (encontros), semanalmente, e após essas, são promovidos encontros mais espaçados, até completar de 6 a 12 meses de tratamento. O tratamento tem como finalidade trabalhar com os fumantes os riscos de fumar e os benefícios de se parar de fumar, fornecer informações necessárias para que ele possa lidar com a síndrome da abstinência, dependência psicológica e os condicionamentos associados ao ato de fumar, além de apoiá-lo nesse processo. Para mais informações, disque 136.

» Clique aqui e confira a listagem dos Serviços de Tratamento do Tabagismo em Minas Gerais, segundo o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde; maio de 2017.