Notícias http://www.saude.mg.gov.br Wed, 26 Apr 2017 21:28:53 +0000 Joomla! - Open Source Content Management pt-br SES-MG promove saúde indígena em Minas http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9294-ses-mg-promove-saude-indigena-em-minas http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9294-ses-mg-promove-saude-indigena-em-minas

Com o propósito de garantir aos povos indígenas o acesso à atenção integral à saúde, de acordo com os princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS), a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) procura conhecer a realidade e as necessidades das oito etnias aldeadas em Minas: Pataxó, Pankararú, Xucurú Kariri, Maxakali, Mokuriñ, Kaxixó, Krenak e Xacriabá.

No primeiro semestre de 2016, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) finalizou um conjunto de visitas técnicas aos municípios com jurisdição indígena do Estado: Martinho Campos, Caldas, Itapecerica, Guanhães, Teófilo Otoni, Itacarambi, São João das Missões, Coronel Murta, Araçuaí, Bertópolis, Santa Helena de Minas, Campanário, Ladainha, Carmésia, Açucena e Resplendor.

Crédito: Ramon Jader.

As visitas foram realizadas com a participação das lideranças indígenas, do técnico de referência em Saúde Indígena da Regional a qual o município se integra e das secretarias municipais de saúde. Além das visitas , foi realizado também um levantamento da situação da estrutura das unidades básicas de saúde indígena das aldeias, de seu perfil epidemiológico e de suas condições sanitárias.

De acordo com a coordenadora Estadual de Saúde Indígena, Myrtô Sucupira, um dos resultados das visitas foi a criação de uma nova Política Estadual de Saúde Indígena que ampliou as linhas de atenção à saúde dos aldeados e a inserção de novas diretrizes e ações no SUS.

“Esta gestão prioriza o diálogo com as comunidades indígenas e demais gestores governamentais. Busca ouvir as demandas, conciliar necessidades e articular ações. O nosso diálogo com as aldeias foi muito construtivo. Apontou, por exemplo, dificuldades de inserção dos aldeados na rede de atenção à saúde fora das aldeias. Especialmente nos atendimentos de média e alta complexidade. Portanto, na elaboração da nova Política Estadual de Saúde Indígena procuramos alinhar o fluxo de atendimento aos aldeados quando necessitam inserir na rede. Também buscamos melhora a oferta de medicamentos e de consultas e exames especializados”, explicou Myrtô.

A Política Estadual de Saúde Indígena tem como foco o atendimento às etnias Pataxó, Pankararú, Xucurú Kariri, Maxakali, Mokuriñ, Kaxixó, Krenak e Xacriabá. E busca assegurar o acompanhamento e a atenção à saúde da população indígena aldeada no estado, para garantir o acesso ao serviço de saúde com qualidade e, ao mesmo tempo, valorizar suas tradições e costumes.

Novas ações

“Para 2017, novas propostas de atuação estão sendo elaboradas. A Coordenação Estadual de Saúde Indígena está trabalhando de forma integrada com outras políticas de atenção. Assim, serão desenvolvidas ações voltadas para a tuberculose, à saúde mental e a saúde da mulher, a princípio. Temas que no momento demandam maior atenção do estado”, conta Myrtô Sucupira, Coordenadora Estadual de Saúde Indígena.

Para garantir o cumprimento das ações de saúde, a SES-MG investe em 2017 o montante de R$ 3,41 milhões para a execução da Política. Os recursos são garantidos por uma resolução do Governo de Minas Gerais que oficializou em 2015 a concessão de incentivos financeiros anuais no contexto da Política Estadual de Saúde Indígena.

A resolução nº 4.997 trata das regras para os municípios poderem receber recursos para as ações de saúde voltadas à população indígena e a resolução nº 4.996, por sua vez, trata dos critérios para que sejam concedidos incentivos financeiros para apoio à manutenção do Programa de Registro e Resgate da Medicina Tradicional Indígena e Uso de Plantas Medicinais na Aldeia. 

 

]]>
Banco de notícias Wed, 19 Apr 2017 14:36:06 +0000
SES-MG realiza coletiva de imprensa sobre a Campanha de Vacinação contra a Gripe http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9291-ses-mg-realiza-coletiva-de-imprensa-sobre-a-campanha-de-vacinacao-contra-a-gripe http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9291-ses-mg-realiza-coletiva-de-imprensa-sobre-a-campanha-de-vacinacao-contra-a-gripe

Nesta terça-feira (18/04), o Subsecretário de Vigilância e Proteção à Saúde da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), Rodrigo Said, juntamente com o assessor da Secretaria Municipal de Belo Horizonte, Marcelo Azalin, participaram de coletiva de imprensa sobre a Campanha de Vacinação contra a Gripe 2017

O Subsecretário Rodrigo Said, destacou que na campanha deste ano os professores estão incluídos no público alvo, de acordo com orientação do Ministério da Saúde (MS). O objetivo dessa inclusão é, justamente, aumentar a oferta da vacina a esses profissionais que, por trabalharem em locais fechados, também são considerados vulneráveis à doença. Clique aqui e confira a nossa galeria de imagens. 

Crédito: Marcus Ferreira / SES-MG.

De acordo com Rodrigo Said, a meta este ano é vacinar 90% do público prioritário em Minas Gerais, que corresponde a cerca de 5.560.505 milhões de pessoas. Já em relação à capital mineira, segundo o assessor da Secretaria Municipal de Belo Horizonte, Marcelo Azalin, espera-se vacinar cerca de 800 mil pessoas. 

No Centro de Saúde Nossa Senhora Aparecida, em Belo Horizonte, Rosana Veloso Caetano, de 47 anos, portadora de doença crônica, garante que desde que passou a tomar a vacina contra a gripe, as crises de asma amenizaram. “Eu venho todos os anos e minhas crises de asma diminuíram bastante. A vacina não dói nada e é sempre melhor prevenir”. 

Veja também:
- Confira no "Blog da Saúde MG" dicas para se prevenir contra a gripe e o resfriado

Fazem parte do público prioritário desta campanha, além de indivíduos com 60 anos ou mais, as crianças na faixa etária de 6 meses a menores de 5 anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias), as gestantes, as puérperas (até 45 dias após o parto), os trabalhadores da saúde, os povos indígenas, os grupos portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, os adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas, a população privada de liberdade e os funcionários do sistema prisional. 

Prevenção 

De acordo com Rodrigo Said, além da vacinação voltada para o público alvo, é importante que toda a população esteja atenta às medidas de prevenção à gripe. “Lavar bem as mãos com água e sabão, utilizar o antebraço ou o lenço de papel quando for tossir ou espirrar (evitando assim cobrir a boca com as mãos), evitar tocar os olhos, boca e nariz após contato com superfícies, não compartilhar objetos de uso pessoal e manter os ambientes bem ventilados são algumas das medidas que podem ser tomadas por todos”, explicou o subsecretário.

Crédito: Marcus Ferreira / SES-MG.

Em 2017, até o momento, foram confirmados 32 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave causados pelo vírus da Influenza. Dos casos associados à Influenza, 5 foram provocados pelo tipo B, 1 pelo tipo A/H1, 23 pelo tipo A/H3N2 e 3 pelo tipo A não subtipado ou sem informação.

19ª Campanha Nacional de Vacinação contra Gripe

A Campanha teve início no dia 17 de abril e seguirá até 26 de maio, sendo dia 13 de maio, um sábado, o Dia D de Vacinação. Para mobilizar a população mineira, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais já começou a veicular sua campanha na TV, internet e rádios da capital e do interior do estado.

Na internet, o site www.saude.mg.gov.br/gripe foi criado especialmente para o cidadão consultar informações sobre a vacinação, a doença e as principais formas de prevenção. A campanha também será feita nas redes sociais da SES-MG (Facebook, Twitter e Instagram).

» Abaixo, confira o vídeo da coletiva sobre a campanha de vacinação contra a Gripe 2017:

 

» Abaixo, confira o áudio da coletiva sobre a campanha de vacinação contra a Gripe 2017:

 

]]>
Banco de notícias Tue, 18 Apr 2017 16:10:37 +0000
SES-MG convoca a população para a 19ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe 2017 http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9286-ses-mg-convoca-a-populacao-para-a-19-campanha-nacional-de-vacinacao-contra-a-gripe-2017 http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9286-ses-mg-convoca-a-populacao-para-a-19-campanha-nacional-de-vacinacao-contra-a-gripe-2017

Nesta segunda-feira (17/04), começa em todo o país a 19ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). A campanha segue até o dia 26 de maio e o dia “D” de mobilização nacional está programado para o dia 13 de maio, um sábado. O objetivo é reduzir as complicações, as internações e a mortalidade decorrentes das infecções causadas pelo vírus da influenza.

Para mobilizar a população, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) já começou a veicular sua campanha na TV, internet e rádios da capital e do interior do estado. Na internet, o site www.saude.mg.gov.br/gripe foi criado especialmente para o cidadão consultar informações sobre a vacinação, a doença e as principais formas de prevenção. A campanha também será feita nas redes sociais da SES-MG (Facebook, Twitter e Instagram).

A meta é vacinar 90% do público prioritário, cerca de 5.560.505 milhões de pessoas em Minas Gerais. O grupo é composto por indivíduos com 60 anos ou mais de idade, crianças na faixa etária de 6 meses a menores de 5 anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias), Gestantes, Puérperas (até 45 dias após o parto), Trabalhadores da saúde, Povos indígenas aldeados, População privada de liberdade e grupos especiais (portadores de doenças crônicas não transmissíveis). Também estão incluídos, os professores das escolas públicas e privadas (esse público representará aproximadamente 253 mil pessoas em Minas).

Amanhã, terça-feira (18/04), (SES-MG), promoverá uma coletiva à imprensa sobre o assunto. A coletiva acontecerá no Centro de Saúde Nossa Senhora Aparecida, localizado na Rua Paulino Marques Gontijo, número 109, no bairro Novo São Lucas, em Belo Horizonte e vai contar com a participação do Subsecretário de Vigilância e Proteção à Saúde da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), Rodrigo Said e referências técnicas da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte e da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais.

De acordo com a Diretora de Vigilância Epidemiológica da SES-MG, Janaína Fonseca Almeida, a vacinação tráz grandes benefícios para a população, principalmente para o público que possui um risco maior de desenvolver complicações da doença. “Como os vírus que causam a gripe se modificam a cada ano, é importante que as pessoas compareçam as Unidades de Saúde para serem imunizadas anualmente. As pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, independente da idade (conforme indicação do Ministério da Saúde em conjunto com sociedades científicas), mantém-se a necessidade de prescrição médica especificando o motivo da indicação da vacina”, reforçou.

Ainda segundo Janaína Fonseca, a gripe pode ser causada pelos vírus Influenza A, B e C. “Os vírus A e B apresentam maior importância clínica. Estima-se que, em média, as cepas A causem 75% das infecções, mas em algumas temporadas, ocorre predomínio das cepas B. Os tipos A e B sofrem frequentes mutações e são responsáveis pelas epidemias sazonais, também por doenças respiratórias com duração de quatro a seis semanas e que, frequentemente, são associadas com o aumento das taxas de hospitalização e morte por pneumonia. Já o tipo C causa problemas respiratórios leves e infecta humanos, cachorros e porcos”, explicou.

Cobertura vacinal

Em 2016, foi registrado um total de 3,9 milhões de doses aplicadas, representando 95,3% do público alvo da campanha. Em relação aos outros grupos, foram registrados mais de 1 milhão de doses em pessoas com comorbidades. Deste total, 50,3% foi em portadores de doenças respiratórias crônicas, 17,3% em portadores de diabetes e 14,8% em pessoas com doenças cardíacas crônicas. 

Quanto ao grupo privados de liberdade, estimado em 51.173 pessoas, incluindo os funcionários do sistema prisional, foram aplicadas 71.120 doses da vacina influenza.

Gripe em Minas

De janeiro de 2017 até o momento, 17/04, foram registrados 32 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave por Influenza, sendo que 5 foram pelo tipo B, 1 pelo tipo A/H1, 23 pelo tipo A/H3N2 e 3 pelo tipo A não subtipado ou sem informação. Destes, quatro evoluíram para óbito.

A faixa etária mais acometida é de pessoas acima de 50 anos, totalizando 57% dos casos confirmados. Em 2016 foram registrados 1.059 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave por Influenza, sendo que 623 pelo tipo A/H1N1. 291 óbitos foram confirmados por causa da doença.

Doença

A gripe é uma infecção viral aguda que afeta o sistema respiratório. A transmissão ocorre por meio de secreções das vias respiratórias da pessoa contaminada ao falar, tossir, espirrar ou pelas mãos, que após contato com superfícies recém‐contaminadas por secreções respiratórias pode levar o agente infeccioso direto a boca, olhos e nariz. A transmissão é muito elevada em ambiente domiciliar, creches, escolas e em ambientes fechados ou semi fechados.

Além da vacinação, a diretora reforça alguns cuidados para evitar a doença. “A vacinação é uma das medidas mais efetivas para a prevenção da forma grave da influenza e de suas complicações e deve ser associada com outros cuidados, também fundamentais, para proteger contra a gripe, como beber bastante água, manter as vias respiratórias bem hidratadas, evitar locais com muitas pessoas e com pouca circulação de ar, manter as janelas de ônibus sempre abertas, sempre jogar os lenços de papeis no lixo, nunca usar as mãos para espirrar ou tossir, ao tossir ou espirrar usar a etiqueta da tosse, evite compartilhar alimentos, copos, talheres, toalhas e outros objetos de uso pessoal. Diante de qualquer sintoma de gripe, procure uma Unidade de Saúde mais próxima”, orientou.

A síndrome gripal, que se caracteriza pelo aparecimento súbito de febre, cefaleia, dores musculares (mialgia), tosse, dor de garganta e fadiga é a manifestação mais comum. Nos casos mais graves, geralmente, existe dificuldade respiratória e há necessidade de hospitalização. Nesta situação, denominada Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), é obrigatória a notificação às autoridades de saúde.

Outras informações estão disponíveis em: www.saude.mg.gov.br/gripe 

 

]]>
Banco de notícias Mon, 17 Apr 2017 14:38:24 +0000
Governo de Minas entrega mais de mil equipamentos de saúde para 47 municípios http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9281-governo-de-minas-entrega-mais-de-mil-equipamentos-de-saude-para-47-municipios http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9281-governo-de-minas-entrega-mais-de-mil-equipamentos-de-saude-para-47-municipios

O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, juntamente com o secretário de Estado de Saúde, Sávio Souza Cruz, entregaram nesta quarta-feira (12/04), no Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte, 1.062 equipamentos para Unidades Básicas de Saúde (UBS) de 47 municípios mineiros. O investimento é de R$ 2,1 milhões e contemplará 50 UBS's. 

O objetivo é garantir que as unidades de saúde tenham os equipamentos mínimos para instalação e funcionamento das equipes de Estratégia de Saúde da Família (ESF) e, com isso, possam permitir a ampliação do acesso e da qualidade do atendimento ao usuário do Sistema Único de Saúde (SUS). Clique aqui e confira a nossa galeria de imagens.

Crédito: Verônica Manevy / Imprensa MG.

O secretário Sávio Souza Cruz destacou o empenho do governo em conseguir proporcionar os melhores serviços à população mineira. “Esses 47 municípios estão tendo essas unidades básicas equipadas de forma a permitir que a estratégia de saúde da família possa ser implementada com maior conforto e de forma mais eficiente. Nós estamos consolidando uma estratégia que foi traçada em 2015 e que estabeleceu critérios e a documentação necessária para os municípios cujas UBS's precisavam ser equipadas se credenciassem para receber esses equipamentos”, explicou.

O empenho do governo em “multiplicar os poucos recursos para atender os municípios do Estado foi também enfatizado pelo governador Fernando Pimentel. “Com a experiência de ter sido prefeito de Belo Horizonte, secretário municipal, vice-prefeito, ministro, e agora governador, digo que um posto de saúde bem equipado faz toda a diferença para quem precisa. Fazer uma doação de ambulância, como já fizemos mais de mil do ano passado para cá, de um equipamento para colocar no posto de saúde ou um convênio que você faz com o município, parece coisa pequena quando você olha de longe, mas é importante porque, muitas vezes, o município não tem recursos para cuidar daquela necessidade mais imediata do cidadão. É isso que chamo de pequenas entregas, que fazem muita diferença para a vida dos mineiros”, afirmou.

O governador também ressaltou a importância da união entre os Três Poderes para um melhor desempenho da administração do Estado. “Em Minas, não que não tenha crise, não que não tenha problema, mas estamos enfrentando as crises e as adversidades trabalhando 24 horas por dia para vencer as dificuldades. É isso que vai fazer a situação mudar, o Brasil andar para frente. Minas está construindo e já tem dois anos que nós estamos trabalhando nessa direção, um ambiente de harmonia entre o Poder Legislativo, o Executivo e o Judiciário”, completou.

Representando os chefes de Executivo dos municípios beneficiados, a prefeita de Oliveira, Cristiane Lasmar de Moura Rezende, salientou a importância dos equipamentos de saúde. “Agradeço em nome dos prefeitos ao governador e ao secretário de Saúde que, mesmo frente às dificuldades financeiras, têm se preocupado com a atenção à saúde dos municípios. Esses equipamentos são muito importantes, pois a atenção básica é de extrema necessidade para cuidar da população”, disse. Também participaram do evento secretários de Estado, deputados estaduais, prefeitos, vereadores e lideranças municipais.

Entregas

Foram entregues 50 oftalmoscópios, 50 aspiradores de secreção, 50 carros para uso hospitalar (carro de emergência), 52 detectores fetais, 50 desfibriladores (DEA), 50 câmaras de conservação 100-150 litros, 50 câmaras de conservação 300-350 litros, 123 carros maca, 52 mesas ginecológicas, 50 cadeiras de roda para obeso, 50 eletrocardiógrafos, 210 mesas clínica e 225 impressoras.

 

]]>
Banco de notícias Wed, 12 Apr 2017 15:05:44 +0000
Web Seminário aborda informações sobre a melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9327-web-seminario-aborda-informacoes-sobre-a-melhoria-do-acesso-e-da-qualidade-da-atencao-basica http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9327-web-seminario-aborda-informacoes-sobre-a-melhoria-do-acesso-e-da-qualidade-da-atencao-basica

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), em parceria com a Faculdade de Medicina da UFMG, promoveu mais uma vez o “Web Seminário: Diretrizes Para o Eixo Estratégico Transversal de Desenvolvimento: 3° Ciclo do PMAQ”. Realizado e transmitido via web, o seminário sobre o Programa Nacional de Melhoria do Acesso da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ) tem como objetivo incentivar os gestores e as equipes a melhorar a qualidade dos serviços de saúde oferecidos pelo Sistema Único de Saúde. Para isso, propõe um conjunto de estratégias de qualificação, acompanhamento e avaliação do trabalho das equipes de saúde.

Pmaq

Durante o web seminário, realizado na tarde de hoje, 26 de abril, a apoiadora do Ministério da Saúde do Departamento de atenção básica, Márcia Leal, explicou sobre as diversas áreas dos processos de trabalho e de autoavaliação. “Os processos autoavaliativos da Atenção Básica devem ser contínuos e permanentes. Isso permite a identificação e o reconhecimento das dimensões positivas e dos problemas do trabalho da gestão e das equipes de atenção à saúde”, afirmou.

De acordo com a Diretora de Políticas de Atenção Primária à Saúde da SES-MG, Mayla Magalhães, o objetivo do web seminário é sensibilizar e estimular profissionais e gestores da saúde na ampliação do acesso e melhoria da qualidade da Atenção Básica. “Trabalhar o conceito e os objetivos do programa além de fortalecer o apoio institucional também fazem parte dos objetivos do PMAQ”, disse.

O link deste web seminário em breve será disponibilizado no site faculdade de medicina da UFMG.

]]>
Banco de notícias Wed, 26 Apr 2017 17:42:59 +0000
Regional de Uberlândia realiza oficina sobre tuberculose para profissionais da Administração Prisional http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9326-regional-de-uberlandia-realiza-oficina-sobre-tuberculose-para-profissionais-da-administracao-prisional http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9326-regional-de-uberlandia-realiza-oficina-sobre-tuberculose-para-profissionais-da-administracao-prisional

A Vigilância Epidemiológica e Atenção Primária da Superintendência Regional de Saúde de Uberlândia realizaram nesta terça, 25/04, a "Oficina Tuberculose na Administração Prisional". O objetivo do evento foi orientar quanto a identificação de sintomas de tuberculose em pessoas privadas de liberdade, a forma correta de coleta de material para exames e a importância do tratamento adequado. Participaram do evento as unidades penitenciárias, prisionais e socioeducativas e as secretarias de saúde dos sete municípios da Regional que possuem sede destas unidades.

» Clique aqui e confira outras fotos do evento

As dez instituições da região atendem 7.852 pessoas e contam com serviços de saúde estruturados, constituídos por equipes de atenção básica prisional. A população privada de liberdade representa aproximadamente 0,2% da população brasileira e contribui com 7,2% dos casos novos de tuberculose notificados no país. “Nesta população, a transmissão e o adoecimento é 29 vezes maior que a da população em geral”, explicou a Referência Técnica em Tuberculose da SRS Uberlândia, Waldênia Rodrigues Gomes. “A vulnerabilidade e as condições do encarceramento somadas às características individuais dos privados de liberdade favorecem a transmissão”, justificou a referência.

Um dos principais desafios em um presídio, segundo o diretor geral do presídio de Prata, Luciano de Souza Braga é realizar o isolamento quando o caso de tuberculose é diagnosticado, devido às medidas de segurança e a ausência de estrutura física adaptada. Em 126 pessoas encarceradas, conforme relato do diretor, há somente um caso e ele está em tratamento. “Cumprimos todos os procedimentos necessários e realizamos uma varredura em toda a população interna e não foi encontrado mais ninguém com os sintomas. Os funcionários e os familiares dos encarcerados tinham muitas dúvidas, por isso levamos profissionais da área de saúde da Prefeitura para uma palestra interna para conscientizá-los. Foi um trabalho de muito esforço e integrado entre a área psicossocial, assistência, saúde e segurança”, afirmou Luciano de Souza Braga.

O mais importante para o diretor é trabalhar “com a prevenção em vez de remediação”. Quando a pessoa entra na instituição, é realizado um acompanhamento para imediatamente realizar os exames caso tenham os sintomas e evitar novos contágios, “acreditamos que será difícil haver um novo caso e se houver estamos preparados para lidar”, concluiu.

Os participantes da oficina produziram um cronograma de busca ativa nas unidades de segurança (presídios, penitenciárias e socioeducativas) por pessoas que tenham sintomas de tuberculose. A ação será realiza pelas equipes de atenção básica prisional em parceria com a vigilância epidemiológica e atenção primária das secretarias municipais de saúde.

» Saiba mais sobre os sintomas, formas de contágio e o tratamento para Tuberculose em: http://www.saude.mg.gov.br/tuberculose

» Baixe aqui a Nota Informativa conjunta da SES-MG e SEAP-MG

]]>
Banco de notícias Wed, 26 Apr 2017 17:33:45 +0000
ESP-MG recebe representantes da Fhemig, Funed e Hemominas http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9325-esp-mg-recebe-representantes-da-fhemig-funed-e-hemominas http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9325-esp-mg-recebe-representantes-da-fhemig-funed-e-hemominas

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) recebeu hoje (26), a presidente da Fundação Hemoninas, Júnia Cioffi e os chefes de gabinete, Jane Pinto Gomes, da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) e Rodrigo Leite da Fundação Ezequiel Dias (Funed), para o Seminário em Direito Sanitário. 

DSC08078

A atividade do curso de especialização em Direito Sanitário da ESP-MG, foi espaço para que cada convidado falasse sobre o papel das instituições do Sistema Único de Saúde (SUS) em Minas Gerais, respondendo as dúvidas dos alunos do curso.

De acordo com Júnia, o momento é importante pois gera uma compreensão maior do SUS para pessoas que vão trabalhar na parte do direito de saúde. “Os alunos terão uma compreensão maior das dificuldades que as instituições têm e das possibilidades de melhoria que podem trazer com o direito sanitário. Além disso, a partir do momento em que eles atendem as pessoas e identificam as necessidades eles podem inclusive trabalhar melhor as necessidades individuais de cada um”, disse,
Rosangela de Oliveira Cotta, aluna do curso e trabalhadora da Secretária Estadual de Saúde (SES-MG) reconhece a importância do seminário para os alunos da área jurídica. ““Essa é uma oportunidade muito boa, principalmente para o pessoal do jurídico que desconhece um pouco como funciona o SUS. Eu percebo que o crescimento do conhecimento por parte deles é muito grande, o que é interessante. Para quem já trabalha na saúde também é ótimo porque existem informações que nós desconhecemos ainda”, comemora.

O curso

A especialização em Direito Sanitário da ESP-MG acontece desde 1998 e os alunos com o título de “Especialistas em Direito Sanitário” são trabalhadores de vários órgãos que fazem interface com saúde pública e o sistema judiciário de Minas Gerais.

Na disciplina Espaço de Interlocução de Práticas em Saúde, os alunos irão realizar visita técnica na Funed, o Instituto Raul Soares, o Hospital de Pronto-Socorro João XXIII (HPS) e centros de saúde da capital mineira.

]]>
Banco de notícias Wed, 26 Apr 2017 17:29:27 +0000
Regional de Saúde de Pouso Alegre realiza reunião sobre o Núcleo de Segurança do Paciente http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9323-regional-de-saude-de-pouso-alegre-realiza-reuniao-sobre-o-nucleo-de-seguranca-do-paciente http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9323-regional-de-saude-de-pouso-alegre-realiza-reuniao-sobre-o-nucleo-de-seguranca-do-paciente
A Regional de Saúde de Pouso Alegre realizou nesta quarta (26/04), reunião para abordar oNúcleo de Segurança do Paciente. Durante o evento, foram apresentadas aos profissionais presentes as várias ferramentas disponíveis para facilitar o processo de avaliação de risco e eventos adversos, além de orientações sobre cadastro e preenchimento de notificações. O evento foi realizado no auditório da Regional e contou com a presença dos coordenadores do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar e técnicos referências do Núcleo de Segurança do Paciente dos hospitais das 53 cidades que pertencem à Regional de Pouso Alegre.
Crédito: Juliana Horta de Almeida
De acordo com a referência técnica em Serviços de Saúde da Regional de Pouso Alegre, Zilda Maria Domiciano, a reunião teve como objetivo a melhora da qualidade da assistência dos serviços de saúde. “Os profissionais que aqui estiveram inteiraram-se das questões de segurança do paciente, da formação do Núcleo de Segurança do Paciente e das notificações para controle de infecção. Consequentemente, esse aprendizado gerará uma melhora na qualidade da assistência à saúde”, disse.

Durante a reunião, foram abordadas estratégias para incentivar os serviços de saúde a cadastrarem o Núcleo de Segurança do Paciente. Dessa forma, as notificações de eventos adversos poderão ser realizadas no Sistema NOTIVISA, de notificações em Vigilância Sanitária, ligada ao Sistema Único de Saúde (SUS).

A reunião foi promovida pelo Núcleo de Vigilância Sanitária e organizada pelas referências técnicas em Serviços de Saúde, Zilda Maria Domiciano e Bárbara Karina Vieira. As discussões foram conduzidas pelas representantes da Coordenadoria de Investigação e Prevenção de Infecções e Eventos Adversos, Nádia Aparecida Campos Dutra e Rosilaine Aparecida Silva Madureira, ambas referências técnicas da Diretoria de Vigilância em Serviços de Saúde da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG).

]]>
Banco de notícias Wed, 26 Apr 2017 15:46:24 +0000
Informe Epidemiológico da Febre Amarela (26/04) http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9324-informe-epidemiologico-da-febre-amarela-26-04 http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9324-informe-epidemiologico-da-febre-amarela-26-04

Em 2017, até o momento (26/04), foram notificados 1.139 casos de Febre Amarela, sendo que desses 554 foram descartados e 427 são casos confirmados. Foram considerados casos confirmados aqueles que apresentaram:

• Exame laboratorial detectável para Febre Amarela;
• Exame laboratorial não detectável para dengue;
• Histórico vacinal (não vacinado/vacinação ignorada);
• Sinais e sintomas compatíveis com a definição de caso;
• Exames complementares que caracterizam disfunção renal/hepática.

Em relação aos óbitos, foram notificados 201* óbitos. Desses, 151 foram confirmados para Febre Amarela.

» Clique aqui e confira, na íntegra, o informe com Atualização sobre a investigação de casos notificados e confirmados de febre amarela silvestre, Minas Gerais, 2017 (atualizado em 26/04).

OBSERVAÇÃO: a partir desta quarta-feira (26/04), a SES-MG interromperá a publicação semanal do Informe Epidemiológico da Febre Amarela, considerando que o último caso confirmado teve início dos sintomas no dia 14/03/2017. A vigilância da febre amarela continuará sendo realizada no estado de Minas Gerais, assim como as estratégias de prevenção e controle dentro da rotina estabelecida pela SES/MG, e de acordo com as diretrizes preconizadas pelo Programa Nacional de Vigilância, Prevenção e Controle da Febre Amarela. A  SES-MG continuará realizando a investigação e o encerramento dos casos que ainda estão em aberto ou que venham a ser notificados, publicizando os dados oportunamente.

» Clique aqui e confira a nota de esclarecimento na íntegra.

]]>
Banco de notícias Wed, 26 Apr 2017 15:27:36 +0000
SES-MG realiza web seminário sobre a importância da atividade física para a prevenção e tratamento da depressão http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9321-ses-mg-realiza-web-seminario-sobre-a-importancia-da-atividade-fisica-para-a-prevencao-e-tratamento-da-depressao http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9321-ses-mg-realiza-web-seminario-sobre-a-importancia-da-atividade-fisica-para-a-prevencao-e-tratamento-da-depressao

Nesta quarta-feira (26/04), a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) realizou, em Belo Horizonte, um web seminário sobre hábitos saudáveis para a promoção da saúde no Sistema Único de Saúde (SUS). Durante o encontro, foi discutida a importância da adoção de hábitos saudáveis, em especial a prática da atividade física, para a prevenção e cura da depressão. Clique aqui e confira a galeria de imagens do evento.

Segundo a Superintendente de Atenção Primária à Saúde da SES-MG, Ana Paula Medrado, é fundamental que os profissionais que atuam diretamente com os usuários do SUS disseminem ações de estímulo à prática de exercícios físicos. “Sabemos que a prática de atividade física contribui para o bem-estar das pessoas, e este web seminário é uma oportunidade para difundirmos a importância dessa prática de forma regular. É nosso objetivo que os profissionais da ponta disseminem a atividade física no cotidiano das suas ações, com enfoque na promoção à saúde”, explica.  

Crédito: Marcus Ferreira

Já para a Diretora de Promoção à Saúde da SES-MG, Daniela Campos, promover a prática regular de exercícios físicos é um desafio, que também está relacionado à prevenção da depressão. “As mulheres são o grupo mais inativo em relação à atividade física e os homens costumam diminuir a prática com o avanço da idade. Temos o desafio de promover a prática de exercícios físicos, lembrando da sua importância na prevenção dos transtornos mentais”, disse.

Veja também:
- Confira a série de posts no Blog da Saúde MG sobre "Vida Saudável"
- Assista a transmissão ao vivo da Webconferência pelo Youtube

A prática regular de atividade física é recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para a manutenção e recuperação da saúde em geral, incluindo na prevenção e parte do tratamento da depressão. Por meio da adoção de hábitos mais saudáveis é possível, ainda, colaborar para o aumento da autoestima, criatividade e socialização do indivíduo. O ideal, de acordo com a OMS, é que sejam realizados pelo menos 150 minutos de atividade física moderada por semana, ou 75 de exercícios considerados vigorosos, de forma contínua ou acumulada em sessões de pelo menos 10 minutos de duração.

A depressão é um transtorno mental frequente em pessoas de todas as idades. Os sintomas englobam sensação de cansaço, tristeza, humor ou sentimentos impactados, perda de interesse ou prazer, sentimento de culpa, perda do amor próprio, baixa concentração e distúrbios do sono. A prática de atividade física de forma regular e com intensidade moderada possui papel importante no tratamento da depressão, diminuindo sintomas e podendo ser utilizada como recurso terapêutico efetivo, atrativo e de baixo custo. 

Além disso, a atividade física está relacionada à elevação dos níveis de endorfina no corpo, que provoca sensação de euforia, estado de ânimo, aumento do fluxo sanguíneo no cérebro e na regulação das emoções. Também são benefícios da prática de exercícios a diminuição da ansiedade, melhora da imagem corporal, da percepção de competências, autonomia e controle corporal.

Crédito: Marcus Ferreira

De acordo com a Coordenadora de Saúde Mental da SES-MG, Marta Elizabete, a criação de laços interpessoais e aumento do sentimento de pertencimento é outra vantagem que pode ser encontrada na prática de atividade física, em especial naquelas realizadas em grupo. “A atividade física é muito importante quando vem com um sentido, com um vínculo, quando colabora para a criação de laços e melhora da qualidade de vida, não como culto ao corpo de forma exagerada. Ela é fundamental como um modo de melhorar as condições de saúde da pessoa e de construir vínculos”, afirma.

Durante o web seminário, também foi discutida a importância da atividade física nas escolas, durante a terceira idade para prevenção da depressão, como prática integrada à Atenção Primária à Saúde, entre outros temas. Clique aqui e acesse o site Vida Saudável, com dicas para manter a saúde do corpo e da mente.

 

]]>
Banco de notícias Wed, 26 Apr 2017 14:51:16 +0000
Comunicação em Saúde é tema de evento do Conselho Nacional de Saúde http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9322-comunicacao-em-saude-e-tema-de-evento-do-conselho-nacional-de-saude http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9322-comunicacao-em-saude-e-tema-de-evento-do-conselho-nacional-de-saude

De 18 a 20 de abril foi realizada em Brasília-DF, a 1ª Conferência Nacional Livre de Comunicação em Saúde, promovida pelo Conselho Nacional de Saúde (CNS), com o objetivo de discutir a democratização do acesso da população às informações sobre saúde.

O Plenário do CNS definiu como uma das prioridades da instituição, a definição de uma política de comunicação social do órgão em defesa do Sistema Único de Saúde (SUS) e do direito à saúde. Em três dias de debates, conselheiros de saúde de todo o Brasil, jornalistas, blogueiros, coletivos de comunicadores e estudantes participaram de mesas com as temáticas “Desafios da Comunicação em Saúde”, Papel da Comunicação na defesa da Informação em Saúde”, “O SUS na sala de aula”, “Novas mídias e o SUS”, “Informação em Saúde como direito” e “Experiência de coletivos de comunicação”.

A abertura da conferência contou com a presença de dois ex-ministros da saúde Arthur Chioro e Alexandre Padilha, que defenderam três elementos básicos para a evolução civilizatória: democracia, direito à saúde e comunicação. O tom dos discursos sinalizou que após 28 anos de criação do SUS, atualmente a sociedade brasileira debate pautas anteriores à Constituição Federal de 1988.

Imprensa e SUS

Entre os conferencistas estavam a jornalista Cynara Menezes que abordou a hostilidade da imprensa com questões relacionadas ao SUS e citou o exemplo do Programa Mais Médicos. “A sociedade brasileira, pelos olhares da mídia, não conseguiu entender a importância do programa para a saúde pública, não teve defesa, apenas críticas. Temos que ter exemplos positivos na medicina como é a Rede de Médicos Populares, que não tem a visão clientelista da medicina como boa parte dos médicos”, disse.

Veja também:
- 1ª Conferência Nacional Livre de Comunicação em Saúde debate Defesa do SUS
- Conferência Nacional discute o papel relevante Comunicação em Saúde
- Confira a cobertura completa da Conferência no site "SUS Conecta"

Renata Mielli, do Fórum Nacional pela Democratização da Mídia (FNDC) disse que a conferência é ousada em enfrentar o debate acerca da democratização dos meios de comunicação no Brasil, que só ocorreu em 2009 durante a 1ª Conferência Nacional de Comunicação (CONFECOM). “Não há como defender o direito à saúde sem a democratização dos meios de comunicação. E para quem pensa que temos liberdade de expressão na internet, esses dias estão contados, devidos às ameaças e limites que futuramente nos serão impostos na web”, afirmou.
Minas Gerais na atividade

Para o coordenador da especialização em Comunicação e Saúde da Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG), Jean Alves, a conferência foi um marco importante para a discussão da comunicação em saúde no âmbito do Controle Social, Gestão e Assessorias de Comunicação do SUS.

“É importante levar o debate para ponta, numa visão mais ampliada e sem enfoque na discussão da mídia tradicional, mas buscando alternativas para promover o SUS por meio de mídias alternativas, na democratização do acesso, e no direto à comunicação e informação como inerentes ao direito a saúde. Interessante que um dos encaminhamentos foi justamente o fortalecimento da formação em comunicação em saúde nos currículos, cursos e controle social, o que já estamos fazendo aqui na ESP-MG”, disse.

A ex-aluna da primeira turma de Comunicação e Saúde da ESP-MG, Kênia Costa, jornalista da Secretária Municipal da Prefeitura de Belo Horizonte, destacou que as mesas temáticas abordaram temas diversos e de grande expressão, principalmente no que se refere à discussão de conceito ampliado de saúde e o papel relevante que a comunicação em seu processo comunicativo.

“Fortaleceu as ações de comunicação em favor do fortalecimento do SUS em consonância com a apropriação do mesmo pela sociedade e que são questões importantes e que foram levantadas e debatidas com extremo afinco nas exposições e debates das mesas temáticas. Percebi que houve também entrelaçamento nas discussões entre saúde, educação e comunicação, assim demos o primeiro passo em âmbito nacional, em prol de uma comunicação em saúde mais clara, objetiva e informativa”, afirmou.

Elvira Pereira, conselheira de saúde do município de Araxá e aluna da atual turma de Comunicação e Saúde, aponta que muito do que foi dito durante a Conferência ela aprendeu e ouviu em sala de aula. “Os debates foram ricos com foco no SUS, na comunicação e na luta pela democratização da liberdade de expressão, na mídia centralizada e o direito da de acesso à informação, e no poder que detém o controle social e a sua falta de empoderamento do mesmo. As propostas elencadas a partir da conferência serão de grande valia para a democratização dos meios de comunicação para a população brasileira”, concluiu.

O encerramento da atividade foi um bate-papo com a produtora e atriz Ana Petta, da série brasileira Unidade Básica, que aborda as rotinas da Atenção Primária no SUS e também com a jornalista e ex-presidente da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC), Tereza Cruvinel que destacou que um país que não tem liberdade de expressão e comunicação não tem uma cidadania plena.

 

]]>
Banco de notícias Wed, 26 Apr 2017 14:29:13 +0000
Boletim Epidemiológico de Monitoramento dos casos de Dengue, Chikungunya e Zika Vírus (26/04) http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9320-boletim-epidemiologico-de-monitoramento-dos-casos-de-dengue-chikungunya-e-zika-virus-26-04 http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9320-boletim-epidemiologico-de-monitoramento-dos-casos-de-dengue-chikungunya-e-zika-virus-26-04

Em 2017, até o momento (26/04), Minas Gerais registrou 21.280 casos prováveis (casos confirmados + suspeitos) de dengue. Desses, um (1) caso veio a óbito e outros dezoito (18) seguem em investigação.

Em relação à Febre Chikungunya, Minas Gerais registra 9.986 casos prováveis da doença. Onze (11) óbitos suspeitos pela doença estão em investigação. Já com relação à febre pelo Zika Vírus, são 592 casos prováveis no estado em 2017.

Informamos que o Boletim de Monitoramento das Infecções Congênitas STORCH+ZIKA/MICROCEFALIA será divulgado separadamente, com periodicidade quinzenal.

» Clique aqui e confira o Boletim Epidemiológico de Monitoramento dos casos de Dengue, Chikungunya e Zika Vírus da SES-MG (atualizado em 26/04/2017) para a IMPRENSA

» Clique aqui e confira o Boletim Epidemiológico de Monitoramento dos casos de Dengue, Chikungunya e Zika Vírus da SES-MG (atualizado em 26/04/2017) para a ÁREA TÉCNICA

» Clique aqui e confira a Tabela de Casos Prováveis de Dengue por municípios (atualizada em 26/04/2017)

» Clique aqui e confira a Tabela de Casos Prováveis de Chikungunya por município (atualizada em 26/04/2017)

» Clique aqui e confira a Tabela de Casos Prováveis de Zika Vírus por município (atualizada em 26/04/2017)

 

]]>
Banco de notícias Wed, 26 Apr 2017 12:15:57 +0000
Regional de Saúde de Unaí promove capacitação sobre o Núcleo de Segurança do Paciente http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9319-regional-de-saude-de-unai-promove-capacitacao-sobre-o-nucleo-de-seguranca-do-paciente http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9319-regional-de-saude-de-unai-promove-capacitacao-sobre-o-nucleo-de-seguranca-do-paciente

A Regional de Saúde de Unaí, através do Núcleo de Vigilância Sanitária, realizou nesta terça-feira (25/04), no auditório da Regional, uma atualização referente ao Núcleo de Segurança do Paciente. O tema trabalhado nesta oportunidade foi o gerenciamento de risco e de eventos adversos.

O evento contou com a presença dos coordenadores das Vigilâncias Sanitárias Municipais e as Referências Técnicas dos Núcleos de Segurança do paciente dos hospitais da região. O objetivo da reunião é instituir ações para a promoção da segurança do paciente e a melhoria da qualidade nos serviços de saúde, buscando, assim, a redução do risco de dano desnecessário associado à atenção à saúde.

Crédito: Jessika Caldeira

Para a coordenadora do Núcleo de Vigilância Sanitária da Regional de Saúde de Unaí, Zeneide de Oliveira Ellera “a reunião foi produtiva e realizada no intuito de fazer com que os profissionais entendam a importância de desenvolver a cultura de segurança do paciente. Os eventos adversos que ocorrem nos serviços de saúde devem ser encarados como uma oportunidade para que os serviços possam rever seus processos e aumentar a qualidade e segurança dos serviços prestados”, explicou a coordenadora.

Foram trabalhadas com os profissionais presentes as várias ferramentas disponíveis para facilitar o processo de avaliação de risco e eventos adversos pertinentes aos serviços de saúde.

 

]]>
Banco de notícias Wed, 26 Apr 2017 11:43:15 +0000
SES-MG recepciona médicos que irão atuar pelo SUS no Programa Mais Médicos http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9318-ses-mg-recepciona-medicos-que-irao-atuar-pelo-SUS-no-programa-mais-medicos http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9318-ses-mg-recepciona-medicos-que-irao-atuar-pelo-SUS-no-programa-mais-medicos

Doze médicas e médicos que vão trabalhar em municípios mineiros pelo Programa Mais Médicos foram recebidos por representantes da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) nesta terça-feira (25/04), na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte. 

Os profissionais, todos brasileiros formados no exterior, vão atuar nos municípios de Andradas, Contagem, Governador Valadares, Lagoa Santa, Matutina, Piracema, Pompeu, Porteirinha, São Francisco, Ubá e Veredinha, atendendo usuárias e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) por meio da Atenção Primária (ou Atenção Básica).

O Programa Mais Médicos foi implementado no Brasil em 2013. Trata-se de um programa do Governo Federal, com apoio de estados e municípios, que tem como objetivo melhorar o atendimento aos usuários do SUS por meio da promoção à saúde, além de buscar resolver questões emergenciais no atendimento básico ao cidadão. O estado de Minas Gerais conta com aproximadamente 1400 médicos participantes do Programa em regiões onde há escassez ou ausência desses profissionais.

Crédto: Marcus Ferreira

Durante uma roda de conversa com os médicos, a Superintendente de Atenção Primária à Saúde da SES-MG, Ana Paula Medrado de Barcellos, explicou o funcionamento da atenção primária, destacando seus princípios e diretrizes, as responsabilidades dos gestores estaduais e municipais. Ela enfatizou que a Atenção Primária é o primeiro contato do cidadão na rede de saúde pública, possibilitando o cuidado integral e ao longo de toda a vida do indivíduo.

“Buscamos promover a equidade em saúde, privilegiando estratégias que busquem atender aos indivíduos, famílias e comunidades, de acordo com suas especificidades, favorecendo o acesso e uma assistência integral e humanizada. Na prática, isso significa atender às necessidades e os direitos de grupos étnico-raciais, culturais, territoriais, de orientação sexual, de identidade de gênero, modo de vida e produção e vulnerabilidades sociais”, explicou.

Márcia de Jesus Amorim, 47 anos, médica  formada na Universidade de Santa Cruz na Bolívia, vai atuar no município de Veredinha, na Regional de Saúde de Teófilo Otoni, comentou sobre a expectativa de participar do Mais Médicos. “Antes de cursar medicina, trabalhava como enfermeira do Programa de Saúde da Família e acredito que, quando bem feito, o trabalho desenvolvido na atenção básica pode evitar muitas doenças e melhorar a vida das pessoas. Não vejo a hora de começar a fazer diferença”, disse.

Atenção Básica

No Sistema Único de Saúde (SUS), a Atenção Primária (ou Atenção Básica) é constituída pelas Unidades Básicas de Saúde (UBS), pelos Agentes Comunitários de Saúde (ACS), pela Equipe de Saúde da Família (ESF), Equipe de Saúde Bucal (SB) e pelos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF).

Em Minas, a cobertura de Saúde de Família está em 78,26%, com 5.062 Equipes de Saúde da Família (ESF) implantadas no estado. Além disso, são 669 Núcleos de Atenção à Saúde da Família (NASF) em 536 municípios. E a cobertura de Saúde Bucal está a 61,45%, com 2827 Equipes de Saúde Bucal (ESB).

Para conhecer mais sobre a Atenção Primária no SUS, acesse: www.saude.mg.gov.br/sus

 

]]>
Banco de notícias Tue, 25 Apr 2017 17:32:51 +0000
Segurança do Paciente é tema de reunião promovida pela Regional de Saúde de Varginha http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9317-seguranca-do-paciente-e-tema-de-reuniao-promovida-pela-regional-de-saude-de-varginha http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9317-seguranca-do-paciente-e-tema-de-reuniao-promovida-pela-regional-de-saude-de-varginha

Nesta terça-feira (25/04), a Regional de Saúde de Varginha promoveu uma oficina para discussão da implantação do Núcleo de Segurança do Paciente nos Hospitais da jurisdição da regional.

Promovida pelo Núcleo de Vigilância Sanitária da Regional e organizada pelas referências em Estabelecimentos de Saúde, Aline Ribeiro Soares e Luciane Salvi, o encontro contou com a presença de técnicos representantes dos Núcleos de Segurança do Paciente (NSP) e membros das Comissões de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH).

IMG 7170

A coordenadora de Investigação e Prevenção de Infecções e Eventos Adversos, Nádia Aparecida Campos Dutra, e Rosilaine Aparecida Silva Madureira, ambas referências técnicas da Diretoria de Vigilância em Serviços de Saúde da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), foram as palestrantes convidadas para o evento.

O objetivo do encontro é incentivar os serviços de saúde a cadastrarem o Núcleo de Segurança do Paciente e, a partir disto, realizar as notificações de eventos adversos no Sistema NOTIVISA, de notificações em Vigilância Sanitária, órgão ligado ao Sistema Único de Saúde (SUS). Este evento será realizado em todo o Estado até novembro deste ano, visando discutir os problemas de notificação de eventos adversos e esclarecer as dúvidas que os técnicos possam ter sobre o tema.

Foi apresentado um histórico da Segurança do Paciente no Brasil, passando pela RDC 63, de 2011, que introduziu ações de segurança do paciente, até o Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP), criado em 2013, e pela RDC 36/2013, que determina, então, a obrigatoriedade de criação do Núcleo de Segurança do Paciente (NSP) nas instituições de saúde.

Esta RDC visa, com a determinação, a redução, ao mínimo possível, dos riscos de danos à segurança do paciente, através de competências tais como: a promoção de ações para gestão de risco; a elaboração, implantação e divulgação do Plano de Segurança do Paciente - além de sua atualização frequente - e o estabelecimento de barreiras de prevenção de incidentes.

A notificação de eventos pelo Núcleo de Segurança do Paciente (NSP) ao NOTIVISA/Anvisa deve ser mensal, e todos os serviços públicos e privados de saúde devem cadastrar o NSP. O acesso ao NOTIVISA, o cadastro e os perfis de acesso foram apresentados, bem como a tabela de grau do dano, que orienta na notificação para que não seja feita de forma subjetiva, e que contém os seguintes indicadores: nenhum, leve, moderado, grave e óbito.

As competências da Vigilância Sanitária, tais como o monitoramento dos dados sobre os eventos adversos notificados pelos serviços de saúde, e as investigações dos eventos adversos graves e óbitos também foram ressaltadas, além da Portaria 2616/1998, que dispõe sobre o controle de infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS).

Ao final da Oficina, as palestrantes ofereceram um certificado para os hospitais que mantiveram as notificações ativas durantes os 12 meses do ano passado, como uma forma de incentivo e reconhecimento do trabalho em Segurança do Paciente realizado por estas instituições. “O cadastro do Núcleo de Segurança do Paciente é nosso maior objetivo nesta Oficina, pois, através dele, teremos acesso às notificações dos incidentes, e estas estarão baseadas na cultura de segurança”, explicou Nádia Aparecida.

 

]]>
Banco de notícias Tue, 25 Apr 2017 15:55:54 +0000
Norte de Minas recebe capacitação da Rede de Cuidados com a Pessoa com Deficiência no SUS http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9316-norte-de-minas-recebe-capacitacao-da-rede-de-cuidados-com-a-pessoa-com-deficiencia-no-sus http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9316-norte-de-minas-recebe-capacitacao-da-rede-de-cuidados-com-a-pessoa-com-deficiencia-no-sus

A Regional de Saúde de Montes Claros sediou nesta terça-feira (25/04), o quarto encontro de capacitação das Juntas Reguladoras das Pessoas com Deficiência no Sistema Único de Saúde (SUS). O evento está sendo realizado por referências técnicas da Coordenação de Atenção à Saúde da Pessoa com Deficiência da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG).

As Juntas pertencem aos municípios que integram as áreas de atuação da Regional de Saúde de Montes Claros e às gerências regionais de saúde de Januária e Pirapora. Em 2017, as capacitações já foram realizadas nas regiões Central, Nordeste e Leste do Estado.

O coordenador da Rede de Cuidados com a Pessoa com Deficiência da SES-MG, David Mello, destacou a importância do alinhamento de informações entre as referências técnicas de todo o Estado levando-se em conta que as demandas existentes são muitas. Nesse contexto ele observa que as Juntas Reguladoras são as responsáveis por coordenar e agilizar os fluxos de encaminhamento de pacientes para atendimento nos serviços especializados e, por isso, o alinhamento de informações com os municípios que compõem as regiões de saúde se constitui fator fundamental.

FOTO 1 10

David Mello lembra ainda que, pelo fato das Juntas Reguladoras serem constituídas por profissionais dos segmentos da saúde, educação e da assistência social, viabiliza a implementação de trabalhos complementares de assistência aos pacientes. “As demandas também recaem nas áreas de educação e assistência social e, por isso, as juntas reguladoras têm condições de agilizar o atendimento das demandas existentes nas micro e macrorregiões”, assinala.

Serviços Especializados

A Junta Reguladora da Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência foi instituída em 2012. Trata-se de comissão de profissionais de saúde, educação e assistência social, designada pelos gestores dos municípios que possuem serviços especializados de referência no atendimento de demandas de pessoas com deficiência.

As Juntas são responsáveis pelo monitoramento da implantação e implementação da Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência no SUS. Entre os serviços especializados disponibilizados nos municípios de referência estão: reabilitação auditiva, visual, física, serviços especializados em reabilitação da deficiência intelectual e de referência de triagem auditiva neonatal.

 

]]>
Banco de notícias Tue, 25 Apr 2017 15:42:04 +0000
Regional de Saúde de Varginha promove capacitação sobre Estratificação de Risco da Gestante no SUS http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9314-regional-de-saude-de-varginha-promove-capacitacao-sobre-estratificacao-de-risco-da-gestante-no-sus http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9314-regional-de-saude-de-varginha-promove-capacitacao-sobre-estratificacao-de-risco-da-gestante-no-sus

Nesta terça-feira (25/04), a Regional de Saúde de Varginha promoveu capacitação sobre os critérios para estratificação de risco e acompanhamento da gestante no Sistema Único de Saúde (SUS). O evento, promovido pelo Núcleo de Redes de Atenção à Saúde, em parceria com o Núcleo de Atenção Primária da Regional – representados, respectivamente, por Luciana Pereira e Mônica Maciel, contou com a presença de Coordenadores de Atenção Básica, enfermeiros do Programa Saúde da Família (PSF) dos cinco municípios jurisdicionados à região de saúde de Varginha, além de 35 médicos que atuam na Atenção Básica e no PSF.

O objetivo da reunião foi capacitar os profissionais de saúde para realizarem a estratificação de risco das gestantes no SUS, que é uma estratégia central de organização da Rede de Atenção à Saúde da Mulher e da Criança. Tal estratificação possibilita uma atenção diferenciada segundo as necessidades de saúde.

Crédito: Gabryella Carvalho Trindade

A coordenadora Mônica Maciel falou sobre os aspectos gerais da assistência na Atenção Primária. As características individuais e condições sociodemográficas da gestante, história reprodutiva anterior, condições clínicas prévias à gestação, as intercorrências clínicas/ obstétricas na gestação atual, no pré-natal de alto risco e o novo fluxo de atendimento a pessoas em situação de violência sexual foram os termas apresentados por Luciana Pereira, Referência Técnica da Saúde da Mulher do Núcleo de Redes da Regional de Saúde de Varginha.
 
Luciana Pereira destacou que “a intenção do Ministério da Saúde e do Estado é fortalecer o pré-natal na Atenção Primária para diminuir a demanda da média complexidade, que está sobrecarregada de pacientes que poderiam estar sendo acompanhadas na Atenção Primária”.
]]>
Banco de notícias Tue, 25 Apr 2017 15:18:49 +0000
ESP-MG recebe curso sobre saúde da criança e aleitamento materno http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9313-esp-mg-recebe-curso-sobre-saude-da-crianca-e-aleitamento-materno http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9313-esp-mg-recebe-curso-sobre-saude-da-crianca-e-aleitamento-materno

Nesta terça-feira (25/04), a Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) realizou o primeiro dos três dias de encontro da Oficina de Norma Brasileira de Comercialização de Alimentos para Lactentes e Crianças de chupeta e mamadeira (NBCAL), uma parceria do Ministério da Saúde com a Rede Internacional em Defesa do Direito de Amamentar (IBFAN).

A capacitação conta com a participação de profissionais de saúde, enfermeiros, médicos, nutricionistas, tanto da Atenção Básica, quanto hospitalar e os profissionais da vigilância sanitária do Sistema Único de Saúde (SUS) em Minas Gerais.

De acordo com Renata Araújo, da coordenação Geral de Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde, o curso visa capacitar os profissionais de saúde sobre a proteção legal ao aleitamento materno. “Nós estamos capacitando esses profissionais para que se mantenham vigilantes e monitorando a comercialização dos produtos substitutos do leite materno, bicos chupetas e mamadeiras em âmbito hospitalar, nas unidades de saúde, farmácias e nos supermercados”, explica.

Crédito: Débora Souza

Segundo Maria Inês Couto, da Rede Internacional em Defesa do Direito de Amamentar (IBFAN), a ação é essencial para divulgar a existência da lei e monitorar o seu cumprimento. “A norma existe no Brasil desde 1988, em 2006 se tornou uma lei e em 2015 foi regulamentada, então agora todos os estabelecimentos de saúde e todas as lojas de departamento e supermercados e farmácias são obrigados a cumprir essa lei. É proibido a promoção comercial de fórmulas infantis, mamadeiras bicos e chupetas, temos que saber que essa lei existe e ajudar em sua efetivação” completa.

Legislação

A Lei nº11. 265 de 03 de janeiro de 2006 regulamenta a comercialização de alimentos para lactentes e crianças de primeira infância e também a de produtos de puericultura correlatos, com objetivo de contribuir para a adequada nutrição dos lactentes e das crianças de primeira infância.

O decreto nº 8552 de 03 de novembro 2015 regulamenta a Lei nº11.265, aplicando-se a comercialização, à publicidade e às práticas correlatas, à qualidade e às informações ao uso dos seguintes produtos, fabricados no País ou importados.

Política Nacional de Aleitamento Materno

A NBCAL faz parte da política nacional de aleitamento materno, que visa apoiar, promover e proteger o aleitamento materno. Dentro dessa política existem diversas ações que vão desde a atenção básica até a atenção hospitalar, como a "Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no SUS - Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil", lançada em 2012, que tem como objetivo qualificar o processo de trabalho dos profissionais da atenção básica com o intuito de reforçar e incentivar a promoção do aleitamento materno e da alimentação saudável para crianças menores de dois anos no âmbito do SUS e o “Dia Nacional de Doação de Leite Humano” a ser comemorado, anualmente, no dia 19 de maio.

IBFAN

A Rede Internacional em Defesa do Direito de Amamentar – International Baby Food Action Network) tem como objetivo coordenar os esforços de proteção ao aleitamento materno, compartilhar informações e aumentar a consciência mundial sobre a importância da amamentação e os perigos potenciais da alimentação artificial na infância.

Desde a aprovação da primeira versão da NBCAL (1988), a Rede IBFAN realiza treinamentos nacionais de capacitação em monitoramento a fim de criar consciência em cidadãos e profissionais que trabalham em prol da amamentação e da saúde infantil.

 

]]>
Banco de notícias Tue, 25 Apr 2017 14:12:33 +0000
Nota de Esclarecimento sobre o cancelamento da Reunião da CIB desta segunda-feira (24/04) http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9312-nota-de-esclarecimento-sobre-o-cancelamento-da-reuniao-da-cib-desta-segunda-feira-24-04 http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9312-nota-de-esclarecimento-sobre-o-cancelamento-da-reuniao-da-cib-desta-segunda-feira-24-04

Sobre a 231ª Reunião da Comissão Intergestores Bipartite do Estado de Minas Gerais (CIB-MG), do dia 24/04/2017, a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) aponta que:

• O esvaziamento da CIB-MG foi provocado por decisão unilateral do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Minas Gerais (Cosems-MG);

• No dia 17/04/2017, o secretário de Estado de Saúde, Sávio Souza Cruz, foi comunicado, por meio de ofício, assinado pela presidente do Cosems-MG, Kátia Barbalho, que a entidade suspenderia a participação dos seus membros da CIB-MG do mês de abril, devendo a SES-MG dispor do mecanismo “ad referendum” para “pactuar as políticas com prazos exíguos”.

• Conforme ofício, a decisão do Cosems-MG se baseava em mudanças, pela SES-MG, da data da reunião da PPI do dia 11 para o dia 17, com convocação no dia 07/04; mudança da data da reunião da Câmara Técnica do dia 12 para o dia 17, com convocação no dia 10/04; mudança da CIB do dia 19 para o dia 24, com convocação no dia 10/04. Todas essas mudanças, segundo o ofício, prejudicariam a participação dos membros do Cosems-MG na “discussão e pactuação de todas as políticas públicas com a participação livre de todos os gestores municipais”.

A SES-MG entende que todas as convocações foram realizadas em prazo suficiente para possibilitar a participação dos gestores municipais em todas as reuniões, inclusive, adequando ao calendário eleitoral da instituição.

O Cosems-MG suspendeu a participação dos seus membros numa reunião em que pautas essenciais para o Sistema Único de Saúde (SUS) e, consequentemente, para a saúde pública da população do Estado de Minas Gerais, como manutenção do cofinanciamento da Atenção Primária da Saúde; linhas de financiamento para atenção à Saúde Indígena e aprovação e instituição do Comitê Técnico de Saúde Integral da População Negra em Minas Gerais, seriam pactuadas.

Essa é a segunda vez, no período de um ano, que acontece o esvaziamento de uma CIB, demonstrando que aquela que deveria ser a finalidade do Cosems-MG, ou seja, a saúde pública dos mineiros e mineiras, está em segundo plano para essa entidade.

 

Atenciosamente,

 

Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)

]]>
Banco de notícias Mon, 24 Apr 2017 19:33:42 +0000
Projeto "Paciente Seguro" reforça importância das boas práticas em saúde no SUS http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9311-projeto-paciente-seguro-reforca-importancia-das-boas-praticas-em-saude-no-sus http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9311-projeto-paciente-seguro-reforca-importancia-das-boas-praticas-em-saude-no-sus

Para garantir que os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) não sofram eventos indesejados, foi publicado uma portaria nacional que diz respeito ao lançamento do Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP). A coordenadora do PNSP, Ana Maria Costa Cândido Lacerda, reforça a importância do Programa para aumentar a segurança da prestação dos cuidados de saúde.

“Segurança do paciente são ações promovidas pelas instituições de saúde, profissionais e pacientes com objetivo de evitar que os riscos e perigos inerentes à complexidade dos serviços de saúde atinjam o paciente, cause algum dano ou agrave seu estado de saúde ou doença. Segurança do Paciente relaciona-se com o bem estar do paciente. Além de evitar que o paciente sofra algum dano, essas ações tem o potencial de reduzir desperdícios e retrabalho, e acima de tudo, proteger pacientes e trabalhadores", explica Ana Maria.

Crédito:iStock / Reprodução.

De forma prática, o projeto "Paciente Seguro" assegura que o profissional saiba o que fazer dentro da unidade de saúde para garantir a segurança das pessoas que irão passar por algum tipo de atendimento. Como exemplo, identificar o paciente no momento da internação, na hora de fazer um exame e verificar se a recomendação médica está indo para a pessoa que foi prescrita. Do mesmo modo, verificar a dosagem e via de administração de um medicamento.

Atualmente, 15 hospitais no país receberam treinamento profissional para adotarem mecanismos que melhorem o atendimento ao paciente, dentro do Projeto Paciente Seguro. Da mesma forma, outros projetos são executados em objetivos de promover a segurança do paciente em parceria com Hospital Alemão Oswaldo Cruz (HAOC) e Hospital do Coração(HCOR).

Os hospitais são referência em segurança do paciente e no cuidado centrado no paciente. Atualmente temos mais de 45 hospitais com projetos que objetivam a implantação/qualificação do Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP) para melhoria dos processos e desenvolvimento e aperfeiçoamento de ferramentas e estratégias para apoiar este processo. Todos podem contribuir para a segurança do paciente.

Entenda como você pode contribuir

Quando uma unidade de saúde recebe um paciente, a principal preocupação é que ele não sofra nenhum dano durante o processo de cuidado da instituição, Mas o próprio paciente, acompanhante ou familiar também podem adotar medidas simples para reduzir riscos e perigos:

• Faça a higienização das mãos antes e após tocar o paciente. Isso evita infecções e outras complicações.
• Ajude no cuidado para evitar queda do paciente. Manter a grade do leito levantada é uma ação que pode evitar queda.
• Peça que o profissional confirme o nome do paciente toda vez que for fazer algum procedimento.
• Faça uso do álcool gel no ambiente hospitalar sempre para limpar as mãos. Evite tocar nas superfícies e o consumir alimentos neste ambiente.
• Peça, gentilmente, explicações ao profissional sobre a medicação que será administrada. Para que serve? De quanto em quanto tempo será administrado? Quais são os efeitos esperados?
• Sempre tire suas dúvidas com o médico ou outro profissional de saúde e informe o uso de outros medicamentos e alergias a substâncias, como látex e alimentos.
• Comunique ao profissional de saúde se sentir mal com uma medicação.

 

 

]]>
Banco de notícias Mon, 24 Apr 2017 17:14:32 +0000